Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Panorama das comunicações e telecomunicações é tema de livro

Panorama da comunicação e das telecomunicações será lançado em São Paulo


Obra organizada pelo Ipea e Socicom será lançada na terça-feira,11, com a presença de especialistas e acadêmicos


O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Federação Brasileira das Associações Científicas e Acadêmicas de Comunicação (Socicom) lançam nesta terça-feira, 11, às 8h30, a obra Panorama Brasileiro da Comunicação e das Telecomunicações. A pesquisa, uma iniciativa inédita no Brasil, será lançada no escritório da Presidência da República em São Paulo (Avenida Paulista, 2.163, 17º andar), com a participação do presidente do Ipea, Marcio Pochmann, e do presidente da Socicom, José Marques de Melo.


A obra traça um panorama do setor de comunicação e telecomunicações, estratégico para o País, que, apesar de ser muito debatido, não é objeto de muitas pesquisas por parte dos órgãos de estado. Nos três volumes do livro, foram reunidas diferentes dimensões que se complementam e ajudam na elaboração de futuras políticas públicas para o País. O estudo conta com a participação de pesquisadores renomados da comunicação no Brasil. Mestres e doutores de várias partes do País foram selecionados por meio de chamada pública para participar da pesquisa. 


O primeiro volume é dividido em duas partes. A primeira traz o estudo das tendências nas telecomunicações e reúne artigos escritos exclusivamente para o livro, além de textos publicados originalmente na edição especial do Boletim Radar, do Ipea, sobre telecomunicações. A segunda parte traz artigos que oferecem um panorama das indústrias criativas e de conteúdos.


O segundo volume da obra é dedicado a resgatar a memória das associações científicas e acadêmicas de comunicação no Brasil. O texto descreve e diagnostica a produção de conhecimento nos principais segmentos da comunicação nacionalmente institucionalizados ou publicamente legitimados nesta primeira década do século XXI.


No terceiro volume, é apresentado o resultado parcial de quatro pesquisas sobre o Estado da Arte no campo da comunicação. O volume traz dados sobre o número de faculdades e cursos de pós-graduação em comunicação no país, com áreas de concentração e crescimento; sobre as profissões existentes na área e as novas habilidades necessárias para uma indústria de conteúdos e serviços digitais; e sobre as indústrias criativas e de conteúdos e os movimentos das empresas em direção ao modelo digital, além de uma comparação com outros países, possibilitando a análise das fragilidades e potencialidades do Brasil.

 

Veja o conteúdo da obra:

Volume 1 - Colaborações para o debate sobre telecomunicações e Comunicação

Indústrias criativas e de conteúdo: O dilema brasileiro para a integração do massivo ao popular

Comunicação Digital - diálogos possíveis para a inclusão social

1ª. Parte - Tendências Econômicas

A hora e a vez dos países-baleias

2ª. Parte - Tendências nas Telecomunicações

Neutralidade de redes na internet: democracia ou economia?

Efeitos da convergência sobre a aplicação de políticas públicas para fomento dos serviços de informação e comunicação

Tendências tecnológicas mundiais em telecomunicações

Capacitações científicas do Brasil em telecomunicações

Diferenças de escala no mercado de equipamentos de telecomunicações

Compras governamentais: análise de aspectos da demanda pública por equipamentos de telecomunicações

Balança comercial de equipamentos de telecomunicações

 3ª. Parte - Panorama da Comunicação

Aspectos técnicos e econômicos da implantação da TV Digital Interativa como um modelo internacional de inclusão

 Estado, Cinema e Indústrias Criativas e de Conteúdos

 Comunicações na América Latina: progresso tecnológico, difusão e concentração de capital (1870-2008)

 Comunicação institucional do poder público

 Números impressionantes e diversidade marcam a mídia dos Brics

 Novos desafios ao direito autoral no jornalismo

 

Volume 2 - Memória das associações científicas e acadêmicas de Comunicação no Brasil

 A Emergência do Campo da Comunicação no Brasil

 Socicom: associações científicas e acadêmicas em torno do papel estratégico da Comunicação

