Apresentação

Apresentação

Radar nº 60 - Agosto de 2019

A edição no 60 do boletim Radar: tecnologia, produção e comércio exterior inaugura uma nova linha editorial. De agora em diante, incumbe ao editor a confecção dos textos aqui publicados, que adotam o formato de resenha, com anuência técnica e textual dos autores dos livros e textos para discussão (TDs) originais. O objetivo dessa metodologia é preservar a mensagem original dos autores, porém com uma uniformidade de estilo textual conferida pelo editor.

Nas edições passadas, os próprios autores dos livros ou TDs eram responsáveis pela elaboração das versões compactas publicadas no boletim. Cabia ao editor a curadoria dos estudos divulgados pelo Radar, além de sugestões de edição de texto e estilo.

Outra modificação promovida pela nova linha editorial foi a redução dos textos e a inserção obrigatória das implicações no contexto das políticas públicas dos achados das pesquisas originais. Essas modificações pretendem tornar o Radar uma leitura frequente de quem busca informações técnicas baseadas em evidência, a fim de entender ou apoiar ações objetivas do Estado brasileiro.

Constam, nesta edição, um artigo que sintetiza o Caderno Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) 7 – sobre energias renováveis –, e outros três trabalhos circunscritos ao mundo da ciência, tecnologia e inovação. Um deles trata das opções estratégicas do uso da base de lançamento de Alcântara; outro, do uso das compras públicas como instrumento de apoio à inovação; e o último é uma resenha do livro Novos Caminhos para a Inovação no Brasil.

No primeiro artigo, A Agenda 2030 das Nações Unidas e as energias renováveis no Brasil, é apresentado o trabalho do pesquisador José Mauro de Morais, que elaborou o relatório de acompanhamento do ODS 7, com o objetivo de apresentar uma análise inicial sobre a utilização de energias limpas no Brasil e verificar se o sistema de fornecimento de energia oferece serviços a preços acessíveis aos consumidores. O autor também avaliou se o país vem desenvolvendo políticas públicas que estimulem a utilização mais intensiva de energias renováveis e se estas são coerentes com a implementação das metas acordadas no âmbito da Agenda 2030.

O artigo O Centro de Lançamento de Alcântara e as possibilidades de ganhos comerciais e estratégicos para o Brasil apresenta a necessidade estratégica de se viabilizar o uso comercial do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), acompanhando-se a tendência internacional da indústria aeroespacial e proporcionando-se maior inserção do Brasil no mercado global de lançamentos de foguetes e satélites. Por essa via, Israel Andrade, Rogério Cruz, Giovanni Hillebrand e Matheus Soares argumentam, em sua pesquisa, que seria possível impulsionar o desenvolvimento do setor espacial brasileiro, gerar novas divisas para o país e promover o desenvolvimento na região de Alcântara, estado do Maranhão.

Em Possibilidades de uso das compras públicas para alavancar a inovação entre empresas fornecedoras, é descrito o trabalho de André Rauen e Bianca de Paiva, que, por meio de técnica estatística de quase-experimento, argumentam que a demanda do setor público, apesar de ser relevante para a geração de emprego e renda, não proporciona impacto sobre o esforço tecnológico das firmas fornecedoras – esforço esse medido pelo quantitativo de pessoal ocupado em áreas científicas e tecnológicas no âmbito empresarial. Seus achados indicam que a revisão dos marcos legais de compras públicas no Brasil precisa levar em conta de que maneira um orçamento anual na casa das dezenas de bilhões de reais pode incentivar o setor privado a produzir mais inovação.

Finalmente, esta edição traz uma resenha do livro Novos Caminhos para a Inovação no Brasil, da autoria de Fernanda De Negri. No livro, em quase 150 páginas, a autora desenvolve a tese de que a ciência, a tecnologia e principalmente a inovação são o fruto da conjugação de três fatores: pesquisadores, infraestrutura de pesquisa e ambiente no qual pesquisadores e infraestrutura se fundem para produzir conhecimento. Após apresentar um quadro geral que transmite a ideia de que o Brasil combina avanços e retrocessos nessas três áreas, a pesquisadora elenca diversas propostas de revisão legal e de políticas públicas para a inovação no Brasil.

   
icon pdf Acesse o artigo completo em PDF