Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Ipea lança boletim sobre mão de obra no Brasil

Ipea lança boletim sobre mão de obra no Brasil

 

Radar projeta a oferta de engenheiros em 2020 e aborda a formação de pessoal técnico-científico

Na terça-feira, dia 15, às 14h, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada lança em Brasília o Boletim Radar nº 12, uma edição especial sobre mão de obra no Brasil e crescimento. Em cinco artigos, o Radar nº 12 aborda temas como os possíveis gargalos e as soluções para o mercado de trabalho brasileiro, o impacto da qualidade do ensino básico na formação profissional, e a formação de pessoal técnico-científico e de engenheiros. Há, ainda, uma análise sobre a demanda por engenheiros e profissionais afins no mercado de trabalho formal, e uma projeção da oferta de engenheiros e profissionais afins em 2020.

O estudo será apresentado pelos técnicos de planejamento e pesquisa Aguinaldo Nogueira Maciente, Fabiano Pompermayer, Paulo Meyer Nascimento, Rafael Pereira, e pelo diretor-adjunto de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação, Regulação e Infraestrutura do Ipea, Divonzir Gusso. O evento terá como debatedor Manuel Marcos Formiga, assessor especial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), e o moderador será Marcio Wohlers, diretor do Ipea.

O Radar é uma publicação bimestral do Ipea que reúne artigos sobre produção, tecnologia, comércio exterior e outras questões em debate no Instituto. A apresentação da edição nº 12 será na sede do Ipea, em Brasília (Setor Bancário Sul, Quadra 1, Edifício BNDES/Ipea, auditório do subsolo). Haverá transmissão ao vivo pelo sítio do Instituto.

Leia a íntegra do Radar: edição especial sobre mão de obra no Brasil e crescimento

Veja os gráficos apresentados sobre mão de obra no Brasil e crescimento

Famílias ainda estão otimistas, mas índice recua

Famílias ainda estão otimistas, mas índice recua


Queda de 2,8% no IEF pode refletir redução da euforia na virada de ano e impacto das medidas do governo

O impacto das medidas restritivas anunciadas pelo governo e uma diminuição do entusiasmo em relação ao futuro que marca a virada de ano são os possíveis motivos para a queda das expectativas das famílias brasileiras em fevereiro, segundo o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann. Em entrevista coletiva com a imprensa no Rio de Janeiro nessa quinta-feira, dia 10, o presidente falou sobre a 7ª edição do Índice de Expectativas das Famílias (IEF), que caiu de 67,2% em janeiro para 65,3% em fevereiro.

Entre os dados mais significativos, destaca-se o aumento do número de famílias que dizem não ter condições de pagar dívidas. “De cada duas famílias, uma declarou ter dívidas”, disse Pochmann. Além disso, caiu o número de famílias que se disseram aptas a quitar essas dívidas.

O estudo também faz a análise dos números por regiões. “70,2% das famílias da região Centro-Oeste acreditam que a situação econômica do Brasil irá melhorar nos próximos 12 meses”, afirmou Pochmann. Ele acrescentou que 61,9% das famílias na região Sudeste não têm dívidas e que 44,9% das famílias na região Norte não terão capacidade para pagar suas dívidas.  Por outro lado, um índice expressivo das famílias do Centro-Oeste (88,4%) acredita que sua situação financeira irá melhorar daqui a um ano.

De acordo com a pesquisa, em janeiro, 19,2% das famílias brasileiras disseram ter condições de pagar todas as dívidas. Esse número caiu para 15,4% em fevereiro. O mesmo ocorreu com o número de famílias que declararam ter condições de pagar apenas parte da dívida: uma queda de 46,4%, em janeiro, para 44,5%, em fevereiro.

A maior diferença percentual nesse aspecto foi constatada em relação às famílias que disseram não ter condições de pagar qualquer dívida, que aumentou de 32,2% para 37,7%. “Isso pode estar relacionado ao aumento da taxa de juros”, ponderou Pochmann.

O presidente do Instituto ressaltou ainda a piora da expectativa sobre a situação econômica do Brasil nos próximos 12 meses como o outro fator mais importante para a queda do IEF. Em janeiro, 64% das famílias disseram que esperavam uma melhoria na situação econômica. Esse número caiu para 61,8% em fevereiro. Ao mesmo tempo, aumentou de 17,5% para 21,5% o número de famílias que acreditam que a economia vai piorar.

O maior grau de confiança na melhora econômica do País ocorreu entre aquelas famílias com rendimento entre quatro e cinco salários mínimos, bem como aqueles com ensino superior incompleto, tal como ocorrido no mês anterior.

