Comércio exterior do agronegócio: novembro de 2022

Por Ana Cecília Kreter, Fabio Servo e José Ronaldo Souza Jr.

O agronegócio brasileiro encerrou novembro de 2022 registrando superávit comercial de US$ 11.166 milhões, confirmando, pelo nono mês consecutivo, saldo positivo acima dos US$ 10 bilhões. Apesar de ter apresentado recuo de 9,7% ante o superávit de outubro, o resultado de novembro é 61,5% maior que o observado em novembro de 2021. O principal responsável pelo bom desempenho da balança comercial do agronegócio é o crescimento das exportações do setor, que totalizaram US$ 12.648 milhões no mês – valor 51,2% maior que o de novembro do ano passado. As importações do setor, por sua vez, mantiveram-se abaixo do patamar de um US$ 1,5 bilhão em novembro, em alta de apenas 2,2% em relação ao registrado em igual mês de 2021. Com efeito, as exportações do agronegócio representaram, no mês, 44,9% do valor total exportado pelo Brasil no mês, ao passo que as importações do setor representaram apenas 6,9% do total importado. Além disso, o superávit do agronegócio superou o déficit dos demais setores da economia (de US$ 4.494 milhões no mês), gerando um resultado da balança comercial total positivo em US$ 6.672 milhões.

No acumulado do ano até novembro, o superávit comercial do agronegócio já totaliza US$ 132.483 milhões, valor 37,1% maior que em igual período do ano passado, resultado de US$ 148.256 milhões de exportações (33,9% ante igual período de 2021) e US$ 15.802 milhões de importações (12,1%). O déficit comercial apresentado pelos demais setores da economia no mesmo período, de US$ 74.922 milhões, quase que dobrou em relação ao ano passado, devido à expressiva alta (27,1%) do valor das importações em relação ao das exportações (9,9%). No total, a balança comercial brasileira acumula superávit de US$ 57.531 milhões no ano, valor muito próximo ao observado em 2021, uma vez que o aumento do déficit dos demais setores da economia vem sendo neutralizado pelo aumento do superávit do agronegócio.

Tabela 1

Tabela 2

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ICTI – Outubro 2022

Por Maria Andreia Parente Lameiras

O Índice de Custo da Tecnologia da Informação (ICTI), calculado pelo Ipea, apresentou taxa de variação de 0,63% em outubro de 2022, situando-se 0,36 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada no mês anterior. Na comparação com o mesmo mês de 2021, a variação foi 0,41 p.p. maior. Nos últimos doze meses, o ICTI acumula variação de 6,22%.

Tabela 1_out22

Tabela 2 _out22

Acesse o texto completo

ICTI – Série Completa – Outubro de 2022 (xlsx)



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Retrato dos rendimentos do trabalho – resultados da PNAD Contínua do terceiro trimestre de 2022

Por Sandro Sacchet de Carvalho

Os rendimentos habituais reais médios apresentaram aumento de 2,5% no terceiro trimestre de 2022 em comparação com o mesmo período de 2021, configurando o primeiro trimestre de crescimento interanual na renda desde o primeiro trimestre de 2020. A renda média habitual real de R$ 2.737, registrada no terceiro trimestre de 2022, ainda encontra-se abaixo dos níveis observados antes da pandemia, mas já alcança os níveis registrados em 2017. Estimativas mensais mostram que o rendimento habitual médio real em setembro (R$ 2.734) foi 1,5% maior que o observado no mês anterior (R$ 2.693) e 6,2% maior que o registrado em dezembro de 2021 (R$ 2.574). A renda efetiva também cresceu 2,5% na comparação interanual, mas ainda está 2% menor que a apontada no terceiro trimestre de 2019.

Por grupos demográficos, os maiores aumentos na renda na comparação com o mesmo período do ano passado foram registrados no Centro-Oeste e no Norte, entre os trabalhadores jovens adultos (entre 25 e 39 anos) e com ensinos fundamental e médio incompletos. Nenhum grupo demográfico de trabalhador apresentou queda na renda, mas o crescimento foi menor para os que habitam no Sudeste, os jovens, aqueles com ensino superior e os chefes de família.

