Arquivos da categoria: Atividade Econômica

Impacto das chuvas no setor agropecuário do Rio Grande do Sul: revisão da produção do estado e nova estimativa para o PIB agropecuário brasileiro

Por Diego Ferreira, Ana Cecília Kreter e Pedro Mendes Garcia​

Esta Nota Técnica traz o acompanhamento das principais lavouras do Rio Grande do Sul após os eventos climáticos adversos enfrentados na região. Para tanto, são apresentadas as novas estimativas de produção, a dinâmica recente dos preços internos e simulações de impacto das perdas nas lavouras riograndenses sobre o crescimento do valor adicionado do setor agropecuário brasileiro em 2024 – o produto interno bruto (PIB) da agropecuária.

As recentes chuvas no Rio Grande do Sul tiveram impactos significativos sobre a produção agrícola do estado, especialmente em suas principais culturas: soja, milho, trigo e arroz. Segundo levantamentos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e relatórios de instituições locais como a Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/RS) e o Instituto Riograndense do Arroz (Irga), as chuvas intensas e inundações afetaram áreas consideráveis de plantio, resultando em perdas substanciais de produtividade e no comprometimento de lavouras ainda a serem colhidas.

Na cultura da soja, por exemplo, estima-se que aproximadamente 110,3 mil hectares foram impactados pelas enxurradas, resultando em perdas de até 2,71 milhões de toneladas da oleaginosa. Isso corresponde a cerca de 12,2% da produção de soja estimada para o estado. Ainda que o Rio Grande do Sul deva registrar aumento na produtividade e recorde na produção total de soja no ano-safra 2023-2024, as adversidades climáticas em todo o país resultaram em impactos significativos sobre a estimativa de produção total, contribuindo para uma redução de 8,6% na produtividade média da cultura em âmbito nacional.

No caso do milho, as perdas no Rio Grande do Sul foram avaliadas em 113,7 mil hectares, resultando em uma diminuição de 354,19 mil toneladas na produção total estimada do cereal para o estado. Apesar das perdas, o estado também deve registrar um aumento na produção total do grão devido a ganhos significativos de produtividade em comparação com a safra anterior.

Para o trigo, o excesso de precipitação prolongada no Rio Grande do Sul desde abril afetou significativamente as potenciais áreas de plantio e a qualidade do solo, e poderá impactar a escolha da cultura de inverno deste ano. Ainda assim, a decisão da maior parte dos produtores será tomada – tanto em termos de viabilidade de cultivo quanto em termos econômicos – apenas quando do retorno do tempo seco. Mesmo diante da incerteza, a Conab mantém a previsão de um expressivo aumento na produtividade média da cultura na região ante o ano anterior, com estimativa de crescimento na produção de 44,5%, o que ainda deve posicionar o Rio Grande do Sul como o principal produtor nacional de trigo.

As inundações e enxurradas também impactaram o setor de arroz riograndense: aproximadamente 46,99 mil hectares foram totalmente perdidos, o que corresponde à produção de cerca de 395,2 mil toneladas do cereal. No entanto, a produção de arroz no estado se manteve superior à safra anterior, com um aumento previsto de 2,1% no volume colhido – resultado líquido da expansão de 4,4% na área cultivada e da queda de 2,2% na produtividade das lavouras.

Esses eventos climáticos extremos não apenas afetaram a produção agrícola, mas também tiveram repercussões significativas sobre o valor adicionado do setor agropecuário brasileiro. Simulações realizadas com dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com referência a abril e maio de 2024, apontam que as perdas nas principais culturas agrícolas do Rio Grande do Sul podem representar uma significativa redução no valor agregado do setor agropecuário nacional, principalmente em relação ao desempenho da soja em grãos.