Leia a íntegra do Índice de Expectativas das Famílias

Veja os gráficos da apresentação sobre a sétima edição do IEF

Ipea divulga dados sobre a expectativa das famílias

Ipea divulga dados sobre a expectativa das famílias


Evento será nesta quinta, às 10h. Indicador revela como as famílias avaliam a situação socioeconômica do País

A nova edição do Índice de Expectativas das Famílias (IEF), produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), trará  uma comparação dos resultados dos últimos sete meses, desde o lançamento, em agosto de 2010.  Esta é a primeira análise da evolução do índice em toda a série.

A edição do IEF com resultados relativos ao mês de fevereiro será divulgada na quinta-feira, 10 de março, às 10h, na representação do Ipea no Rio de Janeiro (Auditório do 10º andar – Av. Presidente Antônio Carlos, 51, Rio de Janeiro). A apresentação será feita pelo presidente do Ipea, Marcio Pochmann, em entrevista coletiva

IEF
Lançado em agosto, o índice aborda a expectativa das famílias nos quesitos situação econômica nacional; condição financeira passada e futura; decisões de consumo; endividamento e condições de quitação de dívidas e contas atrasadas; e mercado de trabalho, especialmente nos quesitos segurança na ocupação e sentimento futuro de melhora profissional.

Leia a íntegra do Índice de Expectativas das Famílias

Veja os gráficos da apresentação sobre a sétima edição do IEF

Conferência discute papel do Brasil nos temas globais

Conferência discute papel do Brasil nos temas globais

 

Foresight Brazil Conference ocorrerá em São Paulo, no dia 17 de março, e resultará em livro publicado pelo Ipea

O Programa Foresight – organizado pela Sociedade Alfred Herrhausen em parceria com o Instituto Policy Network – e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) realizam nesta quinta-feira, dia 17, em São Paulo, a Foresight Brazil Conference. O evento, no Hotel Tivoli Mofarrej (Alameda Santos, 1.437, Cerqueira Cesar) reunirá lideranças políticas, executivos, especialistas e formadores de opinião para um debate sobre temas sociais, econômicos e de política externa.

Conferências semelhantes já foram organizadas na China, Índia e outros países emergentes. Em São Paulo, o tema será Traçando novos rumos: o Brasil em um mundo multipolar. Confira a programação do evento. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. . Mais informações pelo telefone: (61) 3315-5108. O Policy Network é um centro de estudos internacional sediado em Londres, e a Alfred Herrhausen Society, o fórum internacional do Deutsche Bank.

Haverá também o lançamento do livro Traçando novos rumos: o Brasil em um mundo multipolar em que o presidente do Ipea, Marcio Pochmann, e Wolfgang Nowak, diretor da Alfred Herrhausen Society, estarão presentes. A obra reúne 15 artigos selecionados sobre a temática e é dividida em três partes: Trajetórias ao crescimento sustentável; Tensões internas e coesão social; e Autonomia na era da interdependência. 

Ipea lança novo Comunicado sobre sustentabilidade

Ipea lança novo Comunicado sobre sustentabilidade


Estudo que será lançado nesta terça tem como tema o uso do poder de compra para melhoria do meio ambiente

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresenta nesta terça-feira, 1º, às 10h, o Comunicado do Ipea n° 82: Uso do poder de compra para melhoria do meio ambiente, parte da série Eixos do Desenvolvimento Brasileiro. O Comunicado será apresentado no auditório do Ipea em Brasília. Os técnicos de planejamento e pesquisa do Ipea Jose Aroudo Mota e Adriana Moura farão a apresentação.

O Comunicado do Ipea nº 82 trata do uso do poder compra pelo viés do estabelecimento de instrumentos de uma política ambiental e da agregação de valores para os ativos naturais sustentáveis. É a valorização do papel do consumidor como mais um indutor da proteção do meio ambiente. O estudo também faz um panorama da rotulagem ambiental e de sua evolução no mundo e aponta normas de padronização dos rótulos ambientais.

A concepção de um selo verde para os produtos e serviços da biodiversidade brasileira e as limitações no uso de programas de rotulagem ambiental no Brasil também fazem parte do Comunicado. São abordadas as iniciativas governamentais para o uso de rotulagem ambiental, os critérios de sustentabilidade para compra públicas, o selo Procel e a certificação florestal no Brasil.

Série 
Comunicado faz parte de um conjunto amplo de estudos sobre o que tem sido chamado, dentro da instituição, de Eixos do Desenvolvimento Brasileiro: Inserção internacional soberana; Macroeconomia para o desenvolvimento; Fortalecimento do Estado, das instituições e da Democracia; Infraestrutura econômica, social e urbana; Estrutura tecnoprodutiva integrada e regionalmente articulada; Proteção social, garantia de direitos e geração de oportunidades; e Sustentabilidade ambiental.