Na análise por tipo de vínculo, revela-se que o pior impacto da queda nos rendimentos no terceiro trimestre de 2022 foi encontrado nos trabalhadores do setor público, com quedas da renda habitual e efetiva de 2,3% e 3% respectivamente. Os trabalhadores do setor privado com carteira apresentaram elevação da renda no terceiro trimestre de 2022 (cerca de 1,6% da renda habitual). Por sua vez, foram os trabalhadores informais os que apresentaram o maior aumento da renda efetiva, com acréscimo de 5,4% para os trabalhadores por conta própria e de 4,9% para os sem carteira. Isso se reflete no comportamento da renda por setor de atividade: os setores mais informais, mais atingidos pela pandemia, são os que agora mostram crescimento da renda (agricultura, transporte, construção, serviços pessoais e coletivos e alojamento e alimentação), ao passo que setores mais formais, como administração púbica, educação e saúde e indústria, continuam apresentando uma queda da renda habitual ou efetiva.

Após o pico de desigualdade causado pela pandemia, o índice de Gini se reduziu continuamente até o primeiro trimestre de 2022. O segundo trimestre de 2022 apresentou uma reversão da queda da desigualdade da renda observada, que continuou no terceiro trimestre, tendo o índice de Gini da renda domiciliar subido de 0,510 no primeiro trimestre para 0,519 no terceiro e o da renda individual passado de 0,481 para 0,494.​

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Mercados e preços agropecuários

Por Ana Cecília Kreter, José Ronaldo de C. Souza Júnior, Allan Silveira dos Santos e Nicole Rennó Castro

Esta Nota de Conjuntura traz o acompanhamento dos preços domésticos e internacionais até outubro de 2022, o balanço de oferta e demanda dos principais produtos agropecuários brasileiros referente às safras 2021-2022 e 2022-2023, e apresenta perspectivas para o próximo ano.

Alguns fatores têm contribuído para a queda dos preços. O primeiro deles é a alta produção, que foi responsável pelo aumento na oferta de diversos produtos. O Brasil, por ser um importante player no mercado internacional, contribuirá na pró​xima safra (2022-2023), particularmente, com a soja – crescimento estimado de 22,3% na soja em grão, 5,3% no farelo e 5,3% no óleo diante da safra anterior –, o milho (12,0%), o algodão (16,7%) e o café (5,6%). Até o trigo, que é o principal produto da pauta de importação do país, deve fechar a safra de inverno 2022 com alta de 23,7% na produção diante do ano passado. A maior disponibilidade dessas commodities tem contribuído não só para a queda nos preços, mas também para a recomposição dos estoques de passagem, que vinham caindo desde o início das políticas de isolamento social estabelecidas devido à pandemia.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desempenho do PIB no terceiro trimestre de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho e Estêvão Kopschitz Xavier Bastos

O PIB avançou 0,4% no terceiro trimestre de 2022, na comparação com o trimestre anterior, já livre de efeitos sazonais, e 3,6% na comparação interanual, de acordo com o IBGE. Com o ajuste realizado em função da divulgação das Contas Nacionais Anuais referentes a 2020, que implicou a atualização de pesos e a incorporação de novas informações, os quatro trimestres de 2021, assim como os dois primeiros de 2022, foram reestimados. Com isso, o resultado acumulado em quatro trimestres para 2021 foi majorado de 4,6% para 5%. Em relação a 2022, na comparação com o mesmo período do ano anterior, os resultados do primeiro e segundo trimestres sofreram revisão para cima, passando de 1,7% para 2,4% e de 3,2% para 3,7%, respectivamente; o crescimento acumulado no ano no primeiro semestre passou de 2,5% para 3,1%. Nas comparações sobre o período imediatamente anterior, enquanto o primeiro trimestre aumentou de 1,1% para 1,3%, o segundo foi reduzido de 1,2% para 1%. Com isso, o carry-over para 2022 ficou em 3,1% – ou seja, caso permaneça estagnado no último trimestre, o PIB fechará o ano com alta de 3,1%. Em relação ao último trimestre de 2019, período imediatamente anterior ao início da crise causada pela pandemia de covid-19, o PIB encontra-se em patamar 4,5% superior.

