Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
06/12/2019 10:26

Atlas do Estado Brasileiro 2019 apresenta a evolução do setor público em 32 anos


Estudo elaborado pelo Ipea mostra que o funcionalismo público cresceu no Brasil de 1986 a 2017, impulsionado principalmente nos municípios

A nova versão do Atlas do Estado Brasileiro será divulgada nesta sexta-feira, dia 06/12, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A plataforma interativa traz dados sobre a estrutura e a remuneração no serviço púbico federal, estadual e municipal do Executivo, Legislativo e Judiciário.

O Atlas do Estado Brasileiro apresenta, por nível federativo e pelos três poderes, informações como total de vínculos de emprego no setor público, evolução anual da remuneração mensal média, comparações entre civis e militares, diferenças de remuneração por sexo e nível de escolaridade dos servidores, entre outros dados.

O estudo Três Décadas de Evolução do Funcionalismo Público no Brasil (1986-2017) – também divulgado pelo Ipea nesta sexta, sintetizando alguns dos principais dados da plataforma – revela que, em 2017, foram gastos R$ 750,9 bilhões com os servidores ativos, o que corresponde a 10,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Em 32 anos, o funcionalismo público ampliou-se em 123%: o número total de vínculos subiu de 5,1 milhões para 11,4 milhões. Apesar do crescimento expressivo, a expansão foi similar à do mercado de trabalho formal no setor privado (crescimento de 95% no total de vínculos).

Apenas um em cada dez servidores públicos, porém, é da esfera federal. O aumento no funcionalismo público observado na série de dados está concentrado nos municípios. No período analisado, o número de vínculos municipais aumentou 276%, enquanto o crescimento foi de 50% na esfera estadual e de 28% na esfera federal (incluindo civis e militares). No caso dos municípios, 40% das ocupações correspondem aos profissionais dos serviços de educação ou saúde: professores, médicos, enfermeiros e agentes de saúde.

181219 radar_58_capa

Em 2017, persistia grande discrepância na remuneração dos três níveis federativos. Apesar de representarem 60% dos vínculos do setor público, os servidores municipais ganham, em média, três vezes menos que os federais. Na comparação entre os três poderes, o Judiciário tem salários cinco vezes maiores que o Executivo, na média.

A participação da mulher no mercado de trabalho avançou nos 32 anos da série histórica, embora elas continuem ganhando menos que os homens, em todos os níveis. Uma explicação possível para tal situação é a probabilidade de que elas estejam predominantemente em ocupações com menor remuneração (uma vez que respondem pela maior parte das vagas nas áreas de saúde e educação). A média salarial dos homens era 17,1% superior à das mulheres em 1986, diferença que subiu para 24,2% em 2017.

O levantamento mostrou também que houve aumento na escolaridade dos servidores públicos, em todos os níveis da administração. Em 2017, 47% dos servidores públicos do país possuíam nível superior completo (bem acima dos 19% com esse nível de escolaridade em 1986).

A plataforma do Atlas do Estado Brasileiro tem a maior série histórica de remuneração do setor público nesses 32 anos. “A nova versão do Atlas do Estado Brasileiro não é apenas uma atualização da plataforma. Há novos dados, além de mudança no layout e na usabilidade da ferramenta, que possibilita fazer uma análise bem detalhada do setor público no país”, disse um dos coordenadores do projeto e pesquisador do Ipea, Felix Garcia Lopez.

Consulte a plataforma em http://www.ipea.gov.br/atlasestado/  

Acesse o estudo

Assessoria de Imprensa e Comunicação
21 3515-8578 / 8704
61 2026-5501
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Ipea promove seminário sobre tecnologias emergentes e governança democrática

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente – Assessoria de Imprensa e Comunicação