Todos os posts de Breno Galvão

Comércio exterior do agronegócio: maio de 2022

Por Ana Cecília Kreter, Rafael Pastre, Fabio Servo e Jose Ronaldo de C. Souza Jr.

O agronegócio brasileiro exportou US$ 15,1 bilhões em maio, valor 14,2% acima do registrado em igual mês de 2021. O resultado do mês representa o maior valor já registrado de toda a série histórica. De fato, o Brasil tem mantido uma trajetória crescente nas exportações em valor. Além das altas mais significativas de dezembro de 2021 a março de 2022, período de entressafra no Brasil e que costuma ter menor comercialização, os meses posteriores também apresenta ram alta. Já as importações do setor, que iniciaram 2022 em patamares próximos ao de 2021, tiveram alta mais significativa em maio, 25% acima frente ao mesmo mês do ano anterior.

O saldo da balança comercial do agronegócio apresentou, portanto, um superávit de US$ 13,6 bilhões em maio, enquanto que os demais setores da economia brasileira tiveram aumento no déficit – de US$ 3,5 bilhões para US$ 8,6 bilhões, deixando como resultado final um superávit comercial de quase US$ 5 bilhões.

No acumulado do ano, de janeiro a maio, tanto as exportações quanto as importações apresentam alta, de US$ 63,7 bilhões e US$ 6,6 bilhões, respectivamente, ou crescimento de 29,0% e 6,3%. Este resultado elevou o superávit do agronegócio de US$ 43,1 bilhões para 57 bilhões.​

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Balanço de pagamentos, balança comercial e câmbio: evolução recente e perspectivas

Por Andreza Aparecida Palma

O setor externo continua apresentando um cenário de solidez. O saldo comercial em maio de 2022 foi de US$ 4,9 bilhões, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). O valor das exportações alcançou recorde histórico para toda a série, iniciada em janeiro de 1997 (US$ 29,6 bilhões), favorecido, novamente, pela alta do preço das commodities. O valor das importações também foi o maior de toda a série histórica (US$ 24,7 bilhões). O conflito entre Rússia e Ucrânia trouxe um aumento dos preços de produtos básicos, o que favorece economias exportadoras como o Brasil. Mesmo com incertezas a respeito de insumos importados, especialmente fertilizantes e semicondutores, o saldo permanece positivo.

Em relação ao balanço de pagamentos, a conta de transações correntes tem apresentado redução do déficit, especialmente nos últimos meses, permanecendo ainda em níveis bem inferiores ao período anterior à pandemia – em fevereiro de 2022, o déficit em transações correntes foi de 1,6% do produto interno bruto (PIB), contra 3,7% do PIB em fevereiro de 2020. Quanto à conta capital e financeira, observou-se uma trajetória de relativa recuperação durante o ano de 2021 e, mais recentemente, de estabilização. Embora os níveis pré-pandemia ainda não tenham sido plenamente atingidos, houve melhora na entrada de capitais, além de relativa recuperação do investimento direto no país (IDP) no período recente. O IDP acumulado em doze meses em fevereiro de 2022 foi de US$ 50,7 bilhões (3,1% do PIB), contra US$ 44,8 bilhões no mesmo período do ano anterior (3,2% do PIB). A princípio, a trajetória de aumento da taxa de juros Selic poderia potencializar a recuperação da conta financeira. No entanto, com a retirada paulatina dos estímulos monetários da economia dos Estados Unidos, há incerteza sobre o balanço de risco dos investidores.

Quanto ao câmbio, mesmo com a turbulência gerada pelo conflito entre Rússia e Ucrânia, houve valorização até o mês de maio. A taxa de câmbio, que havia permanecido na média mensal acima de R$ 5,00/US$, fechou os meses de março, abril e maio de 2022 abaixo desse valor. Em relação aos fatores que podem influenciar a taxa de câmbio, do lado externo, há uma preocupação especial sobre a trajetória da China, que implementou novos lockdowns no período recente. Em relação à pandemia, as novas subvariantes da ômicron trazem alguma turbulência. Também a mudança na política monetária nos Estados Unidos, já mencionada, adiciona pressão de desvalorização do real. A alta global nos preços de energia também é um fator de preocupação, junto com os desdobramentos do conflito russo-ucraniano. Do lado interno, há as incertezas inerentes ao ano eleitoral, com relação às futuras políticas econômicas.

