Arquivo da tag: China

Panorama da economia mundial

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos e Caio Rodrigues Gomes Leite

A resistência da inflação dos serviços nos Estados Unidos e a duradoura crise no setor imobiliário na China são dois dos principais temas na economia mundial, além dos problemas decorrentes das guerras em curso e do fenômeno climático El Niño. O texto também aborda a Área do euro, cujo crescimento está mais fraco do que nos Estados Unidos, embora com alguma heterogeneidade entre os países. A última seção analisa as principais variáveis macroeconômicas de Índia, Rússia, Japão e Canadá.240318_cc_62_nota_21_economia_mundial_graficos_14 _e_24

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Boletim de expectativas – Dezembro de 2023

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos

Este número do Boletim de Expectativas aborda a economia mundial. De maneira geral, inflação, juros e crescimento devem ser menores em 2024, em relação a 2023. Uma exceção é o PIB na Área do Euro, que deve crescer um pouco mais em 2024 do que neste ano. As projeções do Banco Mundial apontam para estabilidade dos preços das commodities, quando considerados índices de preços gerais e setoriais. Previsões coletadas junto a analistas de mercado indicam que os preços da soja e do minério de ferro, muito relevantes nas exportações brasileiras, devem cair, embora ainda fiquem em níveis superiores aos de antes da pandemia, especialmente no caso da soja. Por outro lado, para os preços de fertilizantes, importação relevante para a agricultura, a expectativa é também de queda, de acordo com o Banco Mundial.

231214_cc_61_nota_22_boletim_expectativas_graficos_4_e_12

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Panorama da economia mundial

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos, Andreza Palma e Caio Rodrigues Gomes Leite

Este texto traz dados e análises da economia global, Estados Unidos, Europa – dividida em Área do euro e Reino Unido -, China e três países da América Latina: Argentina, Chile e México. De maneira geral, houve, em 2023, maior crescimento do que o esperado, os mercados de trabalho continuaram mostrando aquecimento, com baixas taxas de desemprego, e a inflação caiu, mas continua alta, em meio à elevação das taxas básicas de juros pelos bancos centrais, que agora indicam que elas devem ficar altas por mais tempo. Os déficits fiscais e as dívidas públicas estão em níveis acima dos de antes da pandemia, e os custos do serviço da dívida como porcentagem do PIB estão altos, como para os países em desenvolvimento, ou com previsão de subirem, como nas economias avançadas e nas de renda média. O crescimento no ano que vem deve ser semelhante ao deste, em termos globais, e pode se beneficiar da perspectiva do início do afrouxamento das políticas monetárias. Entretanto, há riscos, como a mencionada fragilidade fiscal, a demora na recuperação na indústria e os riscos geopolíticos. Cada região ou país, naturalmente, tem suas peculiaridades, exploradas nas subseções a eles dedicadas.

231121_cc_61_nota_15_economia_mundial_graficos_1_5

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Panorama da economia mundial

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos, Andreza Palma  e Caio Rodrigues Gomes Leite

O quadro atual da economia mundial é de inflação em queda, porém ainda elevada; desaquecimento do nível de atividade, porém de forma suave; taxas de desemprego baixas; e elevação das taxas de juros básicas, com o ciclo de alta aparentemente perto do fim. A guerra na Ucrânia continua sendo um fator de incerteza. Cada região ou país tem suas peculiaridades e este texto, depois de traçar um quadro global, aborda os principais indicadores de Estados Unidos, China, Área do Euro e Reino Unido. Em seguida, explora algumas economias globalmente relevantes: Canadá, Índia, Rússia e Japão. Destaque para o nível de atividade na China, cujos indicadores recentes têm se mostrado abaixo do esperado.

230821_cc_60_graficos

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Panorama da economia mundial

Estêvão Kopschitz Xavier Bastos, Andreza Palma e Caio Rodrigues Gomes Leite

Esta seção aborda os preços internacionais das commodities e as economias dos Estados Unidos, Europa, China e dos três países da América Latina mais relevantes para as exportações brasileiras: Argentina, Chile e México.

Os preços internacionais das commodities, medidos pelo índice do Banco Mundial, vêm caindo desde o pico de junho de 2022. Nos Estados Unidos, uma das principais preocupações na conjuntura recente se deu com respeito à crescente dívida do país e ao seu teto legal – foi aprovado um acordo que suspende o teto da dívida até 1o de janeiro de 2025, adiando o problema para depois das eleições presidenciais. Na Europa, embora a elevação dos preços tenha apresentado desaceleração maior que a esperada, o cenário na Área do Euro (AE) é de inflação ainda elevada. A taxa de desemprego em abril de 2023 na AE foi de 6,5%, o nível mais baixo pelo menos nos últimos dezessete anos. Após um longo período de restrições com a política de covid zero, as quais foram retiradas em dezembro de 2022, a China iniciou sua trajetória de recuperação, com crescimento do PIB de 4,5% no primeiro trimestre de 2023 em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. No entanto, os dados de atividade referentes a abril não foram tão favoráveis. A Argentina vem enfrentando um grave cenário de inflação. A economia do Chile encolheu 0,6%, no primeiro trimestre de 2023, comparado com o mesmo período do ano passado, após queda de 2,3% no trimestre anterior. A economia mexicana expandiu-se em 3,7% no primeiro trimestre de 2023, em comparação com o mesmo período de 2022.

