Arquivo da tag: consumo aparente

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – Novembro de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou uma queda de 2,9% na comparação entre novembro e outubro na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, que sucedeu uma alta de 0,3% no período anterior, o trimestre móvel encerrado em novembro recuou 2,4% na margem, segunda variação negativa seguida nesta base de comparação. Entre os componentes do consumo aparente, ainda na comparação dessazonalizada, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) recuou 0,5% em novembro e 2,9% no trimestre móvel, as importações de bens industriais cederam 8,9% em novembro e 3,4% no trimestre móvel, conforme mostra a tabela 1.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais caiu 3,2% contra novembro do ano passado, interrompendo sequência positiva de quatro meses. Com isso, o trimestre móvel aumentou 0,1% em relação ao verificado no mesmo período de 2021. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda cedeu 0,9%, enquanto a produção industrial, mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), acumulou uma queda de 1%, como visto no gráfico 1. Na mesma base de comparação, as importações de bens industriais cresceram 4,2%.

230117_cc_58_nota_7_consumo_aparente_tabela_1

230117_cc_58_nota_7_consumo_aparente_grafico_1

Acesse o texto completo

Dados Consumo XLS



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – Outubro de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou uma alta de 0,2% na comparação entre outubro e setembro na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, que sucedeu uma baixa de 1,4% no período anterior, o trimestre móvel encerrado em outubro recuou 0,9% na margem, interrompendo uma sequência de seis aumentos nesta base de comparação. Entre os componentes do consumo aparente, ainda na comparação dessazonalizada, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) cresceu 0,3% em outubro e recuou 2,4% no trimestre móvel, as importações de bens industriais cederam 1% em outubro, com alta de 3,9% no trimestre móvel, conforme mostra a tabela 1.
Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais cresceu 3% contra outubro do ano passado. Com isso, o trimestre móvel aumentou 3,2% em relação ao verificado no mesmo período de 2021. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda cedeu 0,6%, enquanto a produção industrial, mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), acumulou uma queda de 1,4%, como visto no gráfico 1. Na mesma base de comparação, as importações de bens industriais cresceram 5,4%.

Tabela 1 (18)

Gráfico 1 (4)

Acesse o texto completo

Dados Consumo XLS



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – Setembro de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou uma queda de 1,3% na comparação entre setembro e agosto na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, que sucedeu uma baixa de 0,8% no período anterior, o terceiro trimestre avançou 0,5% na margem, a sexta variação positiva nesta base de comparação. Entre os componentes do consumo aparente, ainda na comparação dessazonalizada, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) recuou 1,1% em setembro e 1,4% no terceiro trimestre, as importações de bens industriais, após crescerem 0,1% em agosto, cederam 1,9% em setembro, com alta de 8,3% no terceiro trimestre, conforme mostra a tabela 1.
Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais cresceu 0,7% contra setembro do ano passado. Com isso, o terceiro trimestre móvel aumentou 2,6% em relação ao verificado no mesmo período de 2021. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda cedeu 1,2%, enquanto a produção industrial, mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), acumulou uma queda de 2,3%, como visto no gráfico 1. Na mesma base de comparação, as importações de bens industriais cresceram 7%.

Tabela 1 (16)

Gráfico 1 (2)

Acesse o texto completo

xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador IPEA de consumo aparente de bens industriais – Julho de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou uma alta de 2,1% na comparação entre julho e junho na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, o trimestre móvel terminado em julho avançou 2,4% na margem. Entre os componentes do consumo aparente, ainda na comparação dessazonalizada, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) cresceu 0,8% em julho (com alta de 2,7% no trimestre móvel), as importações de bens industriais, após cederem 2,5% em junho, aumentaram 9,8% em julho, com alta de 8,4% no trimestre móvel, conforme mostra a tabela 1.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais cresceu 1,9% contra julho do ano passado. Com isso, o trimestre móvel aumentou 1,4% em relação ao verificado no mesmo período de 2021. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda cedeu 1,7%, enquanto a produção industrial, mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulou uma queda de 3%, como visto no gráfico 1. Na mesma base de comparação, as importações de bens industriais cresceram 9,7%.