 Antecedentes, desenvolvimento e desafios do campo acadêmico da Comunicação

 Intercom: 33 anos de pluralismo, soberania e liberdade

 A História da Compós – lógicas e desafios

 Antecedentes, tendências e perspectivas da Pós-Graduação em Comunicação

 Breve relato sobre a fundação da Socine, seus objetivos e primeiros anos

 Pensando a Socine

 A História da Forcine

 A produção de conhecimento no campo do Jornalismo

 SBPJOR: Uma conquista dos pesquisadores em Jornalismo

 Fórum Nacional de Professores de Jornalismo- FNPJ 

As origens da Semiótica no Brasil 

ABES, recriação e percurso de uma associação 

Economia Política da Comunicação (EPC) 

ULEPICC-Brasil: a institucionalização da EPC brasileira 

Evolução e perspectivas do campo acadêmico da Comunicação Organizacional e das Relações Públicas

A História da Associação Brasileira de Pesquisadores de Comunicação

Organizacional e de Relações Públicas (Abrapcorp) 

ABCiber – Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura

ALCAR: a história de um “pragmatismo utópico” 

História da mídia no Brasil, percurso de uma década 

Politicom: o marketing político entre a pesquisa acadêmica e o mercado profissional 

Folkcom - Origens da entidade 

Folkcomunicação: memória institucional

 

Volume 3 - Tendências na comunicação 

Panorama da Produção de Conhecimento em Comunicação no Brasil 

Tendências Ocupacionais e Profissionais 

A Digitalização nas Indústrias Criativas e de Conteúdos Digitais 

Panorama da Comunicação em 11 países da Comunidade Ibero-Americana

 

 

Otimismo de brasileiros cai em quatro regiões

Otimismo de brasileiros cai em quatro regiões

Pesquisa do Ipea mostra que apenas região Sudeste teve aumento no otimismo com a situação socioeconômica do País

O Índice de Expectativas das Famílias (IEF) referente ao mês de dezembro foi divulgado na manhã desta quinta-feira, 6, na sede do Ipea, em Brasília. O indicador apontou que as famílias brasileiras permanecem otimistas em relação ao futuro socioeconômico do País, com 64,58 pontos, um ponto a menos do que no mês anterior. 

A queda do índice para todo o Brasil foi causada pelos índices das regiões Norte, Sul, Nordeste e Centro-Oeste, que apresentaram queda no otimismo ao responder as questões sobre o futuro da economia para o prazo de 12 meses e 5 anos, separadamente. A região Sudeste foi a única que apresentou aumento do otimismo para essas questões.

Apesar da queda do otimismo para o futuro da economia do País, o IEF mostra que a em relação ao futuro das famílias o otimismo aumentou, passando de 80,8 pontos em novembro para 81 pontos em dezembro.

Para o chefe da Assessoria Técnica do Ipea, Milko Matijascic, o nível de otimismo das famílias brasileiras é muito alto. “Essa percepção melhora quando a família toma conhecimento da situação da economia do País e do mercado de trabalho”, disse. 

A IEF analisa também a expectativa das famílias para o consumo de bens duráveis, endividamento e segurança na ocupação. O índice foi apresentado pelo técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea Sandro Sacchet e teve transmissão ao vivo pelo site do Instituto.

Leia o IEF na íntegra

Veja a apresentação sobre o índice

Moreira Franco assume como ministro da SAE

Moreira Franco assume como ministro da SAE

Samuel Pinheiro Guimarães passou o cargo ao novo titular, que destacou o papel do Ipea no desenvolvimento nacional

O novo ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República, Wellington Moreira Franco, tomou posse nesta terça-feira, 4 de janeiro, no auditório da SAE. Ele assumiu o lugar do embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, que ocupava essa função desde 20 de outubro de 2009.

Ao passar o cargo de ministro-chefe da SAE, Samuel cumprimentou o vice-presidente da República, Michel Temer, e o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, presentes na mesa. Agradeceu aos ministros, ao presidente do Ipea, Marcio Pochmann, e a todos os funcionários do Instituto e da SAE, “pela ajuda extraordinária”. Desejou sorte ao novo ministro para que encontre também “uma equipe dedicada, leal e trabalhadora” e entregou para ele a publicação Brasil 2022 que traz as metas do centenário do País. Destacou o esforço conjunto da elaboração desse plano estratégico “que contou com uma ampla consulta à sociedade, somando 60 mil pessoas, inclusive todos os parlamentares, ministros, ex-ministros e ex-presidentes”.

