Arquivo da tag: Teletrabalho Potencial

O Teletrabalho Potencial no Brasil Revisitado: uma visão espacial

Por Geraldo Sandoval Góes, Felipe dos Santos Martins e Vinícius de Oliveira Alves

A presente Nota de Conjuntura objetiva continuar os esforços de acompanhamento das transformações no mercado de trabalho brasileiro, notadamente a partir da Covid 19 e, assim, tem como objetivos realizar: i) a estimativa do teletrabalho potencial para os recortes urbano e rural no Brasil; ii) estimar o potencial de home office para as regiões metropolitanas brasileiras; e iii) a atualização/refinamento do trabalho de Góes, Martins e Nascimento (2020), no tocante aos dados de 2021, para as características individuais e massa de rendimentos. Dessa maneira, os dados da PNAD Contínua para o primeiro trimestre de 2021 indicam que, que, no Brasil, 20,4 milhões de pessoas encontram-se em ocupações com potencial de serem realizadas de forma remota, o que representa 24,1% do total de ocupados do período, um aumento de 1,4 pontos percentuais em relação ao resultado para período um ano antes. Percebe-se ainda que o rendimento das pessoas em ocupações com potencial de serem realizadas de forma remota corresponde a cerca de 40% da massa de rendimentos total.

Quanto a distribuição urbano e rural, as estimativas apontam, como esperado, o predomínio, do teletrabalho potencial na zona urbana. Não obstante, a área rural conta com mais de 650 mil pessoas com potencial de home office, o que corresponde a 6,4% do total de ocupados nessa área. No tocante as regiões metropolitanas, quase metade do teletrabalho potencial do Brasil é realizado nesses espaços. Pode-se destacar a RM de Florianópolis, na qual 40,4% das pessoas ocupadas podem estar nesse regime laboral, embora no estado de Santa Catarina encontre-se a menor participação metropolitana no contingente potencial de home office.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O gap entre o trabalho remoto potencial e efetivo no Brasil: Possíveis condicionantes

Por Geraldo Sandoval Góes, Felipe dos Santos Martins e José Antônio Sena Nascimento

Esta Nota de Conjuntura busca compreender, diante da limitação dos dados, possíveis razões para a ocorrência de hiato entre o trabalho remoto potencial e o efetivo. Para isso, utiliza-se de variáveis domiciliares com a finalidade de avaliar o percentual de pessoas em ocupações potencialmente realizáveis de forma remota que possuíam, de fato, os meios para trabalhar em seus domicílios. Somado a isso, o trabalho também destaca a relevância de pesquisas como a PNAD Covid-19, e evidencia que outras pesquisas recorrentes, como a PNAD Contínua, devem incorporar em seus questionários quesitos sobre o trabalho remoto. Assim, potencial de trabalho remoto foi reestimado para o país, passando de 22,7% para 16,7% – redução de 6 p.p., isto é, 3,3 p.p. acima do observado em maio de 2020 (13,3%) pela pesquisa PNAD Covid-19.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------