De modo geral, enquanto o estado tenta se recuperar e voltar à normalidade nas atividades agrícolas, as consequências das fortes chuvas no Rio Grande do Sul mostram a vulnerabilidade do setor em face de eventos climáticos extremos e a necessidade de medidas preventivas para reduzir esses impactos no futuro.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de consumo aparente de bens industriais – abril de 2024

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais registrou queda de 1,8% na comparação entre abril e março na série com ajuste sazonal. O indicador é uma proxy da demanda interna por bens industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno, acrescida das importações. Esse resultado ocorreu em razão da retração de 2,2% da produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) e de uma alta de 1,1% das importações de bens industriais, conforme mostra a tabela 1.

O resultado em abril representou a primeira variação negativa após duas altas consecutivas na série dessazonalizada. Com isso, o trimestre móvel encerrado neste mês cresceu 2,1% na margem. Na comparação interanual, enquanto o indicador mensal subiu 7,0% em relação a abril de 2023, o indicador em médias móveis trimestrais aumentou 4,4%. No acumulado em doze meses, a demanda por bens industriais registrou baixa de 0,2%, contrastando com a elevação de 1,3% apontada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), como visto no gráfico 1.

240708_cc_63_nota_29_tabela

240708_cc_63_nota_29_grafico

Acesse o texto completo

Dados Xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Visão Geral da Conjuntura

Por Claudio Roberto Amitrano, Mônica Mora Y Araujo e Claudio Hamilton Matos dos Santos

Na última Visão Geral da Conjuntura (publicada na Nota no 27 da Carta de Conjuntura no 62), divulgada em março deste ano, prevíamos que a economia deveria continuar crescendo ao longo de 2024 e que esse crescimento seria liderado pela demanda interna. À época, nosso cenário subjacente presumia uma economia caracterizada por um mercado de trabalho aquecido, o que, somado às políticas de sustentação de renda do governo, tenderia a estimular o consumo de bens de serviços. Além disso, os indicadores apontavam para uma recuperação dos investimentos e da indústria de transformação, ambos favorecidos pelo processo de ajustamento de estoques e por um nível de utilização de capacidade rodando acima da média histórica. Por fim, o cenário também previa um crescimento mais robusto das importações, de modo que as exportações líquidas dificilmente puxariam a economia tanto quanto em 2023, ano marcado por desempenho excepcional das exportações.

As informações já disponíveis sobre o segundo trimestre quando da redação deste texto (concluída no fim de junho de 2024) – a maioria das quais relativas ainda a abril – não são suficientes para mudarmos nosso cenário-base de crescimento do PIB de 2,2% em 2024. É fato que houve choques negativos importantes nos últimos meses – notadamente a tragédia climática no Sul, registrada entre o fim de abril e o início de maio, e a interrupção do ciclo de cortes na taxa Selic decidida na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em 19 de junho. Por sua vez, os últimos dados sugerem que o PIB do setor agropecuário em 2024 será maior do que esperávamos anteriormente e que tanto a massa salarial quanto a FBCF continuavam em expansão em abril do ano corrente.

Permanecem – até onde podemos observar – incertezas decisivas a respeito do impacto dos eventos ocorridos no Sul sobre a economia nacional. De um lado, restam poucas dúvidas de que a destruição do estoque de capital e a disrupção da atividade econômica no estado foram muito acentuadas. De outro, mesmo com as enchentes, o desempenho do PIB agropecuário do Rio Grande do Sul em 2024 deverá ser bem superior ao verificado no ano passado – posto que grande parte da safra de 2024 já tinha sido colhida antes das enchentes e que a produção do estado foi prejudicada por dificuldades climáticas em 2023 –, e o pacote de ajuda governamental, cujos contornos precisos ainda estão sendo discutidos no Congresso Nacional, deverá ser muito significativo.