220624_cc_55_nota_28_mercado_de_trabalho_graficos_01_e_02

220624_cc_55_nota_28_mercado_de_trabalho_graficos_01_e_02

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Projeção do valor adicionado do setor agropecuário para 2022​

Por Pedro M. Garcia, Fabio Servo e José Ronaldo de C. Souza Jr.

Esta nota revisa a nossa previsão de crescimento do valor adicionado (VA) do setor agropecuário de 2022, que era de 1,0% (como divulgado na Nota no 28 da Carta de Conjuntura no 54) e passou para a estabilidade – crescimento nulo no ano. O principal motivo desta revisão é a piora da projeção feita pelo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), do IBGE, da produção de soja este ano, agora com uma queda de 12,1% ante o recuo de 8,8% anteriormente divulgado. Como previsto anteriormente, a redução da produção de soja é contrabalançada pelo bom desempenho esperado para outras culturas, como milho e café, e pelas contribuições positivas de segmentos da produção animal, como bovinos e suínos.

220614_cc_54_nota_26_ifr_jun22_tabela_01

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Índice de Custo da Tecnologia da Informação (ICTI) – abril de 2022

Por Maria Andreia Parente Lameiras

O Índice de Custo da Tecnologia da Informação (ICTI), calculado pelo Ipea, apresentou taxa de variação de 0,72% em abril de 2022, situando-se 0,27 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada no mês anterior. Na comparação com o mesmo mês de 2021, a variação foi 0,29 p.p. maior. Com a incorporação desse resultado, o ICTI acumula variação de 5,77% nos últimos doze meses.​

220510_cc_55_nota_13_icti_mar22_tabela_1

220510_cc_55_nota_13_icti_mar22_tabela_2

Acesse o texto completo

ICTI – Série Completa – Abril de 2022 (xlsx)



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desempenho do PIB no primeiro trimestre de 2022

Por Leonardo Mello de Carvalho e Estêvão Kopschitz Xavier Bastos

O PIB avançou 1% no primeiro trimestre de 2021, na comparação com o trimestre anterior, já livre de efeitos sazonais, e 1,7% na comparação interanual – de acordo com o IBGE. O resultado veio acima da nossa previsão, divulgada em março deste ano, que era de 0,5% na margem e de 0,9% na comparação interanual. Na comparação com o último trimestre de 2019, período imediatamente anterior ao início da crise causada pela pandemia de covid-19, o PIB encontra-se num patamar 1,6% superior. A trajetória dessazonalizada do PIB em 2021 foi revista pelo IBGE, sem alteração do crescimento no ano e nas outras taxas trimestrais. Houve manutenção do mesmo ritmo de crescimento médio na margem ao longo do ano (0,4%), mas com aceleração de sua trajetória nos dois últimos trimestres, com as taxas passando de -0,1% e 0,5%, para 0,1% e 0,7%, respectivamente. O resultado do primeiro trimestre deixa o carry-over de 1,5% para 2022 –, ou seja, caso permaneça estagnado nos três próximos trimestres, o PIB fecharia o ano com alta de 1,5%.

Em relação à ótica da produção, o PIB da agropecuária apresentou o pior desempenho, com quedas de 0,9% na margem e 8% na comparação interanual. O resultado, que veio em linha com a nossa projeção de -9,0% sobre o mesmo trimestre de 2021, foi explicado em grande medida pela queda de 12,2% na produção da soja, item como maior peso na lavoura. Já o setor de serviços foi o destaque positivo do primeiro trimestre, ficando acima do projetado. Embora seu desempenho tenha sido afetado negativamente no início do ano, quando as estatísticas ligadas à pandemia se deterioraram em janeiro, o setor voltou a acelerar nos dois meses seguintes, encerrando o trimestre com alta de 1% na margem e 3,7% em termos anuais (a projeção era de 0,4% e 2,6%). Por fim, o setor industrial, cujos impactos negativos associados à oferta de insumos vêm perdendo força, interrompeu uma sequencia de três quedas na comparação dessazonalizada, registrando avanço de 0,1% sobre o quarto trimestre do ano passado. Na comparação com o mesmo período de 2021, a queda de 1,5% foi menor do que nossa previsão (-2,3%).