Tabela_1

 

Grafico_1

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – junho de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou uma queda de 1,1% na comparação entre junho e maio na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, o trimestre móvel terminado em junho avançou 2,9% na margem. Entre os componentes do consumo aparente, ainda na comparação dessazonalizada, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) recuou 0,9% em junho (com alta de 2,7% no trimestre móvel), as importações de bens industriais, após crescerem 3,3% em maio, cederam 2,7% em junho, com alta de 5,8% no trimestre móvel, conforme mostra a tabela 1.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais cresceu 0,1% contra junho do ano passado. Com isso, o trimestre móvel permaneceu estável em relação ao verificado no mesmo período de 2021. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda cedeu 1,2%, enquanto a produção industrial, mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulou uma queda de 2,8%, como visto no gráfico 1. Na mesma base de comparação, as importações de bens industriais cresceram 11,9%.

220823_cc_56_nota_15_consumo_aparente_tabela_1

220823_cc_56_nota_15_consumo_aparente_grafico_1

Acesse o texto completo

Indicador IPEA de Consumo Aparente de Bens Industriais (xlsx)



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – maio de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou uma alta de 1,4% na comparação entre maio e abril na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, o trimestre móvel terminado em maio avançou 2,2% na margem. Entre os componentes do consumo aparente, ainda na comparação dessazonalizada, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) subiu 1,3% em maio (com alta de 1,9% no trimestre móvel), as importações de bens industriais, após crescerem 3,4% em abril, avançaram 3,7% em maio, com alta de 5,1% no trimestre móvel, conforme mostra a tabela 1.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais cresceu 2% contra maio do ano passado. Com isso, o trimestre móvel registrou uma queda de 1,6% em relação ao verificado no mesmo período de 2021. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda cedeu 0,1%, enquanto a produção industrial, mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulou uma queda de 1,9%, como visto no gráfico 1. Na mesma base de comparação, as importações de bens industriais cresceram 15,4%.

220811_cc_56_nota_12_consumo_aparente_tabela_01

220811_cc_56_nota_12_consumo_aparente_grafico_01

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – abril de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou uma alta de 0,9% na comparação entre abril e março na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, o trimestre móvel terminado em abril avançou 0,2% na margem. Entre os componentes do consumo aparente, ainda na comparação dessazonalizada, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) subiu 0,2% em abril (com queda de 0,3% no trimestre móvel), as importações de bens industriais, após crescerem 2,9% em março, avançaram 3,3% em abril, com recuo de 0,4% no trimestre móvel, conforme mostra a tabela.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais retrocedeu 3,7% contra abril do ano passado. Com isso, o trimestre móvel registrou uma queda de 5% em relação ao verificado no mesmo período de 2021. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda cresceu 1,7%, enquanto a produção industrial, mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulou uma queda de 0,3%, como visto no gráfico. Na mesma base de comparação, as importações de bens industriais cresceram 18,7%.

220627_cc_55_nota_30_consumo_aparente_tabela_1

220627_cc_55_nota_30_consumo_aparente_grafico_1

Acesse o texto completo

Indicador IPEA de Consumo Aparente de Bens Industriais (xlsx)



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – março de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou uma alta de 1,1% na comparação entre março e fevereiro na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, o trimestre móvel terminado em março recuou 0,6% na margem. Entre os componentes do consumo aparente, ainda na comparação dessazonalizada, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) subiu 0,8% em março e 0,1% no trimestre móvel, as importações de bens industriais, embora tenham crescido 2,7% em março (resultado que interrompeu quatro quedas seguidas na margem), apresentaram recuo de 5,4% no trimestre móvel, conforme mostra a tabela.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais retrocedeu 4,7% contra março do ano passado. Com isso, o trimestre móvel registrou uma queda de 6,6% em relação ao verificado no mesmo período de 2021. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda cresceu 4%, enquanto a produção industrial, mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) do IBGE, acumulou uma alta de 1,8%, como visto no gráfico. Na mesma base de comparação, as importações de bens industriais cresceram 21,6%.

220530_cc_55_nota_21_consumo_aparente_tabela_01

220530_cc_55_nota_21_consumo_aparente_grafico_01

Acesse o texto completo

Indicador IPEA de Consumo Aparente de Bens Industriais (xlsx)



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------