O embaixador também citou a função da Secretaria de sugerir ao governo opções de como enfrentar os desafios principais, como a questão da Amazônia, sua regularização fundiária, as tecnologias de informação e a energia nuclear. “Os primeiros estudos sobre bicombustíveis e banda larga surgiram na SAE”, destacou Samuel.

Ao final, disse que “não adianta velocidade, se não se sabe para onde se vai”. Por isso, enfatizou a importância da visão geral da nova presidente do País e de toda a administração contribuir com Dilma para definir esse rumo. “Alguns dos desafios são erradicar a pobreza, diminuir as vulnerabilidades externas e desenvolver o potencial do Brasil, tanto humano, quanto suas riquezas naturais e a estrutura produtiva”, concluiu.

Em seu discurso, Moreira Franco homenageou os ex-ministros da SAE, Mangabeira Unger e Samuel Guimarães, que “forneceram diagnósticos, orientações e caminhos aos órgãos de governo, melhorando a vida das pessoas e democratizando oportunidades”. Destacou também a contribuição do Ipea, que “é o patrimônio da produção acadêmica e intelectual, e traz uma rica reflexão dos caminhos para o desenvolvimento econômico e social do Brasil”. O novo ministro ressaltou a liberdade de pensamento do Instituto, que, em plena ditadura militar, apontou a perversidade do crescimento econômico que aumentava a concentração de renda.

Moreira Franco disse que Dilma já definiu seu eixo governamental de erradicar a miséria, consolidar a classe média e fazer do Brasil a quinta economia do mundo. Diante de tais desafios que envolvem garantia de segurança, saneamento básico, educação, transporte de massa, qualificação da mão de obra e uma nova política de defesa, afirmou que é preciso montar uma estrutura de financiamento com parcerias público-privadas e o uso de ferramentas de capitais, para driblar a falta de recursos necessários.

 

Ipea firma convênio com o Instituto Social do Mercosul

Ipea firma convênio com o Instituto Social do Mercosul


O objetivo é promover a cooperação entre os dois institutos em pesquisas relacionadas ao bloco de países

 

Foto: ISM
Maria Magdalena Rivarola, do ISM,  Renato Martins, da Secretaria Geral
da Presidência da República e Jorge Abrahão, da Disoc/Ipea

O Ipea, representado pelo diretor de Estudos e Políticas Sociais, Jorge Abrahão, assinou, no último dia 15 de dezembro, convênio com o Instituto Social do Mercosul (ISM). A parceria foi formalizada durante a X Cúpula Social do Mercosul e Estados Associados, em Foz do Iguaço (PR).

O objetivo é promover a cooperação entre os dois institutos em temas concernentes ao Mercado Comum do Sul, facilitando o diálogo entre os países e aproximando o Brasil do ISM.  O convênio permitirá, ainda, fortalecer e compartilhar a experiência acumulada pelo Ipea com o Instituto Social do Mercosul, além de avaliar a possibilidade de implementação de políticas sociais regionais e conjuntas.

O Instituto Social do Mercosul foi criado em 2009 como órgão de alto nível de pesquisa em questões sociais e análises de políticas públicas para o bloco. Recentemente, o ISM concluiu a formação de seu corpo técnico. A existência do instituto é a concretização dos esforços dos estados em priorizar a dimensão social do Mercosul.

Novo ministro assume a SAE nesta terça-feira

Novo ministro assume a SAE nesta terça-feira


Wellington Moreira Franco será empossado às 10h, no auditório da Secretaria, na Esplanada dos Ministérios

O novo ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República, Wellington Moreira Franco, toma posse nesta terça-feira, dia 4 de janeiro, às 10h, no auditório da SAE.

Moreira Franco é sociólogo, tem 66 anos, e é filiado ao PMDB desde 1987. Foi governador do Rio de Janeiro, prefeito de Niterói e deputado federal em três mandatos. Em 2008 assumiu a vice-presidência de Fundos e Loterias da Caixa Econômica Federal.

Ele assume a SAE no lugar do embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, que ocupava o cargo desde 20 de outubro de 2009.