A série Sustentabilidade Ambiental no Brasil: Biodiversidade, economia e bem-estar humano faz uma análise de diversos setores relacionados ao meio ambiente no Brasil. E busca servir como uma sistematização e reflexão sobre os desafios e oportunidades do tema meio ambiente, de forma a fornecer ao Brasil o conhecimento crítico necessário à tomada de posição frente aos desafios da sustentabilidade ambiental.

Comunicados
O livro Sustentabilidade Ambiental no Brasil: Biodiversidade, economia e bem-estar humano, cujos capítulos deram origem aos comunicados da série, contém outros 14 capítulos sobre temas relacionados ao meio ambiente no Brasil.

No site do Ipea (www.ipea.gov.br) estão disponíveis os comunicados já divulgados da série Sustentabilidade Ambiental no Brasil: Biodiversidade, economia e bem-estar humano:

Comunicado do Ipea nº 77Energia e meio Ambiente  

Comunicado do Ipea nº 78Biodiversidade

Comunicado do Ipea nº 79Comércio Internacional

Comunicado do Ipea nº 80Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)

Comunicado do Ipea nº 81 - Direito Ambiental Brasileiro e Lei de Crimes Ambientais

Comunicado do Ipea nº 82 - O Uso do Poder de Compra para a Melhoria do Meio Ambiente

Confira as lâminas da apresentação sobre o Comunicado do Ipea nº 82

Pesquisa aponta melhora na educação do Brasil

Pesquisa aponta melhora na educação do Brasil

Sistema de Indicadores de Percepção Social ouviu 2.770 pessoas em todas as regiões brasileiras

O Ipea divulgou, na manhã de segunda-feira, dia 28, o Sistema de Indicadores de Percepção (SIPS) sobre Educação. O indicador foi apresentado pelo coordenador de Educação do Ipea, Paulo Corbucci, e teve transmissão online pelo site do Instituto.  

O SIPS aponta que cerca de 49% dos entrevistados (2.770 pessoas) acreditam que a educação pública melhorou no Brasil, 27,2% acham que a educação continua igual, enquanto cerca de 24% consideram que a educação piorou. A percepção de que a educação pública no Brasil melhorou nos últimos anos é maior entre os homens e entre as pessoas mais jovens, assim como entre os cidadãos com menor escolaridade.

As regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste foram as que mais apresentaram evolução na educação, segundo os entrevistados. A informação pode ser a evidência de que foram ampliados os investimentos em educação nessas regiões, já que é onde se encontram os piores indicadores educacionais do País.

O SIPS também questionou os entrevistados sobre a qualidade da merenda escolar. Os dados apontam uma grande diferença entre as regiões brasileiras. Na região Norte, por exemplo, cerca de 21,7% dos entrevistados consideraram a qualidade da merenda ruim. O índice é alto se comparado com o das regiões Sul e Sudeste, onde a merenda é considerada ruim por 7,5% e 4,1% dos entrevistados, respectivamente. O Nordeste e o Centro-Oeste apresentam números similares: 13,9% dos entrevistados consideraram a merenda ruim.

Quanto ao programa Universidade para Todos, ProUni, o estudo mostra que cerca de 84% dos entrevistados consideraram pequeno o número de vagas do programa e acham que deveria haver ampliação. Outro resultado do SIPS foi a constatação do desconhecimento da população de programas como o Programa do Livro Didático e dos Conselhos Escolares.

Leia na íntegra o Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) sobre "educação"

Veja os gráficos da apresentação do SIPS sobre "educação" 

Arrecadação de ISS cresce em pequenos municípios

Arrecadação de ISS cresce em pequenos municípios

 

Pesquisa realizada pelo Ipea demonstra aperfeiçoamento do Imposto Sobre Serviços nos anos recentes

Rodrigo Orair, técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea e vencedor do XV Prêmio Tesouro Nacional – trabalho em coautoria com André Alencar Amorim, da Confederação Nacional dos Municípios –, deu palestra nesta quarta-feira, 23, no auditório do Instituto no Rio de Janeiro. O tema foi Esforço Fiscal dos Municípios: indicadores de condicionalidade para o sistema de transferências intergovernamentais. “Detectamos uma expansão expressiva das transferências intergovernamentais e um comportamento contraditório das receitas próprias entre 2000 e 2009, com crescimento significativo do ISS e queda relativa do IPTU”, afirmou o técnico do Ipea.