230614_graficos

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Panorama da economia mundial

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos e Andreza A. Palma

O crescimento do nível de atividade global esperado para 2023 continua menor do que o observado em 2022, mas as expectativas de crescimento de importantes parceiros comerciais do Brasil melhoraram. A inflação vem caindo, mas ainda é bastante elevada, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos. Os juros de política monetária continuaram sendo elevados pelos bancos centrais, e essa política não foi afetada pelas crises bancárias recentes. Os preços das commodities continuaram caindo, contudo seguem ainda significativamente acima dos níveis pré-pandemia. Os indicadores de pressão nas cadeias produtivas globais indicam volta à normalidade. O mercado de trabalho nos Estados Unidos e na Europa continua resistente. Fato relevante é a reabertura da economia da China, que abandonou sua política de covid zero, que levava a frequentes lockdowns.

Um box no texto aborda o problema de se a inflação é de demanda ou de oferta. Outro, a questão da correlação entre os preços das commodities e a taxa de câmbio do dólar. Além da visão geral da economia mundial, a nota traz seções específicas sobre Estados Unidos, Europa e China.

230503_Gráficos 2 e 5

Acesse o texto completo

 



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Panorama da economia mundial

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos

Em meio às incertezas do cenário global, algumas feições gerais podem ser identificadas: i) o nível de atividade está em queda, e também o crescimento esperado; ii) a inflação continua alta; iii) os juros de política monetária estão em alta; iv) os preços de commodities estão caindo, mas espera-se que ainda se mantenham relativamente altos no próximos dois anos; v) a pressão nas cadeias de suprimento está diminuindo, de acordo com índices que procuram medi-la; e vi) o mercado de trabalho está resistente ao desaquecimento da economia.

              Esta seção começa com um panorama geral da economia mundial e, em seguida, apresenta os dados de Estados Unidos, China e Área do Euro, concluindo com um box que resume estudo do Banco Mundial comparando a situação de hoje com a dos anos 1970, a partir do tema da estagflação.

Gráficos 3 e 4

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Panorama da economia mundial

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos

Os prognósticos de crescimento e inflação para a economia global têm piorado devido à guerra na Ucrânia, cujos efeitos se sobrepuseram aos da pandemia, dos quais os países vinham se recuperando. O aumento e a persistência da inflação têm levado ao aperto da política monetária em diversos países. A escassez de oferta de alguns produtos devida à guerra adiciona pressão inflacionária. Destacam-se os mercados de commodities, que tiveram seus preços ainda mais elevados. Na China, a política de “Covid zero”, baseada em rigorosos lockdowns, provocou quedas muito fortes nos indicadores de atividade econômica em abril. Em maio, alguns indicadores mostram recuperação. Nos Estados Unidos, a economia tem estado bastante aquecida, de acordo com diversos indicadores, com destaque para os do mercado de trabalho.

220530_cc_55_nota_21_consumo_aparente_grafico_01

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação e nível de atividade na economia global

Por Estêvão K. X. Bastos

A recuperação do nível de atividade no mundo depois da forte queda no início da pandemia foi marcada por rupturas nas cadeias produtivas, deslocamento da demanda de serviços para bens e por desequilíbrios no mercado de trabalho. Esses fatores e a pressão inflacionária decorrente têm persistido, levando as autoridades monetárias de diversos países a apertarem suas políticas, com impacto nas expectativas de crescimento, também reduzidas pelos efeitos do surto da nova variante do vírus da Covid-19, que fez diminuir a atividade, principalmente no setor de serviços. O FMI reviu a previsão de crescimento do PIB global em 2022 de 4,9% para 4,4%, e o Banco Mundial, de 4,3% para 4,1%.

A elevação da inflação em 2021 foi um fenômeno bem disseminado: Estados Unidos, Zona do Euro, países da América Latina e do Leste Europeu são alguns exemplos. Os preços das commodities, que subiram bastante em 2020 e 2021, continuaram, de maneira geral, em trajetória de alta no começo de 2022.

220224_cc_54_nota_17_economia_mundial_graficos_2_e_9

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Boletim de expectativas – Economia mundial

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos

Este Boletim apresenta uma compilação de expectativas para variáveis econômicas mundiais, coletadas de diferentes fontes. São apresentadas previsões para o PIB e a inflação ao consumidor para diversos países e regiões e também para a evolução dos preços das commodities de energia, agrícolas e metálicas. As previsões de crescimento do PIB mundial e das economias avançadas para 2021 sofreram, da parte FMI, pequenas revisões para baixo; porém, as taxas esperadas para este ano e para 2022 continuam significativamente acima das observadas antes da pandemia, inclusive considerando médias de períodos mais longos. Uma das características da economia global no momento é a maior inflação, causada por descasamentos entre demanda e oferta decorrentes da pandemia e pela alta dos preços das commodities. Esses preços, embora com variações, têm, na maior parte, previsão de queda a partir de 2022, porém mantendo-se acima dos níveis prevalecentes antes da Covid-19.

211028_cc_53_nota_8_boletim_de_expectativas_graficos_4_e_5

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------