Todos os posts de Rodrigo Rangel da Costa

Inflação por faixa de renda – Setembro/2021

Por Maria Andréia P. Lameiras

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostra que, em setembro, houve aceleração das taxas de inflação em todos os segmentos de renda pesquisados. Em que pese esta alta generalizada, a inflação foi mais acentuada para as famílias de renda muito baixa (1,30%), comparativamente à apurada no grupo de renda mais elevada (1,09%). No acumulado do ano, as famílias de renda média-baixa são as que registram a maior alta inflacionária, com taxa de 7,23%. Já no acumulado em doze meses, a pressão inflacionária continua maior nas classes de renda mais baixa, cuja taxa de 11% mantém-se em patamar acima do observado no segmento de renda mais alta (8,9%).

211015_cc_53_nota_6_inflacao_por_faixa_renda_set21_graficos_1_2

211015_cc_53_nota_6_inflacao_por_faixa_renda_set21_tabela_1

Acesse a série histórica completa

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Índice de Custo da Tecnologia da Informação (ICTI) – julho de 2021

Por Maria Andreia Parente Lameiras

O Índice de Custo da Tecnologia da Informação (ICTI), calculado pelo Ipea, apresentou taxa de variação de 0,64% em julho de 2021, situando-se 0,57 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada no mês anterior. Na comparação com o mesmo mês de 2020, a variação foi 0,32 p.p. menor.

Com a incorporação desse resultado, o ICTI acumula uma variação de 7,91% nos últimos doze meses, atingindo patamar inferior ao registrado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pelo Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP) e pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), como mostra a tabela 1.211006_Nota_4_Iicti_julho_21_tabela_01Na desagregação entre os oito grupos de serviços que compõem o ICTI, observa-se que, no acumulado em doze meses, a maior contribuição veio do segmento de demais despesas operacionais, responsável por aproximadamente 77% da variação total apresentada pelo índice.211006_Nota_4_Iicti_julho_21_tabela_02

Acesse o texto completo

Acesse a série histórica completa



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicadores mensais do mercado de trabalho

Por Maria Andreia Parente lameiras e Marcos Dantas Hecksher

As estimativas próprias de dados mensais apresentadas nesta nota, feitas com base nos dados trimestrais da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), indicam que o ritmo de recuperação da população ocupada se acentuou no último mês, possibilitando a redução da taxa de desemprego, mesmo num cenário de recuperação da taxa de participação. Em julho, a população ocupada no mercado de trabalho chegou a 90,2 milhões de pessoas, o que representa uma alta de 12%, na comparação interanual. Essa expansão possibilitou a queda de 1,5 ponto percentual (p.p.) da taxa de desocupação, que recuou de 14,5%, em julho de 2020, para 13,0% em julho de 2021.

211005_cc_53_nota_3_indicador_mensal_mt_setembro_graficos_1_e_2

Acesse o texto completo

Acesse a série histórica completa



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desempenho recente do mercado de trabalho

Por Maria Andreia Parente Lameiras, Carlos Henrique Corseuil, Lauro Ramos e Felipe Mendonça Russo

Os dados mais recentes mostram que embora já se verifique alguns sinais positivos, o mercado de trabalho brasileiro ainda apresenta um quadro desafiador, com taxas de desocupação, subocupação e informalidade ainda em patamares elevados. No entanto, o ritmo de recuperação da população ocupada vem se acentuando nos últimos meses, a ponto de conseguir reduzir a taxa de desemprego mesmo num cenário de recuperação da taxa de participação. Segundo a desagregação dos trimestres móveis da PNAD Contínua, observa-se que, após atingir 15,1%, em março, a taxa de desocupação vem decrescendo, de modo que, em junho, já havia recuado para 13,7%. De modo similar, os dados dessazonalizados indicam que a taxa de desocupação em junho (13,8%) é a menor apurada desde maio de 2020.

210927_cc_52_nota_30_mercado_de_trabalho_set21_graficos_1_e_6

As estatísticas extraídas da PNAD Contínua mostram ainda que esse aumento do emprego no segundo trimestre, na comparação com o mesmo período do ano anterior, ocorreu de forma disseminada entre os diferentes segmentos da população, com destaque para a expansão da ocupação entre as mulheres (2,2%), os jovens (11,8%) e os trabalhadores com ensino médio (7,0%).

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Finanças públicas estaduais Disponibilidades de caixa e a possível retomada do investimento

Por Mônica Mora e Marco Antônio F. H. Cavalcanti

Após um longo período de retração da capacidade de gastos, os governos estaduais circunstancialmente depararam-se com um aumento dos recursos disponíveis em 2020, ou seja, espaço fiscal, em contraste com a retração na economia imposta pelas restrições decorrentes da pandemia.

Esse movimento manteve-se em 2021, com o aumento do superavit primário no primeiro semestre do ano permitindo que, mesmo após o pagamento do serviço da dívida, fossem acumuladas disponibilidades de caixa – que alcançaram 22% da receita corrente líquida (RCL) para o conjunto dos estados – e abrindo espaço para os governos estaduais retomarem uma agenda de investimento quando as restrições impostas pela pandemia forem flexibilizadas.

