Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Em junho, a qualidade do desenvolvimento recuou

Em junho, a qualidade do desenvolvimento recuou


Resultado do IQD foi de 273,8 pontos no mês, e o indicador calculado pelo Ipea continua na zona instável

O Índice de Qualidade do Desenvolvimento, calculado pelo Ipea, sofreu uma pequena queda no mês de junho em relação a maio, registrando 273,8 pontos. Com isso, ele permanece na zona instável, que vai dos 200 aos 300 pontos. Em maio, O IQD havia fechado nos 289,67 pontos, se aproximando da zona chamada de “boa”.

O indicador de junho revela queda nos três subíndices que resultam no IQD: Índice de Qualidade do Crescimento; Índice de Qualidade do Bem-Estar e Índice de Qualidade da Inserção Externa. Entre os subíndices, o de Qualidade do Crescimento registrou 292,5 pontos, caindo, dessa forma, para a zona instável.

Apesar do cenário registrado em junho, os resultados dos últimos meses obtidos no IQD e no Sensor Econômico do Ipea permitem esperar que o IQD alcance, em breve, a área classificada como “boa”. No entanto, a queda em junho revela, também, a dificuldade da qualidade do desenvolvimento brasileiro para manter uma trajetória permanentemente ascendente.

O IQD é uma pesquisa mensal realizada pelo Ipea que capta se o desenvolvimento vivido pelo País, contempla os requisitos de crescimento econômico com distribuição dos frutos do progresso e, ainda, aponta se esse movimento tende a sustentar-se no tempo.

Leia a íntegra do IQD referente a junho de 2010

Veja a íntegra da divulgação do Comunicado do Ipea nº 61

Veja a íntegra da divulgação do Comunicado do Ipea nº 61

{ipea_video}comunicado61_integra{/ipea_video}

Estudo traça perfil das migrações no Brasil e traz dados sobre condições socioeconômicas e principais fluxos

Comunicado do Ipea traça perfil do migrante no Brasil

Comunicado do Ipea traça perfil do migrante no Brasil

Estudo traz dados sobre fluxo migratório e escolarização, mercado de trabalho e rendimento dos migrantes

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou nesta terça-feira, dia 17, às 10 horas, o Comunicado do Ipea nº 61 – Migração Interna no Brasil. O estudo, apresentado em entrevista coletiva on-line no auditório do Instituto em Brasília (SBS, Quadra 1, Bloco J, Ed.BNDES), traz informações sobre a origem dos migrantes internos nas regiões do Brasil, além de dados ligados a demografia e condições socioeconômicas desses brasileiros, que representam quase dois por cento da população.

Os dados qualificam o migrante em quatro diferentes anos: 1995, 2001, 2005 e 2008. As análises são feitas com base em dados do IBGE, que permitiram aos pesquisadores identificar como migrantes aqueles que mudaram de estado nos cinco anos anteriores a cada uma das datas usadas na pesquisa.

Sobre os fluxos migratórios, o estudo mostra que grande parte da migração não se dá de regiões mais pobres para outras mais ricas. A maior parte dos migrantes está nas regiões Nordeste e Sudeste, com valores próximos para imigrantes e emigrantes das duas regiões.

A apresentação foi transmitida ao vivo para todo o Brasil. Jornalistas puderam enviar suas perguntas, que foram respondidas pelos pesquisadores na coletiva on-line.

Leia a íntegra do Comunicado do Ipea nº 61

Veja os gráficos da apresentação sobre o Comunicado do Ipea nº 61

No Brasil, 56 municípios concentram 47% da renda

No Brasil, 56 municípios concentram 47% da renda

Comunicado do Ipea n° 60 divulgado na quinta-feira, 12, analisou evolução da renda no país entre 1920 e 2007

Enquanto 1% dos municípios brasileiros mais ricos concentrava 21% da riqueza do País em 1920, em 2007 a concentração dessa riqueza subiu para 47% nos 56 municípios mais ricos. É o que revela o Comunicado do Ipea nº 60 – Desigualdade da Renda no Território Brasileiro, apresentado pelo presidente do Instituto, Marcio Pochmann, na quinta-feira (12), na sede do Instituto, em Brasília

O estudo analisa a desigualdade e concentração de renda por meio dos Produtos Internos Brutos (PIBs) e PIBs per capita nos municípios e teve como referência os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), considerando um período de quase 90 anos – de 1920 a 2007. O Comunicado aponta que os 40% dos municípios mais pobres respondem por apenas 4,7% do PIB do Brasil. No caso dos municípios entre os 70% mais pobres, a participação caiu de 31,2% em 1920 para apenas 14,7% em 2007. E somente 556 municípios, 10% dos municípios brasileiros, respondem por quase 4/5 da renda do País.

Pochmann alertou que a concentração é muito mais intensa do ponto de vista de alguns municípios do que a distribuição da renda por indivíduos. Segundo ele, as causas estão relacionadas ao fato de o Brasil ter tido projetos de desenvolvimento fortemente concentrados no espaço territorial.

