resep nasi kuning resep ayam bakar resep puding coklat resep nasi goreng resep kue nastar resep bolu kukus resep puding brownies resep brownies kukus resep kue lapis resep opor ayam bumbu sate kue bolu cara membuat bakso cara membuat es krim resep rendang resep pancake resep ayam goreng resep ikan bakar cara membuat risoles
Condições de vida e moradia nos assentamentos precários brasileiros

Maria da Piedade Morais

Alcançar até 2020 uma melhoria significativa nas condições de vida de pelo menos 100 milhões de habitantes de assentamentos precários é uma das metas de desenvolvimento do milênio das Nações Unidas, prérequisito para a garantia da sustentabilidade socioambiental dos assentamentos humanos em todo o mundo.

Segundo os cálculos do UN-Habitat, agência da ONU responsável pelo monitoramento desta meta, publicados no Relatório "O Estado das Cidades no Mundo 2010/2011", um total de 227 milhões de habitantes de países em desenvolvimento conseguiram deixar de morar em assentamentos precários entre 2000-2010. Esses números mostram que esta meta do milênio já foi alcançada globalmente, 10 anos antes do prazo previsto. A região da América Latina e do Caribe contribuiu com uma redução de cerca de 30 milhões de pessoas (13% da meta global), graças ao bom desempenho em números absolutos de países como o Brasil, o México, a Argentina e a Colômbia com 10,4, 5,1, 4,9 e 3,7 milhões de habitantes, respectivamente.

No Brasil, tem-se assistido a uma relativa melhora nas condições de moradia nas cidades, com a proporção da população urbana residente em domicílios precários caindo 30% entre 1992 e 2008. Contudo, os números absolutos do problema ainda são preocupantes, pois existem mais de 50 milhões de brasileiros urbanos que se defrontam com algum tipo de carência habitacional relativo à ausência de serviços públicos essenciais como água e esgoto, rusticidade da construção, insegurança da posse, não conformidade com os códigos urbanísticos e níveis elevados de densidade por dormitório.

A ocorrência de assentamentos humanos precários é um fenômeno recorrente no Brasil e está disseminado em cidades de todos os portes, embora seja mais freqüente nos municípios com população acima de 500 mil habitantes, onde 97,3% dos municípios nessa faixa de tamanho acusaram a ocorrência de favelas, 94,6% de loteamentos irregulares ou clandestinos e 86,5% a presença de cortiços (IBGE/MUNIC/2009). Esses números são um indício de que os assentamentos precários são um fenômeno tipicamente urbano e metropolitano, sendo inerentes ao próprio modelo de desenvolvimento adotado no país, caracterizado por um processo de urbanização desigual, espacialmente concentrador, ambientalmente desordenado e socialmente excludente, marcado por elevados níveis de desigualdades socioespaciais.

As favelas localizados nas metrópoles do Sudeste e do Nordeste do país, representam a face mais visível de um fenômeno de informalidade urbana e precarização do habitat de abrangência nacional, embora com diferentes matizes regionais. Nesse contexto, os grandes complexos de favelas cariocas como o Alemão, Manguinhos e Rocinha, aparecem como os casos mais emblemáticos desse tipo de problema, onde a precariedade habitacional, a fragilidade das condições ambientais e as vulnerabilidades sociais se concentram no espaço e se reforçam mutuamente, num processo de causação circular e de negação de direitos sociais básicos que é necessário e urgente interromper.

De acordo com a PNAD/2008, o rendimento per capita médio da população residente em aglomerados subnormais, proxy para a população residente em favelas, é de R$ 334,80, metade da renda dos moradores de outros setores urbanos. A escolaridade média é mais baixa, onde cerca de metade da população com mais de 16 anos não possui sequer o 1º Grau completo. O nível de acesso a serviços públicos essenciais como água, esgoto e coleta de lixo também é menor. A precariedade do emprego nessas áreas é mais elevada, com quase 11% da PEA desocupada e cerca de 42,3% ocupada em atividades informais mal remuneradas, com forte presença de empregados domésticos sem carteira e trabalhadores por conta própria. A ocorrência de irregularidade fundiária e o adensamento excessivo também são uma tônica nesse tipo de assentamento, em que 64% da população é preta ou parda.

Nesse sentido, é preciso ter em conta que tão importante quanto urbanizar, regularizar e integrar as favelas já existentes ao restante da cidade é prevenir a formação de novas favelas, o que só se conseguirá mediante políticas habitacionais e sociais integradas e proativas, que permitam uma inserção mais favorável da população de baixa renda nos mercados de trabalho e de habitação. Desta maneira, recomenda-se a integração de ações de urbanização de favelas e regularização fundiária com outras ações como provisão de moradia popular para compra ou locação social, a recuperação de áreas centrais degradadas para fins residenciais, aliadas a medidas de natureza social, como políticas de formação profissional, geração de emprego e renda, saúde, educação, juventude, raça, microcrédito, dentre outras, reforçando e expandindo as ações sociais no âmbito do PAC e do PPA. Só assim será possível reverter o ciclo vicioso da pobreza e da informalidade urbanas e promover a inclusão social e territorial dos assentamentos precários brasileiros, levando a presença do Estado onde ela ainda é escassa.


Maria da Piedade Morais é coordenadora de estudos setoriais urbanos e técnica de planejamento e pesquisa do Ipea.

* A autora agradece os comentários de George Alex da Guia e o apoio à pesquisa de Paulo Augusto Rego.