Há menos dúvidas, naturalmente, sobre o efeito negativo do impacto da interrupção do ciclo de cortes na taxa Selic sobre a economia. Mas, como aponta o próprio comunicado do Copom do dia 19 de junho, tal pausa é em grande medida reflexo do “maior dinamismo do que o esperado”1 apresentado pelos indicadores de atividade econômica e do mercado de trabalho em tempos recentes – ou seja, em 2024 a economia provavelmente cresceria mais do que o previamente projetado caso os juros continuassem em queda. Diante disto, por ora mantemos nossa projeção de crescimento de 2,2% do PIB em 2024. É justo notar, entretanto, que em prazo mais longo os juros elevados deverão contribuir para um desempenho menos vigoroso da economia, de modo que nossa projeção de crescimento do PIB em 2025 foi reduzida de 2,5% para 2,3%.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicadores mensais de indústria, comércio e serviços

Por Leonardo Mello de Carvalho

O crescimento do PIB na passagem entre o quarto trimestre de 2023 e o primeiro de 2024 confirmou a aceleração no ritmo de expansão da atividade econômica no período, conforme já antecipado pelos indicadores setoriais com periodicidade mensal. Em linhas gerais, o cenário se manteve nos primeiros meses do segundo trimestre, com alguma incerteza devido aos efeitos do desastre climático no Sul. Todos os principais indicadores analisados registraram crescimento na comparação interanual em abril, resultado que também ocorreu no acumulado do primeiro quadrimestre. A análise em médias móveis trimestrais, todavia, aponta alguma heterogeneidade no ritmo de crescimento dessazonalizado ao longo do ano. A produção industrial, segundo a PIM-PF, após avançar a uma taxa média de 1,1% no primeiro bimestre, registrou acentuada desaceleração nos dois meses seguintes (0,2%). O resultado até o mês de abril deixa um carry-over também de 0,2% para o segundo trimestre.

Já o comércio varejista (conceito ampliado), de acordo com a PMC, apresentou forte aceleração nas taxas de crescimento em média móvel ao longo do primeiro trimestre, e pequena perda de fôlego em abril. Com isso, o carry-over para o segundo trimestre ficou negativo em 0,8%. O varejo restrito, mais influenciado pela renda, registrou trajetória de aceleração em todo o quadrimestre, acumulando uma alta de 4,3% na margem no ano. Por fim, segundo a PMS, a receita real de serviços apresentou um ritmo regular de crescimento ao longo dos primeiros quatro meses de 2024, com alguma desaceleração na média móvel de abril. Com isso, o setor inicia o segundo trimestre com um carry-over de 0,7%.

O comportamento dos indicadores que buscam sumariar a atividade econômica brasileira apresentou resultado similar no primeiro quadrimestre. Tanto o Monitor do PIB, da FGV, quanto o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registraram um ritmo de crescimento bastante regular no primeiro quadrimestre, com pequena desaceleração no mês de abril. Ainda em termos agregados, o indicador de difusão calculado pelo Ipea se manteve em um nível acima de sua média histórica, situada em 51,5%. Em abril, 58,3% dos segmentos utilizados registraram variação positiva, em comparação com 59,1% no período anterior. Com base na análise em médias móveis de três meses, o indicador de difusão atingiu 57,4% em abril, resultado que representou o segundo aumento consecutivo na margem (gráfico 1).

240701_cc_63_nota_26_grafico

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea mensal de FBCF – resultado de abril de 2024

Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que agrega os investimentos em máquinas e equipamentos, na construção civil e em outros ativos fixos, registrou avanço de 0,5% na comparação entre abril e março na série com ajuste sazonal. Com isso, o trimestre móvel encerrado em abril registrou expansão de 4,5% na comparação dessazonalizada.

Nas comparações com os mesmos períodos de 2023, o indicador mensal apresentou altas de 16,1%, em abril, e 6,3%, no trimestre móvel. No acumulado em doze meses, por sua vez, os investimentos totais ainda apresentaram retração de 1,2%.

