Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
topo td_antigos

TD 0565 - Serviço Doméstico Remunerado no Brasil: de Criadas a Trabalhadoras

Hildete Pereira de Melo / Rio de Janeiro, junho de 1998

Este estudo analisa o serviço doméstico remunerado no Brasil. O trabalho divide-se em duas partes: A primeira contextualiza o mercado de trabalho feminino na década e o papel dessa atividade como principal fonte de ocupação das mulheres brasileiras. São quase 5 milhões de mulheres e 350 mil homens trabalhadores domésticos, aquelas representando cerca de 19% da PEA feminina no Brasil. A segunda mensura a categoria dos trabalhadores domésticos por sexo e macrorregiões brasileiras, usando as variáveis faixa etária, cor, posição na família e na ocupação, rendimentos e jornada de trabalho para traçar um quadro da realidade do serviço doméstico remunerado no país e nas suas grandes regiões. Como esse serviço constitui culturalmente o lugar da mulher e a execução dessas tarefas não exige nenhuma qualificação, é refúgio dos trabalhadores com baixa escolaridade e sem treinamento, considerado pela sociedade ocupação subalterna e fora do circuito mercantil. Mas tal qualificação varia, dependendo de quem a exerça. Separando por sexo, a desigualdade fica evidente, porque também nessa ocupação os rendimentos masculinos são maiores. Funciona como porta de entrada para as jovens migrantes rural-urbanas e existe uma forte presença de crianças do sexo feminino exercendo essas atividades. As trabalhadoras(es) domésticas(os) refletem a miscigenação nacional numa proporção igual de brancos e não-brancos.

 

acesseAcesse o documento (122.55 Kb)          

 

Surplus Labor and Industrialization

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente – Assessoria de Imprensa e Comunicação