Em relação à ótica da produção, o PIB da agropecuária voltou a apresentar o desempenho mais modesto, com recuo de 0,9% na margem e alta de 3,2% na comparação interanual. Já o setor de serviços foi o destaque positivo no terceiro trimestre. Desde a normalização dos níveis de mobilidade urbana, o setor segue mantendo forte ritmo de recuperação. Menos afetado pelo aumento das taxas de juros, o consumo de serviços pelas famílias tem sido estimulado não somente por uma demanda reprimida, mas também pela melhora nos indicadores do mercado de trabalho. Além disso, a evolução dos seus preços tem sido mais benigna, vis-à-vis os preços dos bens, gerando efeitos de substituição. O resultado registrado no terceiro trimestre, com altas de 1,1% na margem e 4,5% em termos anuais, ficou acima da nossa projeção, que era de 0,8% e 3,9%, respectivamente. Por fim, o setor industrial registrou a terceira alta consecutiva na comparação dessazonalizada. O crescimento de 0,8% na margem desacelerou em relação ao observado no segundo trimestre (1,7%), ficando um pouco acima da nossa previsão, que era de 0,5%. Embora os gargalos relacionados à oferta de insumos estejam diminuindo, a atividade do setor, por ser mais sensível aos efeitos da política monetária, tem demonstrado algum arrefecimento.

Pela ótica da despesa, o destaque positivo ficou novamente por conta da FBCF, que registrou altas de 2,8% na margem e de 5% na comparação interanual. Este resultado, que superou nossas previsões (1,4% e 3,1%, respectivamente), foi explicado pelo bom desempenho da construção civil, pelo consumo aparente de máquinas e equipamentos, particularmente a produção interna e as importações, e pela demanda por softwares. Já o consumo das famílias desacelerou na passagem entre o segundo e terceiro trimestres, afetado pela perda de fôlego no comércio de bens. Na comparação com ajuste sazonal, o avanço de 1% sucedeu uma alta de 2,1%, sendo esta a quinta variação positiva seguida. Por fim, as exportações líquidas registraram contribuição negativa para o resultado do terceiro trimestre, seja na comparação com ajuste sazonal, seja em termos interanuais, refletindo o crescimento da absorção interna acima do registrado pelo PIB – de 1,4% sobre o segundo trimestre deste ano e de 3,9% sobre o terceiro do ano passado.

221202_cc_57_nota_17_atividade_pib_grafico_3_e_7

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Panorama da economia mundial

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos

Em meio às incertezas do cenário global, algumas feições gerais podem ser identificadas: i) o nível de atividade está em queda, e também o crescimento esperado; ii) a inflação continua alta; iii) os juros de política monetária estão em alta; iv) os preços de commodities estão caindo, mas espera-se que ainda se mantenham relativamente altos no próximos dois anos; v) a pressão nas cadeias de suprimento está diminuindo, de acordo com índices que procuram medi-la; e vi) o mercado de trabalho está resistente ao desaquecimento da economia.

              Esta seção começa com um panorama geral da economia mundial e, em seguida, apresenta os dados de Estados Unidos, China e Área do Euro, concluindo com um box que resume estudo do Banco Mundial comparando a situação de hoje com a dos anos 1970, a partir do tema da estagflação.

Gráficos 3 e 4

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – Setembro de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou uma queda de 1,3% na comparação entre setembro e agosto na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, que sucedeu uma baixa de 0,8% no período anterior, o terceiro trimestre avançou 0,5% na margem, a sexta variação positiva nesta base de comparação. Entre os componentes do consumo aparente, ainda na comparação dessazonalizada, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) recuou 1,1% em setembro e 1,4% no terceiro trimestre, as importações de bens industriais, após crescerem 0,1% em agosto, cederam 1,9% em setembro, com alta de 8,3% no terceiro trimestre, conforme mostra a tabela 1.
Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais cresceu 0,7% contra setembro do ano passado. Com isso, o terceiro trimestre móvel aumentou 2,6% em relação ao verificado no mesmo período de 2021. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda cedeu 1,2%, enquanto a produção industrial, mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PIM-PF/IBGE), acumulou uma queda de 2,3%, como visto no gráfico 1. Na mesma base de comparação, as importações de bens industriais cresceram 7%.

Tabela 1 (16)

Gráfico 1 (2)

Acesse o texto completo

xls



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Outubro/2022

Por Maria Andréia P. Lameiras

Os dados do Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostram que, em outubro, a inflação variou entre 0,51% para o segmento de renda muito baixa e 1,14% para a classe de renda alta. Com a incorporação deste resultado, no acumulado do ano, até outubro, a inflação registra altas que variam de 4,43% (renda média-baixa) a 5,99% (renda alta). Já no acumulado em doze meses, a classe de renda média-baixa aponta a menor taxa de inflação (6,17%), enquanto a maior taxa é observada na faixa de renda alta (7,95%).

