DEPENDÊNCIA NA DURAÇÃO DAS FLUTUAÇÕES ECONÔMICAS NO BRASIL

EVIDÊNCIAS PARA O PERÍODO ENTRE 1947 E 2017

Autores

DOI:

https://doi.org/10.38116/ppp65art4

Palavras-chave:

Logit, ciclos produtivos, dependência na duração, logit, análise de sobrevivência

Resumo

Este artigo investiga se há dependência na duração dos ciclos da produção no Brasil. Este conceito se relaciona com a hipótese de que, à medida que as fases do ciclo se tornam mais longas, suas probabilidades de término podem aumentar (dependência positiva) ou diminuir (dependência negativa). Para tanto, é construída uma série do produto interno bruto (PIB) trimestral que cobre o período de 1947 a 2017, a qual passa por processos diversos de datação. Em seguida, realizam-se testes de dependência na duração das expansões e recessões e na dos ciclos completos com dois métodos: i) o primeiro baseado em regressões logit; e ii) o segundo, na análise de sobrevivência com a função de risco de Weibull. Os resultados das estimações logit apontam para a presença de dependência positiva na duração das recessões e expansões. Em termos da análise de sobrevivência, verifica-se dependência positiva na duração das recessões e expansões e dos ciclos completos. Tais resultados implicam que é pouco provável que as fases dos ciclos tenham curta duração, o que requer mais atenção com variáveis como desemprego e queda na atividade durante as desacelerações macroeconômicas, e com o aumento da inflação nas expansões.

Referências

AIOLFI, M.; CATÃO, L.; TIMMERMANN, A. Common factors in Latin America’s business cycles. Journal of Development Economics, v. 95, n. 2, p. 212-228, 2011.

ALLISON, P. D. Discrete-time methods for the analysis of event histories. Sociological Methodology, v. 13, p. 61-98, 1982.

ARAÚJO, E.; CARPENA, L.; CUNHA, A. B. Brazilian business cycles and growth from 1850 to 2000. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 38, n. 3, p. 557-581, set. 2008.

BONELLI, R.; RODRIGUES, C. F. PIB trimestral: proposta metodológica e resultados para o período 1947-79. Rio de Janeiro: FGV, dez. 2010. (Texto para Discussão, n. 3).

BRY, G.; BOSCHAN, C. Cyclical analysis of time series: selected procedures and computer programs. Nova York: NBER, 1971.

BURNS, A. F.; MITCHELL, W. C. Measuring business cycles. Nova York: NBER, jan. 1946.

CAMERON, A. C.; TRIVEDI, P. K. Microeconometrics: methods and applications. Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press, 2005.

CASTRO, V. The duration of economic expansions and recessions: more than duration dependence. Journal of Macroeconomics, v. 32, n. 1, p. 347-365, mar. 2010.

CÉSPEDES, B. J. V.; CHAUVET, M.; LIMA, E. C. R. Forecasting Brazilian output and its turning points in the presence of breaks: a comparison of linear and nonlinear models. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 5-46, 2006.

CHAUVET, M. The Brazilian business and growth cycles. Revista Brasileira de Economia, v. 56, n. 1, p. 75-106, mar. 2002.

CODACE – COMITÊ DE DATAÇÃO DE CICLOS ECONÔMICOS. Comitê de Datação de Ciclos Econômicos. Rio de Janeiro: Ibre/FGV, 29 jun. 2020. Disponível em: https://portalibre.fgv.br/sites/default/files/2020-06/comunicado-do-comite-de-datacao-de-ciclos-economicos-29_06_2020-1.pdf. Acesso em: 6 jul. 2020.

DIEBOLD, F. X.; RUDEBUSCH, G. D. A nonparametric investigation of duration dependence in the American business cycle. Journal of Political Economy, Chicago, v. 98, n. 3, p. 596-616, jun. 1990.

DIEBOLD, F. X.; RUDEBUSCH, G. D.; SICHEL, D. Further evidence on business-cycle duration dependence. In: STOCK, J. H.; WATSON, M. W. (Ed.). Business cycles, indicators, and forecasting. Chicago: University of Chicago Press, 1993. v. 28, p. 255-284.

ENGLE, R. F.; ISSLER, J. V. Common trends and common cycles in Latin America. Revista Brasileira de Economia, v. 47, n. 2, p. 149-176, 1993.

FISHER, I. Our unstable dollar and the so-called business cycle. Journal of the American Statistical Association, v. 20, p. 179-202, 1925.