“É fundamental que o Brasil passe a ter uma política nacional de desenvolvimento das regiões e das localidades. Aprofunde investimentos públicos e privados em termos de infraestrutura econômica social com mais municípios possíveis. É necessário levar o desenvolvimento econômico para aqueles municípios mais débeis, que dependem justamente de políticas nacionais e estaduais”, avaliou o presidente do Ipea.

Estados
De 1996 a 2007, o grau de desigualdade dos PIBs dos municípios aumentou somente no Espírito Santo (3,7%) e no Mato Grosso do Sul (1,9%). Nos demais estados, houve queda da concentração de renda. Os estados com maior baixa no índice de Gini, entre esse período, foram Acre (diminuição de 13,5%), Sergipe (queda de 11,3%) e Rondônia (baixa de 9,0%). Goiás (queda de 0,3%) e São Paulo (recuo de 1,3%) apresentaram as menores reduções na desigualdade territorial da renda.

O Comunicado mostra ainda que os estados com maior expansão dos PIBs municipais foram Tocantins, Maranhão e Mato Grosso do Sul. Porém, o presidente do Ipea ressaltou que o crescimento econômico não significa necessariamente melhor distribuição de renda entre a população.“É muito comum no Brasil a concentração da riqueza com a pobreza, especialmente pelo fato de que a renda gerada termina sendo concentrada em poucas pessoas. Essa renda é muito concentrada também em poucos municípios, o que ajuda o Brasil a ser detentor de um dos piores indicadores de desigualdade de renda”, afirmou Pochmann.

A publicação contém, ainda, um anexo com os PIBs dos municípios em valores reais em anos selecionados.

Leia a íntegra do Comunicado do Ipea nº 60

Veja a tabela com o PIB dos municípios em anos selecionados

Semana do Economista tem presidente e diretor do Ipea

Semana do Economista tem presidente e diretor do Ipea

Evento comemora a regulamentação da profissão e debate temas atuais da economia mundial

A Semana do Economista 2010 conta com a presença do presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann, e do diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Instituto, João Sicsú. O evento ocorre entre os dias 11 e 13 de agosto e é organizado anualmente pelo Conselho Regional de Economia do Maranhão (CORECON-MA).

Na abertura das comemorações, na Associação Comercial do Maranhão, em São Luís, na quarta-feira, dia 11 de agosto, Marcio Pochmann falou sobre as modificações socioeconômicas e o novo perfil da classe média brasileira, tema escolhido para este ano. O diretor João Sicsú estará no encerramento, que será no auditório da Faculdade de Imperatriz (Av. Presidente de Morais, s/n°, Residencial Kubitschek, Imperatriz-MA) na próxima sexta-feira, dia 13 de agosto, às 19h.

A Semana do Economista comemora a publicação da Lei N°. 1411/1951, que regulamentou o exercício da profissão, e conta com a presença de estudantes de Ciências Econômicas para debater temas atuais da economia mundial.  

Marcio Pochmann fala sobre o Comunicado nº 60

Marcio Pochmann fala sobre o Comunicado nº 60

{ipea_video}sonora_comunicado nº60{/ipea_video}

Presidente do Ipea responde a perguntas de jornalistas após divulgação do estudo

Entidades discutiram no Ipea o direito à alimentação

Entidades discutiram no Ipea o direito à alimentação


Seminário em parceria com o Consea reuniuentidades da sociedade civil, de direitos humanos, e pesquisadores

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) realizaram nesta quarta e quinta-feira (11 e 12), em Brasília, o seminário Indicadores e Monitoramento da Realização do Direito Humano à Alimentação Adequada no Brasil. O encontro reuniu representantes de governos e sociedade civil, entidades sociais, organizações não governamentais, especialistas e autoridades relacionadas à segurança alimentar e nutricional.

No evento, foramapresentados e discutidos os resultados preliminares do Relatório sobre a Realização do Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA) e da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) no Brasil. Outro grande tema de discussão foia matriz de indicadores de SAN elaborada no âmbito do Consea.

Os participantes também debateram a criação de um sistema de monitoramento da realização do DHAA e da SAN. Foram abordados ainda os estudos e pesquisas na área de segurança alimentar e nutricional, e lacunas de conhecimento em SAN, além de estratégias para fortalecer os estudos e pesquisas para o setor.

Integraram a mesa de abertura, na quarta-feira, o presidente do Consea, Renato S. Maluf; a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Márcia Lopes; o diretor de Estudos e Políticas Sociais do Ipea, Jorge Abrahão; a assessora do Ministério da Ciência e Tecnologia Ana Lúcia Gabas; e a diretora de pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Wasmália Bivar.

O seminário foi realizado no auditório do Instituto em Brasília (SBS, Quadra 1, Edifício Ipea/BNDES, subsolo) e teve transmissão ao vivo pelo sítio do Ipea.

Fonte: Consea

Ipea lança software gratuito de análises estatísticas

Ipea lança software gratuito de análises estatísticas

Ferramenta IpeaGEO permite visualizar dados em seu contexto geográfico e está disponível para download

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) lançou nesta quarta-feira, 18 de agosto, o software IpeaGEO, ferramenta de análises estatísticas com foco na análise espacial. O programa permite ao usuário ordenar e visualizar dados em seu contexto geográfico, seja por região, estado, município, ou área do mapa. O lançamento ocorreu às 14h e teve transmissão ao vivo pelo sítío do Ipea.