240618_cc_63_nota_23_tabela

240618_cc_63_nota_23_grafico

Acesse o texto completo

 



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea mensal de FBCF – resultado de março de 2024

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que agrega os investimentos em máquinas e equipamentos, na construção civil e em outros ativos fixos, registra uma alta de 4,0% na comparação entre março e fevereiro na série com ajuste sazonal. O resultado representou o maior crescimento desde março de 2023. Com isso, o trimestre móvel encerrado em março registrou expansão de 4,1% na comparação dessazonalizada – resultado já ajustado de acordo com as contas nacionais trimestrais, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Vale notar que o indicador se situa 14,6% abaixo do máximo atingido na série, verificado em abril de 2013. Nas comparações com os mesmos períodos de 2023, o indicador mensal apresentou queda de 2,5% em março, e alta de 2,7% no trimestre móvel. No acumulado em doze meses, por sua vez, os investimentos totais apresentaram uma retração de 2,7% em março.

            Na comparação com ajuste sazonal, os investimentos em máquinas e equipamentos medidos segundo o conceito de consumo aparente, que corresponde à produção nacional destinada ao mercado interno acrescida das importações – apresentaram um avanço de 9,0% em março, encerrando o trimestre móvel com alta de 6,8%. Quanto a seus componentes, tanto a produção nacional quanto as importações registraram avanço em março, com altas de 2,8% e 15,7%, respectivamente. Já na comparação em médias móveis, enquanto a produção nacional cresceu 9,2%, as importações aumentaram 16,2%. No acumulado em doze meses, o consumo aparente (ou a demanda interna) de máquinas e equipamentos registrou uma retração de 7,6%.

240607_cc_63_nota_19_tabela

240607_cc_63_nota_19_grafico

Acesse o texto completo

Dados Xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desempenho do PIB no primeiro trimestre de 2024

Por Leonardo Mello de Carvalho e Claudio Hamilton Matos dos Santos

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o produto interno bruto (PIB) avançou 0,8% no primeiro trimestre de 2024, na comparação com o período imediatamente anterior, já livre de efeitos sazonais, sucedendo dois trimestres de crescimento virtualmente nulo. Na comparação interanual, o resultado também foi positivo, com alta de 2,5% sobre o primeiro trimestre de 2023. Com isso, o PIB registrou a mesma taxa de crescimento na comparação acumulada em quatro trimestres. Os resultados vieram de acordo com a previsão divulgada na Nota de Conjuntura no 62 em março deste ano, quando prevíamos 2,3% na comparação interanual, com avanço de 0,6% na margem. Na ocasião, nosso cenário subjacente presumia uma economia caracterizada por um mercado de trabalho ainda apertado, o que, somado às políticas de sustentação de renda do governo, teria como consequência um efeito estimulador sobre o consumo de bens de serviços. Além disso, os indicadores à época apontavam para uma recuperação dos investimentos e da indústria de transformação, ambos favorecidos pelo processo de ajustamento de estoques e por um nível de utilização de capacidade rodando acima da média histórica. Por fim, este cenário também previa um crescimento mais robusto das importações, de modo que as exportações líquidas dificilmente puxariam a economia tanto quanto no ano passado, marcado por desempenho excepcional das exportações.

Entre os setores produtivos, o resultado do primeiro trimestre traz como destaques o bom desempenho do setor de serviços e da indústria de transformação. Vale menção também para o PIB da agropecuária que, embora tenha recuado na comparação interanual, apresentou forte aceleração sobre o último trimestre do ano passado. Pelo lado da demanda, o consumo das famílias voltou a acelerar, se recuperando da queda na margem observada no período anterior. O resultado reflete um mercado de trabalho ainda aquecido, com dinamismo tanto na criação de vagas quanto nos rendimentos. O PIB do primeiro trimestre também apresentou uma melhora na sua composição, caracterizada por uma forte recuperação da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF). Este resultado veio acompanhado de uma redução das exportações líquidas, explicada em grande medida pelo crescimento das importações. Com isso, o carry-over para 2024 ficou em 1,2% –, ou seja, caso permaneça estagnado ao longo dos próximos três trimestres, o PIB fechará o ano crescendo a essa taxa.