Os governos estaduais, contudo, defrontam-se com os desafios de evitar que o robustecimento da liquidez seja absorvido em gastos obrigatórios e de identificar as melhores oportunidades de investimento, de modo que os recursos possam efetivamente contribuir para lidar com os problemas estruturais locais, alguns dos quais foram aprofundados ao longo da pandemia.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Boletim de expectativas – Setembro de 2021

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos

Este Boletim apresenta uma compilação de expectativas para diversas variáveis econômicas, coletadas de diferentes fontes. Neste número, são apresentadas previsões para o PIB, IPCA, juros, taxa de câmbio, conta corrente e investimento direto no país (balanço de pagamentos) e variáveis fiscais. Os gráficos ilustram a evolução, ao longo deste ano, das projeções para 2021, 2022 e 2023. O crescimento do PIB previsto para os três anos vem sofrendo revisões para baixo recentemente. A inflação ao consumidor, por sua vez, para cima, nos casos de 2021 e 2022, enquanto mantém-se ancorada na meta de 3,25% em 2023. A taxa Selic é esperada em 8% no fim deste ano e também no de 2022; o nível esperado para fechar 2023 é de 6,5%. A alta nos juros se reflete também nas taxas dos leilões primários de títulos do Tesouro e na estrutura a termo do mercado secundário. As taxas de câmbio esperadas para o fim deste ano, de 2022 e de 2023 estão mais baixas do que no segundo trimestre, mas o quadro geral é de relativa estabilidade nas expectativas, que variam entre R$ 5,00 e R$ 5,30. As previsões para o deficit em conta corrente do balanço de pagamentos e para o investimento direto no país (IDP) têm se mantido mais ou menos estáveis, com o IDP cerca de três vezes maior do que o deficit em conta corrente em 2022 e 2023. Por fim, destaca-se a melhoria, ao longo de 2021, dos números esperados para variáveis de finanças públicas – receita, despesa, resultados primário e nominal, dívida líquida e dívida bruta.

210917_cc_52_nota_27_boletim_de_expectativas_graficos_2_e_7

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Previsão de indicadores de atividade e preço com modelo algorítmico

Por Ajax Moreira, Leonardo Carvalho e Izabel Nolau

O modelo algorítmico prevê o valor de uma variável dado um conjunto de explicativas, identificando padrões na relação entre o alvo e as explicativas sem supor formas funcionais para esse padrão, além de sempre manter o valor previsto fora da amostra de estimação. Nesta abordagem, são estimados múltiplos algoritmos que determinam padrões segundo diferentes critérios, e o algoritmo que maximiza a exatidão da previsão – minimizando um critério de perda – é o escolhido. A qualidade do resultado depende da variedade dos algoritmos testados e do conjunto de explicativas.

Nesta nota, propõe-se a introdução de um procedimento de pré-seleção de explicativas como um elemento adicional na escolha do previsor. Além disso, apresenta-se uma metodologia para obter, de forma não paramétrica, realizações da previsão, e, assim, calcular o intervalo de confiança da previsão e das estatísticas derivadas.

A abordagem dos modelos algorítmicos com as duas extensões, pré-seleção e incerteza da previsão foi utilizada para prever: i) o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e cinco dos seus componentes; ii) o produto interno bruto (PIB) medido com o monitor do PIB construído na Fundação Getúlio Vargas (FGV) e dez de seus componentes; e iii) o produto dos setores da indústria, comércio e serviços e seus respectivos segmentos.

Os resultados são heterogêneos: o previsor dos componentes do PIB e do produto da indústria geral e do comércio e seus segmentos apresentam um desempenho satisfatório para previsões de até seis meses à frente. O previsor do IPCA e do produto e dos serviços tem desempenho insatisfatório para previsões para horizonte superior a dois meses. No caso do produto de comércio e serviços, a variável-alvo possui uma amostra muito curta, o que limita o funcionamento desta abordagem.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Retrato dos rendimentos e horas trabalhadas durante a pandemia – resultados da PNAD Contínua do segundo trimestre de 2021

Por Sandro S. de Carvalho

Os impactos imediatos da pandemia sobre os rendimentos, bem como a importância do Auxílio Emergencial, foram analisados com os dados da PNAD Covid-19, que mostraram um descolamento da renda efetiva do trabalho da renda habitual. Tal descolamento também foi observado na PNAD Contínua, levando à consideração mais atenta da renda efetiva para se avaliar a conjuntura dos rendimentos ao longo dos anos de 2020 e 2021. Os rendimentos habituais reais médios apresentaram uma queda de 6,6% no segundo trimestre de 2021 em comparação com o mesmo trimestre de 2020, intensificando uma retração que se iniciou no trimestre terminado em abril. Contudo, tal movi- mento é apenas o inverso (um ano depois) do observado no início da pandemia quando os rendimentos habituais apresentaram um crescimento acelerado, atingindo um crescimento interanual de 8,6% no trimestre móvel entre maio e julho de 2020, tendo desacelerado após o terceiro trimestre. Ainda assim, apresenta um crescimento de 2,8% no quarto trimestre de 2020. Na comparação com o segundo trimestre de 2019, portanto, antes da pandemia, os rendimentos habituais caíram 0,2% no segundo trimestre de 2021.

Em contraste, a renda efetiva apresentou consecutivas quedas a partir do trimestre móvel iniciado em abril do ano passado, apenas se recuperando após setembro. Entretanto, entre o fim de 2020 e o primeiro trimestre de 2021, a renda efetiva voltou a apresentar quedas, tendo recuado 2,2% no primeiro trimestre de 2021 na comparação interanual. Após uma pequena recuperação em maio, o crescimento interanual da renda efetiva foi de 0,9% ao fim do segundo trimestre de 2021.

O impacto da pandemia no mercado de trabalho não ocorreu apenas sobre o nível de ocupação e os rendimentos. Também foram detectadas significativas alterações no comportamento das horas trabalhadas e no afastamento do trabalho. A pandemia não afetou as horas habitualmente trabalhadas que, durante 2020, manteve-se em torno de 39,5 horas semanais. Contudo, já no primeiro trimestre de 2020, e sobretudo no segundo trimestre, observou-se uma forte queda nas horas efetivamente trabalhadas, que alcançaram apenas 78% das horas habituais, o que representa uma jornada semanal média efetiva de 30,7 horas. O impacto foi maior entre os trabalhadores por conta própria (73%) e trabalhadores do setor público informais (72%). A comparação do quarto trimestre de 2020 com o mesmo trimestre do ano anterior já não mostrava diferenças significativas, o que se manteve no segundo trimestre de 2021, mostrando que a segunda onda da pandemia não causou novos impactos sobre as horas trabalhadas.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O trabalho remoto na pandemia nas Unidades Federativas brasileiras: a heterogeneidade das suas realidades

Por Geraldo Sandoval Góes, Felipe dos Santos Martins e José Antônio Sena Nascimento

Esta Nota de Conjuntura tem como objetivo apresentar o perfil e atender a demanda por informações sobre o trabalho remoto nas unidades federativas brasileiras, durante a pandemia da Covid-19. Antecipando brevemente os resultados, os dados indicam que a intensidade de trabalho remoto foi bastante diversa. Em um dos extremos tem-se o Distrito Federal, onde, em média, mais que um quinto (23,6%) das pessoas ocupadas e não afastadas estavam em trabalho remoto ao longo de 2020; por outro tem-se o Pará, onde esse percentual foi de 3,5%, como ilustra a figura 1. Quanto ao perfil das pessoas que estavam em trabalho remoto nos estados brasileiros ao longo de 2020, a sua maioria é composta por mulheres, pessoas autodeclaradas brancas, com escolaridade de nível superior completo. De modo análogo, o resultado para outras características – como o percentual dentro da faixa etária de 20 a 49 anos ou de pessoas no setor público – é bastante heterogêneo a depender da unidade federativa.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Atividade econômica: dados recentes e previsões para 2021 e 2022

Por Leonardo M. de Carvalho e José Ronaldo de C. Souza Jr.

A análise recente dos indicadores de atividade econômica corrobora, em grande medida, as expectativas da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Ipea em relação aos cenários de curto e médio prazo para a economia brasileira – discutidos em junho deste ano na visão geral da Carta de Conjuntura no 51. Conforme prevíamos, apesar da melhora no ambiente macroeconômico, refletida no aumento generalizado dos indicadores de confiança nos últimos meses, o produto interno bruto (PIB) deverá apresentar um resultado próximo à estabilidade no segundo trimestre, quando comparado aos primeiros três meses do ano. Enquanto os resultados do Monitor do PIB, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), indicam uma contração de 0,3% na margem do PIB no segundo trimestre, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) estima crescimento de 0,1% da atividade econômica no mesmo período. De um lado, os efeitos do recrudescimento da pandemia de Covid-19 sobre o nível de atividade no início de 2021 se mostraram menos intensos do que no início da crise sanitária – como discutido na Carta de Conjuntura no 51. De outro lado, a indústria de transformação continuou enfrentando escassez de matéria-prima, o que restringiu a oferta em alguns segmentos. Além disso, o ritmo de recuperação ainda modesto observado nos indicadores de mercado de trabalho, juntamente com a aceleração da inflação, constituiu dificuldades para um crescimento mais robusto da demanda interna.

210827_cc_52_nota_19_atividade_economica.pdf_tabela

Esta nota analisa indicadores desagregados de indústria, comércio e serviços e mostra que os indicadores dos dois primeiros setores vieram, até agora, em linha com o nosso cenário detalhado na visão geral (de junho), ao passo que os serviços têm apresentado desempenho um pouco melhor que o previsto anteriormente. Essa melhora dos serviços tende a ser compensada pela menor expectativa de crescimento do valor adicionado do setor da agropecuária, conforme ressaltado na Nota de Conjuntura no 18. Diante desse cenário, nossas previsões de crescimento para 2021 (4,8%) e 2022 (2%) permanecem inalteradas. Cabe destacar, contudo, vários fatores de risco para esse cenário; em particular, a atual crise hídrica e a recente piora no quadro de contágio da Covid-19 em função da variante delta, no país e no mundo.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------