Pela ótica da despesa, o destaque ficou por conta do consumo das famílias, cuja alta de 0,7% na margem representou a sexta variação positiva em sete trimestres. Na comparação interanual, o crescimento de 2,2% veio um pouco acima da nossa previsão, que era de 1,8%. Já o consumo do governo, que atingiu patamar 3,3% superior àquele verificado no mesmo período do ano passado, ficou praticamente estável na comparação com ajuste sazonal, com avanço de 0,1%, em linha com o previsto (3,3% e 0,2%). A FBCF, por sua vez, registrou quedas de 3,5% na margem e de 7,2% na comparação interanual. Este resultado foi explicado pelo fraco desempenho da demanda por máquinas e equipamentos, mais que compensando a contribuição positiva da construção civil. O resultado do primeiro trimestre levou a taxa de investimento a passar de 19,7% no primeiro trimestre de 2021 para 18,7% no primeiro deste ano. Por fim, as exportações líquidas registraram contribuição positiva para o resultado do primeiro trimestre, seja na comparação com ajuste sazonal, seja em termos interanuais, refletindo um crescimento da absorção doméstica abaixo do registrado pelo PIB.

220530_cc_55_nota_21_consumo_aparente_grafico_01

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Panorama da economia mundial

Por Estêvão Kopschitz Xavier Bastos

Os prognósticos de crescimento e inflação para a economia global têm piorado devido à guerra na Ucrânia, cujos efeitos se sobrepuseram aos da pandemia, dos quais os países vinham se recuperando. O aumento e a persistência da inflação têm levado ao aperto da política monetária em diversos países. A escassez de oferta de alguns produtos devida à guerra adiciona pressão inflacionária. Destacam-se os mercados de commodities, que tiveram seus preços ainda mais elevados. Na China, a política de “Covid zero”, baseada em rigorosos lockdowns, provocou quedas muito fortes nos indicadores de atividade econômica em abril. Em maio, alguns indicadores mostram recuperação. Nos Estados Unidos, a economia tem estado bastante aquecida, de acordo com diversos indicadores, com destaque para os do mercado de trabalho.

220530_cc_55_nota_21_consumo_aparente_grafico_01

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O Teletrabalho Potencial no Brasil Revisitado: uma visão espacial

Por Geraldo Sandoval Góes, Felipe dos Santos Martins e Vinícius de Oliveira Alves

A presente Nota de Conjuntura objetiva continuar os esforços de acompanhamento das transformações no mercado de trabalho brasileiro, notadamente a partir da Covid 19 e, assim, tem como objetivos realizar: i) a estimativa do teletrabalho potencial para os recortes urbano e rural no Brasil; ii) estimar o potencial de home office para as regiões metropolitanas brasileiras; e iii) a atualização/refinamento do trabalho de Góes, Martins e Nascimento (2020), no tocante aos dados de 2021, para as características individuais e massa de rendimentos. Dessa maneira, os dados da PNAD Contínua para o primeiro trimestre de 2021 indicam que, que, no Brasil, 20,4 milhões de pessoas encontram-se em ocupações com potencial de serem realizadas de forma remota, o que representa 24,1% do total de ocupados do período, um aumento de 1,4 pontos percentuais em relação ao resultado para período um ano antes. Percebe-se ainda que o rendimento das pessoas em ocupações com potencial de serem realizadas de forma remota corresponde a cerca de 40% da massa de rendimentos total.

Quanto a distribuição urbano e rural, as estimativas apontam, como esperado, o predomínio, do teletrabalho potencial na zona urbana. Não obstante, a área rural conta com mais de 650 mil pessoas com potencial de home office, o que corresponde a 6,4% do total de ocupados nessa área. No tocante as regiões metropolitanas, quase metade do teletrabalho potencial do Brasil é realizado nesses espaços. Pode-se destacar a RM de Florianópolis, na qual 40,4% das pessoas ocupadas podem estar nesse regime laboral, embora no estado de Santa Catarina encontre-se a menor participação metropolitana no contingente potencial de home office.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Comércio exterior do agronegócio: abril de 2022

Por Ana Cecília Kreter, Rafael Pastre, Fabio Servo e José Ronaldo de C. Souza Jr.

O agronegócio exportou US$ 14,9 bilhões em abril, o que contribuiu para um superávit de US$ 13,6 bilhões no saldo da balança comercial do setor, crescimento de 15,2% diante de abril de 2021. Em contrapartida, os demais bens – todos os produtos comercializados, exceto os produtos do agronegócio – fecharam abril com déficit de US$ 5,5 bilhões, US$ 3,7 bilhões a mais que no mesmo período do ano anterior. Ainda assim, o resultado total da balança comercial, que considera os produtos de todos os setores, encerrou abril com superávit de US$ 8,1 bilhões. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve um crescimento em valor exportado de 14,9%. Este resultado segue uma tendência de alta observada desde fevereiro de 2021, que teve seu pico nos primeiros meses deste ano – período de entressafra e típico de baixas importações para o Brasil.

O resultado da balança comercial do agronegócio no acumulado do ano (de janeiro a abril) foi bastante expressivo, com superávit de US$ 43,7 bilhões, com as exportações apresentando alta de 34,9% e as importações registrando estabilidade, diante de igual período de 2021. Com esse resultado, o agronegócio foi um dos setores que mais contribuíram para o crescimento de 24,1% no total das exportações nestes primeiros meses do ano. O saldo da balança comercial total, que é a soma de todos os setores da economia, apresentou superávit de US$ 20,2 bilhões, diante dos US$ 18,1 bilhões em 2021, crescimento de 11,8% até agora.

220516_cc_55_nota_18_ifr_maio_22_graficos_01_e_02

220516_cc_55_nota_18_ifr_maio_22_tabela_01

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Finanças públicas das Unidades da Federação no primeiro bimestre e perspectivas para 2022

Por Mônica Mora

A análise das finanças estaduais sugere que, no primeiro bimestre de 2022, manteve-se o processo de melhoria da situação fiscal no agregado, o que se observa também quando se analisa individualmente a grande maioria das Unidades da Federação (UFs). Esse diagnóstico fundamenta-se na geração de crescentes superávits primários e na queda do serviço da dívida, que resultaram em necessidades de financiamento nominais negativas e substantivas em 2021.

No primeiro bimestre de 2022, constata-se uma tendência de aumento de gastos com pessoal e de elevação do dispêndio com investimentos. Reajustes foram concedidos na grande maioria das UFs, em geral ao menos repondo a inflação de 2021. Nota-se, contudo, que o superávit primário se mantém expressivo, ainda que tenha se reduzido marginalmente (o que se deveu, em grande medida, ao aumento dos gastos com investimento).

A tendência ao aumento do investimento, esperado inclusive por 2022 ser um ano eleitoral, e os reajustes dos salários do funcionalismo costumam reduzir o superávit primário e o nominal dos governos estaduais. Entretanto, ao menos em parte, o crescimento real do gasto com pessoal deverá ser consumido pela inflação, estimada pelo Relatório Focus em 7,89%.

Acesse o texto completo

Reajustes no funcionalismo estadual (xlsx)



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desempenho recente do mercado de crédito

Por Francisco E. de Luna A. Santos

Os saldos para PF e recursos livres mostram crescimento próximo de 10% em termos reais nos últimos doze meses, e estagnação dos segmentos de pessoa jurídica (PJ) e da categoria recursos direcionados. Em contrapartida, olhando as novas concessões, observamos queda maior no segmento de PF, em especial as concessões para crédito consignado total e no crédito pessoal total.

A análise dos últimos dados mostra que não houve aumento relevante no comprometimento de renda e nas taxas de juros, ainda que ambos permaneçam em níveis altos, e discreto aumento na inadimplência para pessoas físicas (PFs).

Tais observações não alteram a análise prospectiva do mercado de crédito para 2022, em que esperamos um crescimento limitado no ano com oscilações em alguns períodos. No entanto, medidas regulatórias em curso, relacionadas ao fortalecimento das garantias e à securitização, fornecem suporte importante para o crescimento estrutural e sustentável do mercado de crédito.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------