Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
noticias

Início » Notícias » Dinte


04/12/2019 17:44

Livre comércio com a China elevaria em 8,25% as exportações totais do Brasil


Estudo apresentado em seminário nesta quarta-feira, 4, faz projeção de impactos macroeconômicos e comerciais até 2030. Ipea e think tank chinês Caitec assinaram memorando de entendimento

A criação de uma área de livre comércio entre o Brasil e a China provocaria impactos positivos na economia brasileira, com ganhos de produto interno bruto (PIB), investimento, exportações e importações. O investimento no Brasil teria um crescimento acumulado de 3,79% entre 2020 e 2030, enquanto as exportações totais do país avançariam 8,25% no mesmo período. Os dados foram apresentados durante o Seminário Internacional Ipea-Caitec: Desafios às Relações Econômicas entre o Brasil e a China, realizado nesta quarta-feira, 4, na sede do instituto, em Brasília.

Outra consequência do acordo de livre comércio, segundo o relatório do Ipea, seria uma redução do superavit brasileiro na relação bilateral: nossas exportações para a China aumentariam 15% de 2020 a 2030, enquanto as importações cresceriam 75%. No entanto, todos os 22 setores produtivos brasileiros analisados no estudo elevariam suas exportações. Os maiores ganhos no mesmo período seriam no setor de alimentos (319,4%), vestuários e acessórios (288,1%), têxteis (199%), produtos de metal (110%) e máquinas e equipamentos (108,6%).

Seminário
Durante o seminário, Carlos von Doellinger, presidente do Ipea, e Qu Weixi, vice-presidente da Chinese Academy of International Trade and Economic Cooperation (Caitec), think tank chinês, assinaram um memorando de entendimento para realização de pesquisas conjuntas.

A cerimônia de abertura do evento contou com a presença do vice-presidente de República, Hamilton Mourão. Segundo ele, a aproximação comercial com a China está na agenda de prioridades do governo brasileiro e o acordo firmado pelo Ipea contribui nesse processo. “A China reconhece o Brasil como um importante parceiro internacional. O acordo de cooperação com a Caitec vai ampliar o compartilhamento de estudos econômicos em que todos ganham”, destacou o vice-presidente.

Para Von Doellinger, a aproximação com a Caitec não é meramente protocolar. “É um acordo estratégico e que vai permitir novos progressos na agenda de cooperação comercial entre os dois países”, afirmou. O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, reiterou os esforços e cooperação do governo chinês com a atual política externa brasileira: “As relações econômicas entre Brasil e China avançam de forma abrangente. Conforme já dito pelas autoridades brasileiras, a China, cada vez mais, faz parte das estratégias comerciais do Brasil”.

A cerimônia contou ainda com a presença do senador Nelson Trad (PSD-MS), do deputado federal Fausto Pinato (PP-SP), e do diretor de Estudos Internacionais do Ipea, Ivan Oliveira.

Leia o relatório do Ipea na íntegra

Livre comércio com a China elevaria em 8,25% as exportações totais do Brasil

Livre comércio com a China elevaria em 8,25% as exportações totais do Brasil

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea