Arquivo da tag: Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda

Inflação por faixa de renda – Maio/2022

Por Maria Andréia P. Lameiras

Em maio, segundo o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda, a inflação variou entre 0,29% para o segmento de renda muito baixa e 0,93% para a classe de renda alta. Com a incorporação deste resultado, no acumulado do ano, até maio, a inflação registra altas que variam de 4,66% (renda alta) a 4,85% (renda média). Já no acumulado em doze meses, as taxas apontam altas inflacionárias entre 11,2% (renda média-alta) e 12% (renda muito baixa).220614_cc_54_nota_26_ifr_jun22_tabela_01

220614_cc_54_nota_26_ifr_jun22_graficos_01_e_02

Acesse o texto completo

Taxa mensal de inflação por faixa de renda (xlsx)



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Abril/2022

Por Maria Andréia P. Lameiras

De acordo com o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda, em abril, a inflação variou entre 1,00% para o segmento de renda alta e 1,06% para a classe de renda muito baixa (tabela 1). Com a incorporação deste resultado, no acumulado do ano, até abril, a inflação registra altas que variam de 3,7% (renda alta) a 4,5% (renda muito baixa). Já no acumulado em doze meses, as taxas apontam altas inflacionárias entre 10,8% (renda alta) e 12,7% (renda muito baixa).

220516_cc_55_nota_18_ifr_maio_22_tabela_01

220516_cc_55_nota_18_ifr_maio_22_graficos_01_e_02

Acesse o texto completo

Taxa mensal de inflação por faixa de renda (xlsx)



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Março/2022

Por Maria Andréia P. Lameiras

Em março, o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda registrou taxas de inflação variando entre 1,24% para as famílias pertencentes aos estratos de renda mais alta e 1,74% no segmento de renda mais baixa. No acumulado no ano até março, a inflação varia entre 2,68% para o segmento de renda alta e 3,40% para o segmento de renda muito baixa. No acumulado em 12 meses, a inflação varia entre 10% para as famílias de renda mais alta e 12% para as famílias de renda mais baixa​.

220414_cc_55_nota_5_ifr_mar22_tabela_1

Acesse o texto completo

Taxa mensal de inflação por faixa de renda (xlsx)



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Fevereiro/2022

Por Maria Andréia P. Lameiras

Os dados do Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda revelam uma aceleração da inflação, em fevereiro, para todas as classes de renda pesquisadas, especialmente para o segmento de renda alta, cuja taxa avançou de 0,34% para 1,07% entre janeiro e fevereiro (tabela 1). No caso das famílias de renda muito baixa, a alta observada de 1,0%, em fevereiro, contribuiu para que esse grupo apresentasse a maior taxa de inflação acumulada em doze meses (10,9%), bem acima da registrada pela classe de renda alta (9,7%). Enquanto a alta do grupo alimentação e bebidas constituiu-se no principal ponto de pressão para os segmentos de renda mais baixa, os reajustes do grupo educação foram os principais focos de pressão inflacionária para as famílias de renda mais elevada.

Nos últimos doze meses, para as famílias de renda mais baixa, a maior pressão inflacionária reside no grupo habitação, impactado pelos reajustes de 28,1% das tarifas de energia elétrica e de 27,6% do gás de botijão. Já para o segmento de renda mais alta, o foco está no grupo transportes, refletindo os aumentos de 32,6% da gasolina, de 36,2% do etanol e de 27,7% do transporte por aplicativo. Adicionalmente, o comportamento dos alimentos no domicílio, em especial os reajustes de 8,6% das carnes, de 19,6% de aves e ovos, de 43,8% do açúcar e de 61,2% do café, também provocou impactos altistas significativos sobre a inflação no período, sobretudo para as camadas de renda mais baixa.​

220303_cc_54_nota_18_indice_marco22_tabela_1220303_cc_54_nota_18_indice_marco22_tabela_1

Acesse o texto completo

Taxa mensal de inflação por faixa de renda (xlsx)

 



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Janeiro/2022

Por Maria Andréia P. Lameiras

​Em janeiro, o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda apontou desaceleração da inflação, na margem, para todos todas as classes pesquisadas. Nota-se, entretanto, que, para as famílias de renda mais baixa, esse recuo foi menos intenso, tendo em vista que foi o segmento que apresentou a maior alta inflacionária no mês (0,63%). Em contrapartida, a faixa de renda alta foi a que registrou a menor taxa de inflação no período (0,34 %). Já no acumulado em 12 doze meses, a maior alta inflacionária foi das famílias de renda média -baixa, cuja com taxa de 10,8%, levemente superior à observada pela faixa de renda muito baixa (10,5%) e bem acima da registrada pelo  grupo de renda alta (9,6%).

220215_cc_54_nota_14_inflacao_faixa_renda_jan_22_tabela_1_jan22

220215_cc_54_nota_14_inflacao_faixa_renda_jan_22_graficos_1_e_2_jan22

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Dezembro/2021

Por Maria Andréia P. Lameiras

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda revela que, à exceção do segmento de renda muito baixa, cuja taxa aumentou de 0,65%, em novembro, para 0,74%, em dezembro, todas as demais classes registram desaceleração da inflação na margem. A faixa de renda alta foi a que apontou a maior inflação em dezembro, com taxa de 0,82%. Após a incorporação deste resultado, no acumulado de 2021, todas as faixas de renda apresentaram forte aceleração da inflação em relação ao observado no ano anterior. Entretanto, as famílias de renda média-baixa e renda média foram as que registraram as maiores altas inflacionárias, em 2021, com taxas de 10,4% e 10,3%, respectivamente.

Os dados desagregados revelam que, para as famílias de renda mais baixa, a maior pressão inflacionária em 2021 veio do grupo habitação, impactado pelos reajustes de 21,2% das tarifas de energia elétrica e de 37% do gás de botijão. Já para o segmento de renda mais alta, o foco residiu no grupo transportes, refletindo, sobretudo, no aumento de 47,5% da gasolina e de 62,2% do etanol. Deve-se pontuar ainda que, embora tenha ocorrido uma melhora no desempenho dos alimentos no domicílio em 2021, este segmento ainda provocou impactos altistas significativos sobre a inflação, especialmente para as camadas de renda mais baixa.

Dados disponíveis no Ipeadata

220116_cc_54_nota_3_inflacao_faixa_renda_graficos_2_e_3_dez21

220116_cc_54_nota_3_inflacao_faixa_renda_tabela_1_dez21

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Novembro/2021

Por Maria Andréia P. Lameiras

Em novembro, o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda registrou desaceleração da inflação para todas as classes de renda pesquisadas. Entretanto, esta desaceleração foi mais significativa para o segmento de renda muito baixa, cuja taxa recuou de 1,35% em outubro para 0,65% em novembro. Para os estratos superiores de renda, a desaceleração foi um pouco mais modesta, especialmente para as famílias de renda média e média-alta, que apresentaram, em novembro, as maiores taxas de inflação – 1,10% e 1,08%, respectivamente. No ano, as maiores pressões inflacionárias ocorrem nas faixas de renda média-baixa e média, com variações acumuladas de 9,6% e 9,5%. Já nos últimos doze meses, apesar da desaceleração de novembro, a alta inflacionária de 11,0% das famílias de renda muito baixa ainda se encontra em patamar superior ao registrado no segmento de renda mais elevada (9,7%).

 Tabela 1_nov21

Gráficos 1 e 2 _nov21

Os dados estão disponíveis no Ipeadata

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Outubro/2021

Por Maria Andréia P. Lameiras

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda, apontou, em outubro, uma nova aceleração da inflação para todas as classes de renda pesquisadas. Os dados revelam ainda que a inflação foi mais acentuada para as famílias de renda muito baixa, cuja taxa de 1,35%, em outubro, ficou 0,15 ponto percentual (p.p.) acima da registrada no segmento de renda muito alta (1,20%). No ano, a maior pressão inflacionária ocorre nas faixas de renda média-baixa e muito baixa, com altas de 8,59% e 8,57%, respectivamente. Já nos últimos doze meses, embora haja uma aceleração generalizada da inflação, os três segmentos de menor renda são os que registram as maiores altas inflacionárias, com taxas superiores a 11,0%. No caso das famílias de renda muito baixa, a inflação acumulada em doze meses chega a 11,4%, mantendo-se bem acima da apurada na classe de renda mais alta (9,3%).

 Gráficos 1 e 2_out21 Tabela 1_out21

Acesse o texto completo

Acesse a série histórica completa



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Setembro/2021

Por Maria Andréia P. Lameiras

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostra que, em setembro, houve aceleração das taxas de inflação em todos os segmentos de renda pesquisados. Em que pese esta alta generalizada, a inflação foi mais acentuada para as famílias de renda muito baixa (1,30%), comparativamente à apurada no grupo de renda mais elevada (1,09%). No acumulado do ano, as famílias de renda média-baixa são as que registram a maior alta inflacionária, com taxa de 7,23%. Já no acumulado em doze meses, a pressão inflacionária continua maior nas classes de renda mais baixa, cuja taxa de 11% mantém-se em patamar acima do observado no segmento de renda mais alta (8,9%).

211015_cc_53_nota_6_inflacao_por_faixa_renda_set21_graficos_1_2

211015_cc_53_nota_6_inflacao_por_faixa_renda_set21_tabela_1

Acesse a série histórica completa

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – Agosto/2021

Por Maria Andréia P. Lameiras

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostra que, em agosto, à exceção do segmento de renda média-alta, todas as demais faixas registraram desaceleração, na margem, em suas respectivas taxas de inflação (tabela 1). Os resultados mostram ainda que a pressão inflacionária continua maior nas classes de rendas mais baixas comparativamente à observada nos grupos de renda mais alta. Em agosto, enquanto a inflação das famílias de renda muito baixa e de renda baixa apontou altas de 0,91%, a das famílias no estrato superior de renda apresentou variação mais amena (0,78%). No acumulado do ano, as famílias de renda baixa e média-baixa são as que apresentam as maiores taxas de inflação (5,9%). No acumulado em doze meses, a inflação das famílias de renda muito baixa (10,6%) segue significativamente acima da registada pela classe de renda alta (8%).

Gráficos 1 e 2_ago21 Tabela 1_ago21

Acesse a série histórica completa

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------