Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr SoundCloud
15/04/2021 10:53
td-banner

TD 2644 - Investidores Institucionais e o Financiamento da Infraestrutura – uma estimativa do volume de recurso em potencial para o Brasil

Katia Rocha, Brasília, abril de 2021

Este estudo tem como objetivo quantificar o volume de recursos em potencial de investidores institucionais – fundos de pensão, seguradoras, fundos de investimento e fundos soberanos – do mercado global (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE) e doméstico para infraestrutura no Brasil. Investidores institucionais não são homogêneos entre si e possuem ampla gama de objetivos, características e fatores estruturais que influenciam seu investimento, além de restrições regulatórias. As variáveis críticas para o modelo envolvem: i) estimação dos ativos sob gestão dos institucionais considerando restrições estruturais de liquidez, tamanho e perfil por tipo de investidor, o que reduz em pelo menos 50% o volume inicial dos ativos; ii) expectativa de aumento de 2% a 3% na alocação para a classe de ativos de infraestrutura na carteira dos institucionais na próxima década; iii) dinâmica de crescimento dos ativos sob gestão de 6% ao ano (a.a.) conforme dados históricos; e iv) estimativa de 2.5% do market share do Brasil no volume potencial de recursos globais para infraestrutura. O volume de recurso em potencial estimado para o Brasil situa-se entre US$ 9 bilhões e US$ 17 bilhões anuais na próxima década, equivalente ao valor entre 0,5% e 0,9% do produto interno bruto (PIB) de 2019. No melhor cenário, mantendo-se os níveis atuais de investimento em infraestrutura de cerca 2% do PIB, o fluxo potencial de institucionais elevaria o nível anual de investimento para cerca 3% do PIB, valor considerável, porém ainda aquém da meta estimada de 4% do PIB (cerca de US$ 70 bilhões por ano). Os resultados estão em linha com estimações de trabalhos semelhantes para os emergentes, o que demonstra certa robustez. Ressaltamos que o exercício de estimação fornece valores que se justificam apenas como estimativa de ordem de grandeza devendo ser visto com parcimônia e de acordo com as hipóteses consideradas.

Palavras-chave: investidor institucional; financiamento da infraestrutura; classe de ativos de infraestrutura


This study aims to quantify the potential financing estilmates from institutional investors – pension funds, insurance companies, investment funds and sovereign wealth funds – from global (OECD) and domestic markets to infrastructure in Brazil. Institutional investors are not homogeneous, and have a wide range of objectives, characteristics and structural factors that influence their investment decisions, in addition to regulatory restrictions. The model covers: i) estimation of assets under management, considering structural restrictions on liquidity, size and profile by type of investor, which reduces the current volume by at least 50%; ii) increasing of 2% to 3% in portfolio allocation to infrastructure asset class for the next decade; iii) assets under management growth of 6% pa according to the historical data; and iv) Brazil’s market share of 2.5% from global resources available for infrastructure. The potential financing for Brazil infrastructure from institutional investors corresponds of US$ 9 billion to US$ 17 billion pa in the next decade, equivalent of 0.5% to 0.9% of 2019 GDP. That figure, given the current investment levels of about 2% of GDP, leads to a potential flow of about 3% of GDP, a considerable amount, but still below the target of 4% of GDP (about US$ 70 billion per year). We emphasize that this exercise provides values that are justified only as an estimate of the order of magnitude and should be viewed sparingly and according to the hypotheses considered.

Keywords: institutional investors; infrastrucuture financing; infrastructure asset class.

 

  acesseAcesse o sumário executivoacesseAcesse o documento (2MB)

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente – Assessoria de Imprensa e Comunicação