A análise da evolução das receitas municipais de 2000 a 2009, segundo Rodrigo, mostra que houve incremento importante na arrecadação de ISS dos municípios, mas queda relativa na arrecadação de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Como o aumento da receita própria, principalmente do ISS, foi maior entre os municípios de pequeno e médio porte, que geralmente são os mais pobres, os índices de desigualdade apresentaram melhoras nos anos recentes, mas o perfil distributivo da receita disponível dos municípios ainda é muito concentrado no Brasil.

As transferências intergovernamentais de caráter legal ou constitucional representam 74% das receitas municipais, ultrapassando os 90% para 3.835 municípios. Os resultados apresentados também indicam que as transferências influenciam negativamente a arrecadação própria dos municípios, o que corrobora a tese de que uma reforma no sistema de transferências se paute tanto pelo princípio de equidade quanto da eficiência.

Ipea mede a percepção social sobre educação

Ipea mede a percepção social sobre educação


Estudo mostra como a população avalia a qualidade da educação e ações específicas no Brasil

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresentou nesta segunda-feira, 28, às 10h, em Brasília, o Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) sobre “Educação”. O indicador mostra a percepção dos brasileiros por região, faixa etária, raça ou cor, renda e sexo. O lançamento foi feito pelo coordenador de Educação do Ipea, Paulo Corbucci, em entrevista coletiva na sede do Instituto em Brasília (Setor Bancário Sul, Quadra 1, Bloco J, Edifício BNDES/Ipea, auditório do subsolo), com transmissão ao vivo, pela internet.

Na edição sobre educação, buscou-se captar a percepção atual da população em relação à educação pública, de forma geral, além da opinião sobre ações públicas entendidas como importantes para uma educação de qualidade: os Conselhos Escolares, o Programa do Livro Didático, o Programa da Merenda Escolar e o Programa Universidade para Todos, o ProUni.

SIPS
O sistema de indicadores permite ao setor público estruturar suas ações para uma atuação mais efetiva, de acordo com as demandas da população brasileira. Já foram divulgadas edições sobre justiça, cultura, segurança, igualdade de gênero, bancos, mobilidade urbana, trabalho e renda, e saúde.

A pesquisa é feita presencialmente. Para a elaboração do indicador, foram ouvidos 2.773 brasileiros em todos os estados do País. A técnica usada é a de amostragem por cotas, que garante representatividade e operacionalidade e mantém a variabilidade da amostra igual à da população nos quesitos escolhidos. A margem máxima de erro por região é de 5%, e o grau de confiança é de 95%.

Leia na íntegra o Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) sobre "educação"

Veja os gráficos da apresentação do SIPS sobre "educação"

Brasil ocupa 3º lugar em número de projetos via MDL

Brasil ocupa 3º lugar em número de projetos via MDL

 

Comunicado do Ipea nº 80 mostra oportunidades do país com o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

“A maior utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo poderia ser um elemento importante para viabilizar projetos ou políticas públicas que contribuam ao desenvolvimento brasileiro sustentável”, afirmou a técnica de Planejamento e Pesquisa Maria Bernadete Gomes no lançamento do Comunicado do Ipea n° 80: Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. A apresentação ocorreu nesta quarta-feira, 23, no auditório do Ipea no Rio de Janeiro, e também contou com a presença do técnico Albino Alvarez.

O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) é originário das disposições do Protocolo de Quioto, no âmbito das discussões das mudanças climáticas. O Comunicado nº 80 trata dos panoramas brasileiro e mundial do MDL, do mercado de carbono – com seus volumes e valores –, das políticas públicas e medidas de desenvolvimento sustentável, do setor de saneamento básico do Brasil e do tratamento dos resíduos sólidos e projetos de geração de energia a partir de aterros.

Bernadete lembrou que a entrada em vigor do Protocolo de Quioto, em 2005, lançou as bases para um mercado global de carbono, constituído por diferentes mercados regionais ou nacionais, assim como por mecanismos de projetos redutores de emissões do MDL ou Implementação Conjunta (IC). Alguns desses mercados foram criados com o objetivo de atender a compromissos de redução de emissões negociados no Protocolo de Quioto, em que se insere o MDL, enquanto outros são de natureza voluntária.

A participação brasileira no mercado de carbono tem se limitado, segundo a técnica, ao segmento de oferta de projetos via MDL, ocupando o terceiro lugar em número de projetos (13%), sendo que China e Índia responderam por 31% e 21% do total em 2008. O texto revela que o MDL vem sofrendo modificações importantes que podem ampliar a utilização pelos países beneficiários e se constituir em instrumento importante para o crescimento sustentável brasileiro.

