Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
28/08/2020 14:19

Estudo propõe desoneração temporária em novos contratos de trabalho

Medida possibilitaria criar 4,6 milhões de empregos com carteira em um ano

A desoneração temporária de novas contratações com jornadas de até 36 horas semanais poderia gerar mais 4,6 milhões de empregos com carteira assinada em 12 meses, elevando para 16,2 milhões o total de trabalhadores formais admitidos no período. A simulação consta em estudo publicado nesta sexta-feira (28) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Entre fevereiro e junho, com a pandemia da Covid-19, o país fechou 4,5 milhões de postos de trabalho formais, e a taxa de desemprego alcançou 14,1% em junho segundo as estimativas do autor.

A pesquisa Cinco Meses de Perdas de Empregos e Simulação de um Incentivo a Contratações propõe zerar a alíquota de 20% da contribuição previdenciária patronal nas novas contratações com carteira assinada e jornadas até 20 horas, e alíquotas reduzidas para aquelas com jornadas entre 21 e 36 horas. Se adotada, essa medida significaria uma renúncia previdenciária de R$ 1,7 bilhão por mês. “Com a desoneração temporária ficaria mais barato contratar duas pessoas com jornada de 20 horas em vez de um só trabalhador por 40 horas”, destaca o economista Marcos Hecksher, autor do estudo. A simulação não inclui empregados domésticos nem empresas do Simples Nacional, que já têm tratamento diferenciado, mas também poderiam ser alcançadas pela medida, a critério do Legislativo.

O pesquisador propõe revogar a atual desoneração a 17 setores, ao menos para as novas contratações, entre outras fontes de financiamento para viabilizar a medida. “Esses 17 setores atualmente desonerados não são os mais prejudicados nesta crise nem vão contribuir mais do que outras atividades para a retomada da economia. O objetivo da desoneração é o estímulo a um maior número de contratações formais, gerando mais empregos e ampliando a base contributiva”, pondera Hecksher. Para formatar a proposta, o pesquisador recorreu à Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2018 e se baseou no comportamento do mercado de trabalho revelado nas pesquisas Pnad Contínua e Pnad Covid-19, de fevereiro a julho deste ano. 

Acesse a íntegra do estudo

Assessoria de Imprensa e Comunicação
(61) 2026-5136 / 5240 / 5191
(61) 99427-4553
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente – Assessoria de Imprensa e Comunicação