Brasileiro se mantém otimista sobre economia do País

Brasileiro se mantém otimista sobre economia do País

Indicador que reflete a expectativa das famílias para a economia mostra o Centro-Oeste como região mais otimista

Os brasileiros continuam otimistas em relação à situação socioeconômica do País. Apesar de leve queda de um ponto no Índice de Expectativas das Famílias (IEF) com relação a novembro, o índice registrado em dezembro continua dentro da faixa de otimismo.  A quinta edição do IEF foi lançada pelo Ipea nesta quinta-feira, 6 de janeiro, às 11 horas, na sede do Instituto em Brasília (SBS, quadra 1, bloco J, Edifício BNDES/Ipea, auditório do subsolo).

A região mais otimista continua sendo o Centro-Oeste, seguida pelo Sul. O Sudeste permanece em terceiro lugar, seguido pelo Norte e pelo Nordeste, que apresentaram, em dezembro, queda significativa no indicador. As duas regiões, no entanto, continuam dentro da faixa de otimismo do IEF.

O lançamento foi feito pelos assessores da Presidência do Ipea Milko Matijascic e Sandro Sacchet, em entrevista coletiva. O evento teve transmissão ao vivo, pela internet, para todo o Brasil.

IEF

Lançado em agosto, o índice aborda a expectativa das famílias nos quesitos situação econômica nacional; condição financeira passada e futura; decisões de consumo; endividamento e condições de quitação de dívidas e contas atrasadas; e mercado de trabalho, especialmente nos quesitos segurança na ocupação e sentimento futuro de melhora profissional.

Leia o IEF na íntegra

Veja a apresentação sobre o índice

 

Revista PPP comemorou 20 anos com entrega de prêmio

Revista PPP comemorou 20 anos com entrega de prêmio


Artigos sobre desoneração da contribuição patronal, capacidade ambiental e pólos tecnológicos foram vencedores

Fotos: João Viana
Luis Henrique Paiva e Graziela Ansiliero (E) ficaram com o primeiro
lugar. Bruno Milanez e Rogério Bezerra foram segundo e terceiro

O Prêmio 20 Anos da Revista Planejamento e Políticas Públicas (PPP), que homenageou o ex-ministro João Paulo dos Reis Velloso, conselheiro de orientação do Ipea, foi entregue na tarde deste dia 20, em Brasília.

A cerimônia contou com a presença do diretor de Estudos e Políticas Sociais do Ipea, Jorge Abrahão, que representou o presidente do Instituto, Marcio Pochmann. Participaram a diretora de Estudos e Políticas Regionais Urbanas e Ambientais do Ipea, Liana Carleial, e o homenageado, o ex-ministro João Paulo dos Reis Velloso.   

Em seu discurso, Reis Velloso defendeu o desenvolvimento de atividades estratégicas para o país, tanto em exploração mineral quanto em alta tecnologia. “O Brasil é muito criativo nas tecnologias de informação, por exemplo. Que país deste porte tem o resultado das eleições presidenciais no mesmo dia?”, destacou.

Em seguida, a diretora Liana Carleial anunciou os vencedores do Prêmio 20 Anos da Revista Planejamento e Políticas Públicas. Após a entrega doas prêmios, os autores contemplados fizeram a apresentação de seus artigos. A premiação ocorreu no auditório da sede do Ipea e teve transmissão ao vivo pelo sítio do Instituto. Os artigos premiados foram:

Primeiro lugar:
A desoneração da contribuição patronal sobre a folha de pagamentos – uma solução à procura de problema. Autores: Luis Henrique Paiva e Graziela Ansiliero. O artigo da edição nº 32 da revista sugere que os benefícios da desoneração da folha de pagamentos, em termos de geração de um maior número de empregos formais, são, na melhor das hipóteses, incertos.

Segundo lugar:
Capacidade ambiental e emulação de políticas públicas: o caso da responsabilidade do pós-consumo para resíduos de pilhas e baterias no Brasil. Autores: Bruno Milanez e Ton Bührs. Neste artigo, presente na edição nº 33 da PPP, é discutida a prática brasileira de emular instrumentos e políticas desenvolvidos por países com capacidade ambiental diferente daquela encontrada no país.