240606_cc_63_nota_17_grafico

Acesse o texto completo

 



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de consumo aparente de bens industriais – março de 2024

Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais registrou avanço de 1,7% na comparação entre março e fevereiro na série com ajuste sazonal. O indicador é uma proxy da demanda interna por bens industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno, acrescida das importações. Esse resultado ocorreu em razão das altas de 1,4% da produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) e de 7,5% das importações de bens industriais, conforme mostra a tabela 1.

O resultado em março representou a segunda variação positiva consecutiva na série dessazonalizada. Com isso, o trimestre móvel encerrado em neste mês cresceu 2,6% na margem. Na comparação interanual, enquanto o indicador mensal cresceu 0,5% em relação a março de 2023, o indicador em médias móveis trimestrais subiu 3,1%. No acumulado em doze meses, a demanda por bens industriais registrou baixa de 0,9%, contrastando com o aumento de 0,7% apontado pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), como visto no gráfico 1.

240521_cc_63_nota_14_consumo_aparente_de_bens_industriais_tabela_1

240521_cc_63_nota_14_consumo_aparente_de_bens_industriais_grafico_1

Acesse o texto completo

Dados Xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Investimento líquido e estoque de capital – quarto trimestre de 2023

Por José Ronaldo de C. Souza Júnior e Felipe Moraes Cornelio

Esta Nota atualiza as séries dos indicadores Ipea de investimento líquido e de estoque de capital até o quarto trimestre de 2023. Os dados acumulados em doze meses dos investimentos brutos (formação bruta de capital fixo – FBCF) mostram uma queda de 4,2% no final de 2023. Apesar dessa queda, o investimento líquido (FBCF excluí¬do o valor da depreciação do estoque de capital prévio) manteve-se positivo, mas caiu 47% em relação a 2022. Por conseguinte, houve uma desaceleração do crescimento do estoque de capital, que havia crescido 0,7% em 2022 e cresceu apenas 0,4% em 2023. Em termos de investimento líquido, a categoria de máquinas e equipamentos continua a apresentar valores negativos, indicando redução da capacidade instalada. As outras duas categorias, construção e outros, apresentaram redução dos investi¬mentos líquidos, mas mantiveram valores positivos.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea mensal de FBCF – resultado de fevereiro de 2024

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que agrega os investimentos em máquinas e equipamentos, na construção civil e em outros ativos fixos, registrou avanço de 0,6% na comparação entre fevereiro e janeiro na série com ajuste sazonal. Com isso, o trimestre móvel encerrado em fevereiro registrou expansão de 5,1% na comparação dessazonalizada. Nas comparações com os mesmos períodos de 2023, o indicador mensal apresentou altas de 10,5%, em fevereiro, e de 5,2%, no trimestre móvel. No acumulado em doze meses, por sua vez, os investimentos totais apresentaram retração de 1,5%.

Na comparação com ajuste sazonal, os investimentos em máquinas e equipamentos – medidos segundo o conceito de consumo aparente, que corresponde à produção nacional destinada ao mercado interno acrescida das importações – apresentaram alta de 2,8% em fevereiro, encerrando o trimestre móvel com crescimento de 5,9%. Quanto a seus componentes, tanto a produção nacional quanto as importações registraram avanço em fevereiro, com altas de 4,4% e 1,9%, respectivamente. Já na comparação em médias móveis, enquanto a produção nacional cresceu 4,9%, as importações aumentaram 19,3%. No acumulado em doze meses, o consumo aparente (ou a demanda interna) de máquinas e equipamentos registrou retração de 6,5%.

240424_cc_63_nota_6_tabela

240424_cc_63_nota_6_grafico

Acesse o texto completo

Dados Xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------