Arquivo da tag: Produção Industrial

Indicador Ipea de consumo aparente de bens industriais – março de 2024

Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais registrou avanço de 1,7% na comparação entre março e fevereiro na série com ajuste sazonal. O indicador é uma proxy da demanda interna por bens industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno, acrescida das importações. Esse resultado ocorreu em razão das altas de 1,4% da produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) e de 7,5% das importações de bens industriais, conforme mostra a tabela 1.

O resultado em março representou a segunda variação positiva consecutiva na série dessazonalizada. Com isso, o trimestre móvel encerrado em neste mês cresceu 2,6% na margem. Na comparação interanual, enquanto o indicador mensal cresceu 0,5% em relação a março de 2023, o indicador em médias móveis trimestrais subiu 3,1%. No acumulado em doze meses, a demanda por bens industriais registrou baixa de 0,9%, contrastando com o aumento de 0,7% apontado pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), como visto no gráfico 1.

240521_cc_63_nota_14_consumo_aparente_de_bens_industriais_tabela_1

240521_cc_63_nota_14_consumo_aparente_de_bens_industriais_grafico_1

Acesse o texto completo

Dados Xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de consumo aparente de bens industriais – fevereiro de 2024

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais registrou avanço de 1,4% na comparação entre fevereiro e janeiro na série com ajuste sazonal. O indicador é uma proxy da demanda interna por bens industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno, acrescida das importações. Esse resultado ocorreu em razão das altas de 0,8% da produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) e de 1,6% das importações de bens industriais, conforme mostra a tabela 1.

              O resultado em fevereiro mais que compensou a queda registrada em janeiro, na série dessazonalizada. Com isso, o trimestre móvel encerrado em fevereiro cresceu 1,4% na margem. Na comparação interanual, enquanto o indicador mensal cresceu 5,0% em relação a fevereiro de 2023, o indicador em médias móveis trimestrais subiu 2,2%. No acumulado em doze meses, a demanda por bens industriais registrou baixa de 1,2%, contrastando com o aumento de 1,0% apontado pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), como visto no gráfico 1.

240419_cc_63_nota_5_tabela

240419_cc_63_nota_5_grafico

Acesse o texto completo

Dados Xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de consumo aparente de bens industriais – janeiro de 2024

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais registrou recuo de 1,1% na comparação entre janeiro e dezembro na série com ajuste sazonal. O indicador é uma proxy da demanda interna por bens industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno, acrescida das importações. Esse resultado ocorreu em razão das quedas de 1,3% da produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) e de 1,1% das importações de bens industriais, conforme mostra a tabela 1.

O resultado em janeiro devolve o crescimento registrado em dezembro, na série dessazonalizada. Ainda assim, o trimestre móvel encerrado em janeiro cresceu 0,3% na margem. Na comparação interanual, todavia, enquanto o indicador mensal cresceu 3,0% contra janeiro de 2023, o indicador em médias móveis trimestrais subiu 0,6%. No acumulado em doze meses, a demanda por bens industriais registrou baixa de 1,8%, contrastando com o aumento de 0,4% apontado pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), como visto no gráfico 1.

240326_cc_62_nota_24_tabela

240326_cc_62_nota_24_grafico

Acesse o texto completo

Dados Xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de consumo aparente de bens industriais – dezembro de 2023

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais registrou avanço de 1,4% na comparação entre dezembro e novembro na série com ajuste sazonal. O indicador é uma proxy da demanda interna por bens industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno, acrescida das importações. Esse resultado ocorreu em razão dos aumentos de 0,5% da produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) e de 7,2% das importações de bens industriais, conforme mostra a tabela.

O bom desempenho em dezembro representou o segundo avanço consecutivo na série dessazonalizada. Com isso, o trimestre móvel encerrado em dezembro cresceu 0,6% na margem. Na comparação interanual, todavia, enquanto o indicador mensal caiu 1,9% contra dezembro de 2022, o indicador em médias móveis trimestrais recuou 1,2%. No acumulado em doze meses, a demanda por bens industriais registrou baixa de 2,3% em 2023, contrastando com o cenário de estagnação apontado pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), como visto no gráfico.