O setor de saneamento básico, em particular o de tratamento de lixo, apresenta elevada potencialidade para a utilização de um MDL setorial. A elaboração desse mecanismo deve incorporar as principais lições derivadas da experiência acumulada dos créditos de carbono setoriais em outros países: o tamanho das fontes de emissão; a formulação de políticas setoriais de forma integrada com políticas ambientais; e o fortalecimento das instituições já existentes no MDL, em particular a Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima.

Série
O Comunicado faz parte de um conjunto amplo de estudos sobre o que tem sido chamado, dentro da instituição, de Eixos do Desenvolvimento Brasileiro: Inserção internacional soberana; Macroeconomia para o desenvolvimento; Fortalecimento do Estado, das instituições e da Democracia; Infraestrutura econômica, social e urbana; Estrutura tecnoprodutiva integrada e regionalmente articulada; Proteção social, garantia de direitos e geração de oportunidades; e Sustentabilidade ambiental.

A série Sustentabilidade Ambiental no Brasil: Biodiversidade, economia e bem-estar humano faz uma análise de diversos setores relacionados ao meio ambiente no Brasil. E busca servir como uma sistematização e reflexão sobre os desafios e oportunidades do tema meio ambiente, de forma a fornecer ao Brasil o conhecimento crítico necessário à tomada de posição frente aos desafios da sustentabilidade ambiental.

Leia a íntegra do Comunicado do Ipea nº 80: Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Veja as lâminas da apresentação sobre o Comunicado do Ipea nº 80: Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

 

Confira os próximos Comunicados da série Sustentabilidade Ambiental no Brasil: Biodiversidade, economia e bem-estar humano:

24/2 – Direito Ambiental Brasileiro; Lei dos Crimes Ambientais (auditório da Caixa Econômica Federal, Praça da Sé, 111, Centro, São Paulo)

1º/3 – Uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente (auditório do Ipea, Brasília)

Ipea realiza em Brasília a 2ª Oficina Proredes

Ipea realiza em Brasília a 2ª Oficina Proredes

 

Evento reunirá institutos, ONGs e órgãos do governo para um debate sobre governança democrática no Brasil

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada realiza nesta quinta-feira, 24, das 10h às 18h, a 2ª Oficina Proredes, que tem como tema Estado, Terceiro Setor e Instituições Participativas. O evento ocorre no auditório do subsolo da sede do Instituto em Brasília (Setor Bancário Sul, Quadra 1, Ed. BNDES/Ipea) e tem como objetivo o compartilhamento dos resultados parciais das pesquisas realizadas pelo Ipea – por meio da Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia (Diest) – e de outras organizações da sociedade civil.

O diretor da Diest, José Celso Cardoso Júnior, e os técnicos de planejamento e pesquisa Fábio de Sá e Silva, Félix Garcia Lopez e Roberto Pires vão abrir a oficina com a apresentação do projeto Proredes Ipea/ONGs. Em seguida, virão os relatos sobre o tema Conselhos Gestores e Conferências Nacionais, pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC), Instituto de Estudos, Formação e Assessoria em Políticas Sociais (Polis), Rede Nacional de Universidades em Apoio aos Trabalhadores (Unitrabalho), e Ipea.

À tarde, haverá uma apresentação dos convidados do governo federal, com participação de representantes da Secretaria Nacional de Justiça (Ministério da Justiça) e da Secretaria Geral da Presidência da República. Representantes do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP) e do Ipea tratarão do tema Interações entre Estado e Sociedade Civil: convênios, redes e percepções sociais, e os participantes do Instituto de Estudos da Religião (Iser) e da organização não governamental ActionAid vão abordar o assunto Redes de organizações civis e efetivação de políticas públicas.

A 2ª Oficina pretende fomentar o debate, dentro do programa Proredes Ipea/ONGs, sobre a governança democrática no Brasil contemporâneo. Além dos temas citados, a oficina abordará: a Arquitetura da Participação no Brasil: Avanços e Desafios; a Estrutura, Composição e Atuação do Conselho Nacional de Recursos Hídricos; o Enfrentamento da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher: Potenciais e Limites da Sociedade Civil; e a Violência, Segurança Pública e Sociedade Civil Organizada no Rio de Janeiro.

Subcategorias



Reportar Erro
Escreva detalhadamente o caminho percorrido até o erro ou a justificativa do conteúdo estar em desacordo com o que deveria. O que deveria ter sido apresentado na página? A sua ajuda será importante para nós, obrigado!

Form by ChronoForms - ChronoEngine.com