Terceiro lugar:
Polos e Parques de alta tecnologia: Uma solução? Autores: Rogério Bezerra da Silva e Renato Dagnino. Este artigo da edição nº 33 da revista avalia as políticas públicas de Polos e Parques de Alta Tecnologia (PATs) no Brasil, cujos processos de elaboração iniciaram-se em fins dos anos 1970. Para isso, utiliza o Enfoque de Análise de Políticas que examina a formulação de projetos.

O Ipea responde à sociedade

O Ipea responde à sociedade


Justiça concede direito de resposta ao Instituto. Pedido foi efetuado pela Procuradoria Regional Federal

O jornal O Globo publicou, nos dias 22 e 24 de agosto de 2010, matérias que o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) considerou inverídicas e ofensivas à sua honra.

A Procuradoria Regional Federal ingressou com ação na Justiça, em nome do Ipea, requerendo o direito de resposta proporcional ao agravo.

A Justiça afirmou que "o direito de resposta surge para o ente público quando a crítica, qualificada como ofensa, atinge a honra objetiva do órgão mediante a publicação de texto sem embasamento fático". Assim, foi determinado ao réu que proceda à publicação da resposta do Ipea, nos mesmos dias e no mesmo formato das matérias reconhecidas pelo juiz como ofensivas à honra do Instituto.

Leia as respostas do Ipea aos questionamentos feitos por O Globo

Prêmio 20 Anos da Revista PPP será entregue no Ipea

Prêmio 20 Anos da Revista PPP será entregue no Ipea


Três melhores artigos de 2009 e 2010 serão anunciados na cerimônia, que tem a presença de João Paulo dos Reis Velloso

Nesta segunda-feira, dia 20 de dezembro, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) realiza a cerimônia de entrega do Prêmio 20 Anos da Revista Planejamento e Políticas Públicas (PPP). O evento começará às 14h, no auditório do Instituto em Brasília (SBS, Qd 1, Bl J. Edifício Ipea/BNDES, subsolo), e terá a presença de servidores do Ipea, colaboradores, e representantes de instituições que acompanharam a seleção.

No âmbito da comemoração de seus 20 anos de existência e por ocasião dos 45 anos do Ipea, celebrados em 2009, a PPP promoveu o Prêmio 20 anos da Revista PPP - Homenagem a João Paulo dos Reis Velloso. A premiação será concedida aos três melhores artigos publicados na revista entre 2009 e 2010. Participarão da cerimônia Samuel Pinheiro Guimarães, ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcio Pochmann, presidente do Ipea, João Paulo dos Reis Velloso, conselheiro de orientação do Ipea, e Liana Carleial, editora da PPP e diretora de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais do Instituto (Dirur).

 Planejamento e Políticas Públicas é uma revista periódica do Ipea que tem como objetivo principal promover o debate e a circulação de conhecimento em planejamento e políticas públicas, representando de fato o esforço do Instituto no sentido de disseminar pesquisas, avaliações e proposições nesse campo.

Idosos com dificuldades diárias serão 4,5 milhões em 2020

Idosos com dificuldades diárias serão 4,5 milhões em 2020

Em livro lançado nesta quinta-feira, Ipea analisa a responsabilidade de cuidados com a população idosa

Cerca de 4,5 milhões de idosos terão dificuldades para as atividades da vida diária nos próximos 10 anos, um acréscimo de 1,3 milhão ao contingente observado em 2008. Desses, 62,7% devem ser do sexo feminino. Essa é uma das principais conclusões do livro Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido?, lançado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quinta-feira, 16, no Rio de Janeiro.

Organizado pela coordenadora da área de População e Cidadania do Ipea, Ana Amélia Camarano, a obra foi lançada com a apresentação da mesa redonda Cuidados para a população idosa: de quem é a responsabilidade?

“Se a proporção de idosos com incapacidade funcional diminuir como resultado de melhorias nas condições de saúde e de vida em geral, provavelmente cerca de 3,8 milhões de idosos vão precisar de cuidados de longa duração em 2020, um valor superior em 500 mil ao observado em 2008”, disse Ana Amélia. Segundo ela, “é urgente pensar uma política de cuidados de longa duração para a população idosa brasileira, inclusive porque a oferta de cuidadores familiares tende a se reduzir nos próximos anos”.