240228_cc_62_nota_14_consumo_aparente_tabela_1

240228_cc_62_nota_14_consumo_aparente_grafico_1

Acesse o texto completo

Dados Xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de consumo aparente de bens industriais – novembro de 2023

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais registrou avanço de 0,9% na comparação entre novembro e outubro na série com ajuste sazonal. O indicador é uma proxy da demanda interna por bens industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno, acrescida das importações. Esse resultado ocorreu em razão do aumento de 1,4% da produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) e da queda de 0,7% das importações de bens industriais, conforme mostra a tabela 1.

O bom desempenho em novembro compensou, em parte, a queda de 1,7% registrada em outubro. Com isso, o trimestre móvel encerrado em novembro caiu 1,0% na margem. Na comparação interanual, enquanto o indicador mensal cresceu 0,7% contra novembro de 2022, o indicador em médias móveis trimestrais recuou 1,5%. No acumulado em doze meses, a demanda por bens industriais registrou baixa de 2,3%, contrastando com o cenário de estagnação apontado pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), como visto no gráfico 1.

240223_cc_62_nota_13_tabela

240223_cc_62_nota_13_graficos

 

Acesse o texto completo

Dados Xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Impactos das indústrias extrativas no PIB do segundo trimestre e do ano de 2019

Por José Ronaldo de C. Souza Júnior, Leonardo Mello de Carvalho e Felipe Moraes Cornelio

Nesta nota, primeiramente, é feita uma síntese dos principais fatores que afetaram a produção das indústrias extrativas no primeiro semestre deste ano e que devem influenciar a produção do segundo semestre – analisando separadamente os segmentos de petróleo e gás e de mineração com base nos relatórios de produção e vendas das principais empresas brasileiras do setor. Na sequência, é feita uma análise dos impactos dessas questões no produto interno bruto (PIB) do segundo trimestre e do ano de 2019. A previsão é que o PIB das indústrias extrativas recue 18,8% na comparação com o segundo trimestre de 2018, sendo responsável por uma redução de 2,6 ponto percentual (p.p.) na taxa de crescimento do PIB da indústria e de 0,5 p.p. na taxa de crescimento do PIB total no mesmo período. A recuperação da produção dos dois segmentos principais no segundo semestre deve atenuar a perda de valor adicionado no ano e, com isso, o PIB do segmento das indústrias extrativas deve fechar 2019 com queda aproximada de 9,5%. Esse resultado retiraria 1,3 p.p. do PIB da indústria e 0,2 p.p. do PIB total em 2019.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Atividade econômica: Indicadores mensais

Por Leonardo Mello de Carvalho

Após a queda de 0,2% registrada pelo produto interno bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2019, o desempenho recente dos indicadores mensais de atividade econômica segue apontando para um cenário de baixo crescimento. Pela ótica da oferta, a indústria vem sendo afetada negativamente pelo desastre na barragem de Brumadinho, ocorrido no final de janeiro. A demanda interna por bens industriais, por sua vez, segue com desempenho ainda pior – no primeiro quadrimestre de 2019, ficou abaixo da produção industrial. Em contrapartida, segundo o Indicador Ipea mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), os investimentos cresceram 0,5% no início do segundo trimestre, impulsionados pela produção interna de máquinas e equipamentos e pela construção civil. Em relação ao mês de maio, com as informações disponíveis até o momento, a Dimac/ Ipea estima que a produção industrial tenha recuado 0,4% na margem, enquanto as vendas no comércio e o volume de serviços teriam avançado 1% e 0,7% ante o mês de abril, respectivamente. Com isso, o PIB mensal (Monitor do PIB, da FGV) registraria crescimento de 0,3% na margem. Em relação às perspectivas para os próximos meses, o balanço de riscos associado ao desempenho da atividade econômica continua sugerindo um ritmo de crescimento modesto, embora seja possível alguma aceleração da sua trajetória ao longo do ano, estando condicionada à aprovação da reforma da previdência, cujos efeitos criariam um ambiente mais propício para a recuperação dos investimentos e dos níveis de ocupação – como é detalhado na seção Visão Geral de Conjuntura.

