ESTRUTURA DE PRODUÇÃO DA REGIÃO NORDESTE E ESTADOS NOS ANOS DE 2010 E 2015

UMA CONTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ABORDAGEM INSUMO-PRODUTO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.38116/ppp65art8

Palavras-chave:

economia regional, abordagem multissetorial, matrizes insumo-produto, estrutura produtiva, região Nordeste

Resumo

Este estudo objetiva analisar a estrutura das interações entre os setores de atividade econômica presentes na região Nordeste do Brasil, bem como nos estados pertencentes à região, em 2010 e 2015. Por meio de uma combinação de quocientes locacionais simples e regionalização de matrizes através do método de balanceamento de matrizes biproporcionais (RAS), verifica-se que a estrutura produtiva nordestina é concentrada em poucas atividades. Os estados da Bahia, do Ceará e de Pernambuco apresentaram os melhores resultados em termos de encadeamentos produtivos, ao passo que os demais estados apresentam, em geral, setores pouco dinâmicos. Ademais, os resultados significativamente díspares entre os estados mais desenvolvidos da região e os demais implicam que a histórica heterogeneidade do tecido produtivo nordestino se reafirma, de modo que há vários nordestes.

Biografia do Autor

Joelson Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Bacharelado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN, 2017) e mestrado em Economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPECO/UFRN, 2021). Atualmente é doutorando em Economia do Desenvolvimento pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGE/UFRGS).

Fabrício Pitombo, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Bacharelado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA, 2005) e mestrado e doutorado em Teoria Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, 2008 e 2012). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Referências

ARAÚJO, T. B. Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiro: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2000.

ARAÚJO, T. B. Nordeste, Nordestes: que Nordeste? In: AFFONSO, R. B. A.; SILVA, P. L. B. (org.). Federalismo no Brasil: desigualdades regionais e desenvolvimento. São Paulo: Fundap/Unesp, 1995.

BEYERS, W. B. Empirical identification of key sectors: some further evidence. Environment and Planning A, v. 8, n. 2, p. 231-236, 1976.

CELLA, G. The input-output measurement of interindustry linkages. Oxford Bulletin of Economics and Statistics, v. 46, n. 1, p. 73-84, 1984.

CLEMENTS, B. J. On the decomposition and normalization of interindustry linkages. Economics Letters, v. 33, n. 4, p. 337-340, 1990.

DIETZENBACHER, E.; VAN DER LINDEN, J. A. Sectoral and spatial linkages in the EC production structure. Journal of Regional Science, v. 37, n. 2, p. 235-257, 1997.

GHOSH, A. Input-output approach in an allocation system. Economica, v. 25, n. 97, p. 58-64, 1958.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Contas Nacionais Trimestrais. Rio de Janeiro, IBGE, 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Contas Regionais do Brasil: 2010-2017, Contas Nacionais, v. 64, Rio de Janeiro, IBGE, 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Matriz de insumo-produto: Brasil 2010, Contas Nacionais, v. 51, Rio de Janeiro, IBGE, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Matriz de insumo-produto: Brasil 2015, Contas Nacionais, v. 62, Rio de Janeiro, IBGE, 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa Industrial Anual: empresas 2010. Pesquisa Industrial, v. 29, n. 1, Rio de Janeiro, IBGE, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa Industrial Anual: empresas 2015. Pesquisa Industrial, v. 34, n. 1, Rio de Janeiro, IBGE, 2017.

JONES, L. P. The measurement of Hirschman linkages. Quarterly Journal of Economics, v. 90, n.2, p. 323-333, 1976.

JUNIUS, T.; OOSTERHAVEN, J. The solution of updating or regionalizing a matrix with both positive and negative entries. Economic Systems Research, v. 15, p. 87-96, 2003.

LEITE, F. P. Estrutura de produção do Rio Grande do Norte: estimativas a partir de matrizes insumo-produto. In: PEREIRA, W. E. N.; SILVA, M. G.; ARAÚJO, D. S. (Org.). Recortes analíticos sobre desenvolvimento, estado e economia do Rio Grande do Norte. 1 ed. Natal: Edufrn, p. 131-173, 2016.

LIMA, A. C. C.; SIMÕES, R. F. Centralidade e emprego na região Nordeste do Brasil no período 1995/2007. Nova Economia, v. 20, n. 1, p. 39-83, 2010.

LIMA, J. P. Economia do Nordeste: tendências das áreas dinâmicas. Análise Econômica, v. 12, n. 22, p. 55-73, 1994.

MILLER, R. E.; BLAIR, P. D. Input-output analysis: foundations and extensions, 2 ed. New York: Cambridge University Press, 2009.

RIBEIRO, L. C. S.; PEROBELLI, F. S.; DOMINGUES, E. P. Disparidades intrarregionais na região Nordeste do Brasil. Revista Análise Econômica, v. 37, n. 73, p. 121-143, 2019.

SANTOS, J. O.; COSTA, J. P. A.; LEITE, F. P. Estrutura produtiva do Rio Grande do Norte: estimativas a partir de matrizes insumo-produto para os anos de 2010 e 2015. Revista Econômica do Nordeste, v. 51, n. 2, p. 117-136, 2020.

TEMURSHOEV, U.; MILLER, R. E.; BOUWMEESTER, M. C. A note on the GRAS method. Economic Systems Research, v. 25, n. 3, p. 361-367, 2013.

Downloads

Publicado

2024-03-03

Como Citar

Oliveira Santos, J., & Pitombo Leite, F. (2024). ESTRUTURA DE PRODUÇÃO DA REGIÃO NORDESTE E ESTADOS NOS ANOS DE 2010 E 2015: UMA CONTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ABORDAGEM INSUMO-PRODUTO. Planejamento E Políticas Públicas, (65). https://doi.org/10.38116/ppp65art8