GAMERMAN, D.; WEST, M. An application of dynamic survival models in unemployment studies. Journal of the Royal Statistical Society, v. 36, n. 2-3, p. 269-274, 1987.

HAMILTON, J. D. A new approach to the economic analysis of nonstationary time series and the business cycle. Econometrica, v. 57, n. 2, p. 357-384, mar. 1989.

HARDING, D.; PAGAN, A. A comparison of two business cycle dating methods. Journal of Economic Dynamics and Control, v. 27, n. 9, p. 1681-1690, 2003.

HODRICK, R. J.; PRESCOTT, E. C. Postwar US business cycles: an empirical investigation. Journal of Money, Credit, and Banking, v. 29, n. 1, p. 1-16, 1997.

JUGLAR, C. Des crises commerciales et de leur retour périodique en France, en Angleterre et aux Etats-Unis. Paris: Guillaumin et Cie, Librairies-Editeurs, 1862.

KIEFER, N. M. Economic duration data and hazard functions. Journal of Economic Literature, v. 26, n. 2, p. 646-679, 1988.

KITCHIN, J. Cycles and trends in economic factors. The Review of Economic Statistics, v. 5, n. 1, p. 10-16, 1923.

KONDRATIEFF, N. D. The long waves in economic life. The Review of Economics and Statistics, v. 17, n. 6, p. 105-115, 1935.

KUZNETS, S. Equilibrium economics and business-cycle theory. The Quarterly Journal of Economics, v. 44, n. 3, p. 381-415, 1930.

LOPES, L. S.; MACEDO, L. R. de; TOYOSHIMA, S. H. Integração fracionária nos ciclos econômicos de longo prazo no Brasil: evidências iniciais de criticalidade auto-organizada. Revista Brasileira de Economia, v. 70, n. 3, p. 315-335, jul.-set. 2016.

LOPES, L. S.; TOYOSHIMA, S. H. Não linearidades na dinâmica do produto interno bruto brasileiro entre 1947 e 2012. Análise Econômica, Porto Alegre, v. 34, n. 66, p. 57-82, set. 2016.

MILLS, T. C. Business cycle asymmetry and duration dependence: an international perspective. Journal of Applied Statistics, v. 28, n. 6, p. 713-724, 2001.

OHN, J.; TAYLOR, L. W.; PAGAN, A. Testing for duration dependence in economic cycles. The Econometrics Journal, v. 7, n. 2, p. 528-549, 2004.

PLOSSER, C. I. Understanding real business cycles. Journal of Economic Perspectives, v. 3, n. 3, p. 51-77, 1989.

PORTUGAL, M.; MORAES, I. Business cycle in the industrial production of Brazilian states. Análise Econômica, Porto Alegre, v. 26, n. 50, p. 27-56, set. 2008.

RIBEIRO, P. F.; PEREIRA, P. L. V. Economic cycles and term structure: application to Brazil. São Paulo: FGV, jun. 2010. (Texto para Discussão, n. 259).

ROYSTON, G. H. D. Wider application of survival analysis: an evaluation of an unemployment benefit procedure. Journal of the Royal Statistical Society, v. 32, n. 3, p. 301-306, 1983.

SICHEL, D. E. Business cycle duration dependence: a parametric approach. The Review of Economics and Statistics, v. 73, n. 2, p. 254-260, 1991.

SOUZA JÚNIOR, J. R. de C.; CORNELIO, F. M. Estoque de capital fixo no Brasil: séries desagregadas anuais, trimestrais e mensais. Rio de Janeiro: Ipea, ago. 2020. (Texto para Discussão, n. 2580).

TOVAR, C. E. DSGE models and central banks. Basileia: BIS, 2008. (Working Paper, n. 258).

TVEDE, L. Business cycles: from John law to Chaos theory. Amesterdã: Harwood Academic Publishers, 1997. 275 p.

VIEIRA, H. P.; VALLS PEREIRA, P. L. A study of the Brazilian business cycles (1900-2012). Brazilian Review of Econometrics, v. 33, n. 2, p. 123-143, 2013.

Downloads

Publicado

2024-03-03

Como Citar

de Paula Leite, J. A., Sabioni Lopes, L., & Roberto de Macedo, L. (2024). DEPENDÊNCIA NA DURAÇÃO DAS FLUTUAÇÕES ECONÔMICAS NO BRASIL: EVIDÊNCIAS PARA O PERÍODO ENTRE 1947 E 2017. Planejamento E Políticas Públicas, (65). https://doi.org/10.38116/ppp65art4