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Atividade Econômica: Indicadores Mensais

Por Leonardo Mello de Carvalho

O comportamento dos indicadores de atividade ao longo dos últimos meses tem exibido um elevado grau de volatilidade, resquício da paralização dos caminhoneiros ocorrida ao final de maio, e cujos efeitos contribuíram para reduzir ainda mais o ritmo de recuperação da economia brasileira – que já estava sendo afetada pela piora do cenário internacional e pelas incertezas do quadro eleitoral interno. Embora a maioria dos setores afetados tenha apresentado uma rápida recuperação, seu desempenho recente tem sido marcado pela instabilidade. Como exemplo desse comportamento, com base nos dados da Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF), medida pelo IBGE, o tombo de 10,9% verificado na indústria entre os meses de abril e maio, na comparação livre de influências sazonais, foi mais que compensado no período seguinte, quando a produção registrou alta de 12,9%. Após permanecer praticamente estável em julho (queda de 0,2%), o Ipea prevê uma alta de 0,9% para o resultado de agosto. Em termos interanuais, o crescimento seria de 3,5%.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Previsão Ipea de produção industrial aponta recuo de 1,7% em julho

Por Leonardo Mello de Carvalho

A previsão Ipea de produção industrial aponta recuo de 1,7% para o resultado da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente a julho, frente ao mês anterior, na série dessazonalizada. Esse resultado, que sucedeu uma alta de 13,1% em junho, segue influenciado pela greve dos caminhoneiros, cujos efeitos causaram um aumento de volatilidade nos últimos meses. Com isso, o trimestre móvel encerrado em julho teria recuado 3,2% na margem. Já na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a produção teria registrado variação positiva: 1,1% acima do patamar de julho de 2017.

O desempenho recente dos indicadores coincidentes da produção industrial também tem sido caracterizado pela oscilação. Após forte crescimento em junho, a grande maioria dos indicadores registrou variação negativa no mês de julho, na série sem influências sazonais (ver tabela). De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA), a produção total de auto veículos recuou 7,6% na margem e, por sua vez, a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) indica retração de 6,8% no fluxo de veículos pesados. As exceções ficaram por conta das importações de bens intermediários que, tendo por base a Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex), registrou aumento de 3,9% em julho, e o processamento de petróleo, que cresceu 5,9% na mesma base de comparação, segundo apontou a Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Na comparação com julho de 2017, o desempenho positivo foi generalizado, com destaque também para a importação de bens intermediários e para o processamento de petróleo, que registraram avanços de 20,5% e 10%, respectivamente. Na comparação acumulada em doze meses, a produção de veículos continua como destaque, com alta de 18,6%.

Tabela 1 revisada



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Produção industrial deve avançar de 15,1% em junho

Por Leonardo Mello de Carvalho

Previsão Ipea de produção industrial aponta crescimento de 15,1% para o resultado da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referente a junho, frente ao mês anterior, na série dessazonalizada. Com esse resultado, que sucedeu uma queda de 10,9% em maio, em grande medida explicada pela greve dos caminhoneiros, o segundo trimestre de 2018 teria recuado 2% sobre o período anterior. Apesar disso, o forte crescimento na margem verificado em junho deixaria um carry-over de 5,5% para o terceiro trimestre. Já na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a produção também teria acelerado, ficando 6,9% acima do patamar de junho de 2017.

Em relação aos indicadores coincidentes da produção industrial, o bom desempenho exibido na comparação entre junho e maio, na série dessazonalizada, foi bastante disseminado (ver tabela 1). De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA), a produção total de veículos avançou expressivos 37,1% na margem. Por sua vez, a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) indica crescimento de 47% no fluxo de veículos pesados. No entanto, com base nos dados divulgados pela Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (IBRE/FGV), o índice de confiança da indústria caiu 1%, ainda na mesma base de comparação.

Na comparação entre junho de 2018 e o mesmo período de 2017, o desempenho positivo foi novamente generalizado, com destaque também para a produção de veículos, que registrou expansão de 21,1%. Na comparação acumulada em doze meses, o setor registra alta de 19,4%.

TABELA 1180723_tabela_indicador_ipea_de_producao_industrial_e_indicadores_coincidentes_jun18



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------