A constatação da ausência de uma política estruturada e articulada de cuidados formais é o ponto de partida das reflexões. Hoje, a família desempenha o papel de cuidar de aproximadamente 3,2 milhões de idosos sem praticamente nenhum apoio seja do Estado ou do setor privado. A ação dos órgãos governamentais é mínima, reduzida à modalidade de abrigamento nas Instituições de Longa Permanência para Idosos (Ilpis) – os “asilos” do passado – que têm sua origem na caridade cristã e ainda dependem dela, em sua maioria. Outras alternativas são escassas.

O livro aborda as necessidades dos idosos mais frágeis e das famílias cuidadoras, o perfil das Ilpis e suas fragilidades e algumas alternativas ao modelo integral. A obra coloca o leitor diante dos mitos, estigmas e estereótipos relacionados a essas instituições com base em pesquisas qualitativas que retratam a história de vida dos residentes dessas instituições no estado do Rio de Janeiro.

O livro parte do novo cenário demográfico (mais longevos na população brasileira) com quatro perguntas: como ficará a autonomia dos idosos para as atividades da vida diária? ; a família brasileira continuará como principal cuidadora dos membros idosos?; 3) quais são as alternativas de cuidado não familiar disponíveis no Brasil?; e qual deverá ser a responsabilidade do Estado na provisão de serviços de cuidados para a população dependente?

Os “asilos” são historicamente associados ao abandono familiar e à pobreza, e nessa associação está a origem do preconceito. O livro busca desconstruir a oposição reinante entre vida e residência em Ilpis, bem como entre solidão e aconchego, e mostra que a vida em Ilpis é um pedaço da vida fora delas, uma continuação do que se vive fora delas. Não há rupturas, como se imagina. Há namoros, encontros, desencontros, solidão, brigas, felicidades, tristezas e muitas outras emoções.  “Também mostra que a família é uma instituição idealizada; é um espação de disputa de poder entre gênero e gerações”, afirma Camarano.

A obra provoca também uma discussão necessária sobre cuidados paliativos e qualidade da morte. Aborda, ainda, a fragilidade das redes sociais em relação aos cuidados de longa duração no município do Rio de Janeiro, evidenciada pelo alongamento do tempo de internação hospitalar de idosos sem condições de se reinserirem socialmente. São as “institucionalizações hospitalares de idosos”, reflexo da baixa oferta de instituições.

O capítulo final apresenta a discussão indicada pelo título do livro. De quem é a responsabilidade de cuidar dos nossos idosos? De que forma o ato de cuidar pode ser partilhado entre família, mercado e Estado? Um dos caminhos é entender esses cuidados como direito social, assim como a previdência, a saúde e a assistência, e dissociá-los da noção vigente de filantropia e caridade cristã. Além disso, assume-se que essa responsabilidade deve, também, ser compartilhada entre esses três atores.

Há também uma reflexão sobre o formato que as Ilpis assumem hoje e as alternativas de cuidado não integrais, tais como centros-dia, centros de convivência, hospitais-dia e cuidados formais domiciliares.

A intenção da obra é contribuir para a discussão sobre os modelos que o Brasil pode adotar para fazer frente aos novos desafios do envelhecimento populacional e às mudanças mais amplas da sociedade.

O livro foi organizado por Ana Amélia Camarano e conta com a colaboração de Anita Néri, Claudia Burlá, Karla Giacomin, Maria Lúcia Lebrão, Yeda Duarte, Eloisa Adler, Ligia Py, Dália Romero, Solange Kanso, Juliana Leitão e Mello, Micheline Christophe, Maria Tereza Pasinato, George Kornis, Aline Marques, Danielle Fernandes Carvalho, Daniella Pires Nunes, Eduardo Camargos Couto, Ligiana Pires Corona, Ana Paula Barbosa e Raulino Sabino.

Leia o livro na íntegra

Subcategorias



Reportar Erro
Escreva detalhadamente o caminho percorrido até o erro ou a justificativa do conteúdo estar em desacordo com o que deveria. O que deveria ter sido apresentado na página? A sua ajuda será importante para nós, obrigado!

Form by ChronoForms - ChronoEngine.com