221121_cc_57_nota_14_inflacao_faixa_renda_outubro_22_grafico_1_e_2

221121_cc_57_nota_14_inflacao_faixa_renda_outubro_22_tabela_1

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Comércio exterior do agronegócio: outubro de 2022

Por Ana Cecília Kreter, Fabio Servo e José Ronaldo de C. Souza Jr.

A balança comercial do agronegócio encerrou outubro com um superávit de US$ 12,8 bilhões, mantendo o patamar mensal observado desde março deste ano. Esse desempenho positivo mais do que compensou o déficit apresentado pelos demais setores da economia (US$ 8,9 bilhões em outubro), e contribuiu para o superávit de US$ 3,9 bilhões da balança comercial total do país no mês.

O superávit do agronegócio em outubro reflete a alta de 61,3% (em comparação ao mesmo mês de 2021) em valor das exportações. Já as importações ficaram praticamente no mesmo patamar do ano anterior, na mesma base de comparação. A dinâmica recente do comércio externo do agronegócio diferencia-se do observado nos demais setores, que registraram crescimento mais vigoroso das importações (14,7%) e queda nas exportações (-5,2%) ante outubro de 2021.

Desempenho similar pode ser observado no acumulado do ano, com o superávit do agronegócio totalizando US$ 121,8 bilhões, decorrente de US$ 136,1 bilhões de exportações – alta de 33,0% em relação ao mesmo período do ano pas​sado.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Balanço de pagamentos, balança comercial e câmbio – evolução recente e perspectivas

Por Andreza Aparecida Palma

A dinâmica favorável do setor externo permanece, mesmo diante das incertezas externas e internas. O saldo comercial em outubro de 2022 foi de US$ 3,9 bilhões, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). O valor das exportações alcançou US$ 27,3 bilhões, enquanto as importações totalizaram US$ 23,4 bilhões. Apesar do recuo recente nos preços das commodities e do crescimento mais robusto das importações, o saldo permanece positivo.

Em relação ao balanço de pagamentos, a trajetória de IDP é um destaque positivo, apresentando acentuada recuperação, atingindo até mesmo os níveis anteriores ao período da pandemia. Considerando o acumulado no ano até setembro, o investimento direto no país (IDP) totalizou US$ 70,7 bilhões, contra US$ 43,3 bilhões no mesmo período de 2021, déficit de US$ 12,4 bilhões em 2020 e US$ 49,4 bilhões em 2019. No acumulado em doze meses até setembro, o saldo atingiu US$ 73,8 bilhões – 4,10% do produto interno bruto (PIB) –, ante US$ 49,9 bilhões – 3,17% do PIB – no mesmo período do ano anterior.

Quanto à taxa de câmbio, a sua dinâmica permanece bastante volátil devido à elevada incerteza externa e interna. Durante os primeiros meses de 2022, houve um movimento de apreciação da taxa nominal de câmbio, revertido a partir de maio. As expectativas do relatório Focus apontam para um câmbio de R$ 5,20/US$ em dezembro de 2022 e ao fim de 2023, previsão mais otimista que a expectativa vigente ao final de 2021 (em 31 de dezembro, a previsão da taxa de câmbio para 2022 era de R$ 5,60/US$ e, para 2023, de R$ 5,40). Porém, persistem vários elementos de incerteza devido ao cenário mundial, especialmente considerando a existência do conflito entre Rússia e Ucrânia, a crise energética na Europa, políticas monetárias contracionistas ao redor do mundo e expectativa de recessão global. Considerando o cenário interno, passado o período eleitoral, há incerteza residual sobre a trajetória e a direção da política econômica, o que pode gerar volatilidade adicional na cotação da moeda.

221116_cc_57_nota_12_setor_externo_tabela_3

Em relação às reservas internacionais, houve uma queda importante no período recente. Na comparação com janeiro de 2022, a queda nas reservas em setembro foi de 8,6%, passando de US$ 358,4 bilhões (22% do PIB) para US$ 327,6 bilhões (18% do PIB). A principal causa dessa queda se deve a variações de preço, seguidas das variações por paridade.

221116_cc_57_nota_12_setor_externo_tabela_2

221116_cc_57_nota_12_setor_externo_grafico_3

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------