O programa, gratuito, foi criado pela Assessoria de Métodos Quantitativos da Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais (Dirur). A ideia é fornecer uma alternativa a softwares já existentes no mercado. Além de ser livre (o programa está disponível para download no sítio do Ipea, pelo www.ipea.gov.br/ipeageo), o IpeaGEO apresenta como diferenciais a inclusão de técnicas espaciais inéditas e o foco no território nacional.

Assim como ocorre em outros programas que possuem a mesma finalidade, no IpeaGEO o usuário seleciona uma malha e a combina com os dados de seu interesse. Uma das malhas disponíveis é a de municípios do Brasil, que pode ser combinada com uma base de dados que incorpora mais de mil variáveis.

Entre as variáveis trazidas pelo IpeaGEO estão estimativa populacional, área da unidade territorial, população e domicílios, censo agropecuário, Produto Interno Bruto, informações de saúde e educação, estatísticas do registro civil, representação política, estatísticas do cadastro central de empresas, instituições financeiras, finanças públicas, frota, pobreza e desigualdade.

O lançamento ocorreu no auditório do Ipea em Brasília (SBS, Quadra 1, Bloco J, Edifício BNDES/Ipea, subsolo). A apresentação foi feita pelo presidente do Instituto, Marcio Pochmann; pela diretora da Dirur, Liana Carleial; pelo coordenador da Assessoria de Métodos Quantitativos, Waldery Rodrigues Junior; e pelo bolsista Pedro Albuquerque. O mediador foi o técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea Alexandre Ywata.

Veja os gráficos apresentados por Pedro Albuquerque

Veja os gráficos apresentados por Waldery Rodrigues Júnior

Veja os gráficos apresentados por Alexandre Ywata

A partir dos municípios, Ipea revela perfil da desigualdade

A partir dos municípios, Ipea revela perfil da desigualdade

Comunicado do Ipea nº 60 foi apresentado nesta quinta-feira, 12, às 11h, na sede do Instituto, em Brasília

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) traz em seu novo estudo o grau de concentração/desigualdade dos estados e regiões do País, analisado por meio dos Produtos Internos Brutos (PIBs) e PIBs per capita dos municípios. A pesquisa permite apontar as unidades da federação e as regiões que tiveram queda ou aumento da desigualdade e concentração de renda.

O Comunicado do Ipea nº 60Desigualdade da Renda no Território Brasileiro – foi divulgado nesta quinta-feira (12), às 11h, na sede do Instituto, em Brasília (SBS, Quadra 1, Bloco J, Edifício BNDES, auditório do 16º andar), com apresentação do presidente Marcio Pochmann.

O Comunicado do Ipea nº 60 traz, por estados da federação e por regiões:

• breve síntese do movimento de integração da renda no espaço nacional entre 1920 e 2007, por intermédio da evolução do PIB dos municípios brasileiros;

• dinâmica de participação dos municípios na composição do PIB brasileiro em quase 90 anos; e

• movimento recente de evolução dos indicadores de concentração/desigualdade dos PIBs municipais por estados da federação e grandes regiões geográficas do Brasil.

A publicação contém, ainda, um anexo com os PIBs dos municípios em valores reais em anos selecionados.

Leia a íntegra do Comunicado do Ipea nº 60

Veja os gráficos apresentados sobre o Comunicado do Ipea nº 60

Veja a tabela com a variação do PIB dos municípios brasileiros

Brasília sedia o Seminário Direito, Gestão e Democracia

Brasília sedia o Seminário Direito, Gestão e Democracia

 

Segunda edição do evento discute, em 19 e 20 de agosto, temas como equilíbrio democrático e controle social

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) participará do II Seminário Direito, Gestão e Democracia, que ocorre em Brasília nos dias 19 e 20 de agosto. Durante o encontro, três temas principais serão discutidos: ativismo judicial; equilíbrio democrático e controle social; e limites da autonomia e do controle do Poder Executivo. 

O seminário faz parte do Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública, conduzido pela Secretaria de Gestão e pela Consultoria Jurídica do Ministério do Planejamento, em parceria com a Associação Nacional dos Procuradores da República e o Ministério Público Federal. O evento tem apoio de órgãos e entidades dos Poderes Executivos Federal, Estadual e Municipal, e entidades civis sem fins lucrativos.

A participação do Ipea se dará por meio da Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia (Diest), que fará a relatoria do seminário e organizará o material resultante do debate em uma publicação da série Diálogos do Desenvolvimento.

O seminário ocorre das 9h às 18h no Naoum Plaza Hotel (Setor Hoteleiro Sul, Quadra 5, Bloco H). As inscrições podem ser feitas pela internet, por meio do Portal da Gestão Pública.

Subcategorias



Reportar Erro
Escreva detalhadamente o caminho percorrido até o erro ou a justificativa do conteúdo estar em desacordo com o que deveria. O que deveria ter sido apresentado na página? A sua ajuda será importante para nós, obrigado!

Form by ChronoForms - ChronoEngine.com