Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
30/03/2020 18:10

Ipea projeta queda no PIB em 2020 por conta do impacto do Covid-19 na economia brasileira

 

Pesquisadores analisaram cenários em que isolamento social duraria mais um, dois ou três meses

Diante da pandemia associada ao novo coronavírus (Covid-19), as previsões para o desempenho da economia mundial foram fortemente revistas para baixo. A partir da análise das medidas de política econômica apresentadas para mitigar os efeitos da crise aguda, os pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresentam previsões para a economia brasileira condicionadas ao tempo de isolamento social. A análise de conjuntura trimestral foi divulgada nesta segunda-feira (30).

No cenário de quarentena até o final de abril, a previsão é o PIB encerrar o ano com variação negativa de 0,4%. Nos cenários com isolamento por dois e três meses, o resultado do PIB seria de - 0,9% e - 1,8%, respectivamente. “Mantemos fixa a hipótese de rápida recuperação parcial da atividade econômica já no terceiro trimestre deste ano”, informa o diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo DE Castro Souza Júnior. Ele ressalta, no entanto, que essa hipótese depende da efetividade das políticas econômicas mitigadoras sendo adotadas no Brasil e no mundo, e de um relativamente rápido avanço no controle da pandemia, que permitiria a retirada gradual das medidas restritivas.

O estudo do Ipea inclui uma revisão para baixo das projeções de inflação para 2020. Para o IPCA, a previsão passou de 3,3% para 2,9%. Já para os preços administrados, a expectativa recuou de 3,9% para 3,4%, enquanto a projeção de inflação de bens livres (exceto alimentos), antes de 1,7%, passou para 1,5%. No caso da inflação de alimentos, a previsão foi ajustada de 4,2% para 3,8%. Para o setor de Serviços, segmento mais impactado pela crise, a expectativa de alta de preços recuou de 3,3% para 2,8%.

 

Atividade econômica em queda

O Grupo de Conjuntura do Ipea também faz uma análise dos indicadores mensais. Apesar do ritmo de aceleração da economia no início de 2020, deve haver queda no desempenho dos indicadores a partir do mês de março, por conta dos efeitos da pandemia do Covid19. Para fevereiro, cujos números ainda não foram divulgados, a previsão dos pesquisadores é de alta de 0,3% na produção da indústria na comparação com janeiro, na série com ajuste sazonal. Há estimativa de alta de 0,4% para o comércio e recuo de 0,3% para os serviços (segmento que deve ser mais fortemente impactado) no mesmo período.

A pandemia do Covid-19 também deve impactar as indústrias extrativas, que encerraram 2019 com queda de 1,1% no PIB, ainda influenciada pelo desastre ocorrido na barragem de Brumadinho. O Ipea trabalhava com um cenário de recuperação para o setor, mas revisou a projeção de crescimento de 6,5% para 2,5% em 2020.

 

PIB Agro em alta

Sob a ótica da produção, as principais commodities agropecuárias brasileiras deverão sofrer pouco impacto decorrente da Covid-19. Levando em consideração a previsão de safra do IBGE e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, o PIB agropecuário deve fechar 2020 com um crescimento de 3,8%. Mesmo com a simulação do impacto de choques negativos na economia em razão do novo Coronavírus, semelhantes à crise de 2008, a expectativa é positiva: alta de 2,5% sustentado pela estimativa de safra recorde de soja.

 

Confira a íntegra dos estudos no site do Ipea.

 

Assessoria de Imprensa e Comunicação
(61) 2026-5136 / 5240 / 5191
(61) 99427-4553
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea