Elasticidade da Pobreza: Aplicação de uma Nova Abordagem Empírica para o Brasil

Erik Figueiredo, Ana Cláudia Annegues, Wallace Souza

Resumo


O presente estudo calcula as elasticidades da pobreza em relação ao crescimento econômico e à desigualdade de renda para o Brasil, usando um painel de dados dos estados e municípios brasileiros, através de um método de estimação não paramétrico, desenvolvido por Horowitz (2012) e aplicado por Figueiredo e Laurini (2013), que controla os efeitos da desigualdade sobre o crescimento. Primeiramente, as elasticidades são obtidas por meio de um modelo de regressão log-linear, tradicionalmente empregado na literatura, com e sem o controle dos efeitos da desigualdade e em seguida comparadas com as elasticidades estimadas pelo método não paramétrico. A comparação mostrou que o método de estimação usual sem o controle do efeito da desigualdade tende a superestimar os valores das elasticidades, em especial com relação ao crescimento econômico. 

Palavras-chave


Elasticidade da Pobreza, Efeitos Indiretos.

Texto completo:

Sem título () PDF