Brasília, 18/10/2019 - 21:13
Logo Ipea
 
Trabalho PDF Imprimir
09/12/2009 13:27

TRABALHO

Os dados da tabela 12 revelam indicadores de intermediação de mão de obra de 2008, tomando-se as informações divulgadas pelo Sistema Nacional de Emprego (Sine). As informações estão organizadas por grandes regiões e, nessas, por unidades da Federação e por alguns municípios selecionados. As variáveis escolhidas são o número de inscritos no sistema, o número de vagas disponíveis, o número de cidadãos encaminhados e os de fato colocados.

O número de inscritos registra todos os cidadãos que se cadastraram em um posto de atendimento em busca de uma vaga no mercado de trabalho durante o ano em questão (2008). Os encaminhados referem-se aos cidadãos que foram encaminhados à seleção de uma vaga no mercado de trabalho, enquanto os colocados revelam os que de fato passaram a ocupar uma vaga no mercado de trabalho na região/estado/município em questão.

Os dados mostram uma elevada proporção de encaminhados em relação aos inscritos em praticamente todas as regiões em tela. Existe uma relação semelhante, em todas as regiões, em termos de colocados em relação aos inscritos, exceto no caso da região Sudeste, que é justamente a que concentra o maior número de inscritos.

O indicador que revela a eficiência do sistema de intermediação é a relação entre colocados e encaminhados. Este indicador mostra uma significativa diferenciação regional, com maiores valores nas regiões Norte e Nordeste, seguido da região Sul. Por unidades da Federação, destacam-se os bons resultados obtidos, em 2008, no Pará e em Rondônia, na região Norte; em Alagoas – o mais alto valor deste indicador –, Piauí e Paraíba, na região Nordeste; e no Rio Grande do Sul, na região Sul.

Em muitos casos, porém, a relação elevada pode indicar pequeno número de encaminhamentos. Portanto, é importante também destacar os valores absolutos das colocações, e, neste caso, destacam-se os casos dos Sines dos estados de Ceará, Bahia, Minas Gerais, Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul e também o do município de São Paulo (SP).

Uma análise mais acurada da evolução recente destes indicadores revela-se um instrumento importante de avaliação dos mecanismos institucionais de intermediação da mão de obra. Tal instrumento sempre teve um papel importante desde os tempos de elevado desemprego, mas ainda terá um papel estratégico a desempenhar no mercado de trabalho brasileiro para os próximos anos, quando esse deverá se caracterizar pela queda do desemprego, confirmando resultados recentes que têm sido verificados na medida em que a economia tem retomado seu dinamismo depois dos efeitos da desorganização do mercado financeiro internacional deflagrado pela crise do subprime dos Estados Unidos e posterior espalhamento para a chamada “economia real”.

Para os próximos anos, pode-se prever um crescimento sustentado da economia brasileira, ao mesmo tempo que uma modesta redução da taxa de crescimento da população em idade ativa, podendo-se prever uma manutenção da queda da taxa de desemprego, conforme tem acontecido nos últimos 18 meses.

Mas é por isso mesmo que os mecanismos de intermediação de mão de obra podem ter um papel importante a desempenhar, sendo necessário aprimorá-los e torná-los nacionalmente mais homogêneos em termos de capacidade de perscrutar vagas nos mercados de trabalho locais, bem como dotá-los de constante capacidade de encaminhar os trabalhadores para estas vagas, facilitando a sua absorção pelas empresas demandantes de mão de obra.

Na tabela 13, estão presentes informações sobre seguro-desemprego em 2009. Os dados foram divulgados pela pesquisa do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (CAGED), organizada e divulgada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Em primeiro lugar, chama atenção que, em quase todas as unidades da Federação, estão segurados pelo menos 85% dos dispensados sem justa causa.

Tomando-se a relação entre os trabalhadores dispensados sem justa causa e os trabalhadores desligados, percebe-se que a taxa situa-se em torno de 60% na maioria dos estados da Federação, sendo que em boa parte dos estados da região Nordeste o percentual é um pouco superior e nos estados da região Centro-Oeste um pouco inferior – exceto no Distrito Federal.

De todo modo, o que se percebe pelos dados do CAGED, referentes ao seguro-desemprego, é que o grau de cobertura dos desligados é alto e não guarda particularidades regionais, o que revela a consolidação deste sistema integrante do sistema brasileiro de seguridade social. 

MAPA 26

Quantidade de trabalhadores que possuem seguro-desemprego formal – 2009 

 

quantidadetrabalhadores

Fonte: MTE

 MAPA 27

Número de trabalhadores que foram dispensados sem justa causa, por UF – 2009

 

 

 mapa 15

Fonte:MTE

TABELA 12

 Intermediação de mão de obra – indicadores –, por regiões e UFs – 2008

Região/ UF

Inscritos

Vagas

Encaminhados

Colocados

Encaminhados/ inscritos (%)

Colocados/ Inscritos(%)

Vagas/       Inscritos (%)

Encaminhados/ Vagas

Colocados/ vagas (%)

Colocados/ Encaminhados

Norte

308.255

117.844

239.069

70.833

78

23

38

2

60

30

Rondônia

29.386

14.862

27.733

10.305

94

35

51

2

69

37

Acre

10.237

5.100

10.599

3.086

104

30

50

2

61

29

Amazonas

56.511

18.918

39.696

8.969

70

16

33

2

47

23

Roraima

6.576

2.418

8.532

1.678

130

26

37

4

69

20

Pará

107.511

34.726

54.818

25.656

51

24

32

2

74

47

Amapá

26.901

11.364

24.046

4.919

89

8

42

2

43

20

Tocantins

45.540

24.395

68.160

15.084

150

33

54

3

62

22

Nordeste

936.159

361.982

796.988

223.818

85

24

39

2

62

28

Maranhão

45.450

11.689

24.044

7.038

53

15

26

2

60

29

Piauí

31.528

12.753

22.635

8.993

72

29

40

2

71

40

Ceará

164.958

110.486

233.423

79.520

142

48

67

2

72

34

Rio Grande do Norte

52.770

14.711

39.033

6.432

74

12

28

3

44

16

Paraíba

34.683

11.178

18.902

7.554

54

22

32

2

68

40

Pernambuco

162.515

51.531

123.155

24.450

76

15

32

2

47

20

Alagoas

31.232

19.924

23.574

17.841

75

57

64

1

90

76

Sergipe

15.899

4.780

14.954

3.779

94

24

30

3

79

25

Bahia

291.546

97.306

229.416

54.046

79

19

33

2

56

24

Sudeste

3.129.952

1.242.568

3.131.320

414.758

100

13

40

3

33

13

Minas Gerais

464.113

162.484

433.936

96.404

93

21

35

3

59

22

Espírito Santo

61.011

28.759

51.494

12.861

84

21

47

2

45

25

Rio de Janeiro

956.153

142.155

283.269

54.100

30

6

15

2

38

19

São Paulo

1.138.235

491.610

1.290.541

129.724

113

11

43

3

26

10

Sul

1.155.047

575.406

1.079.272

264.698

93

23

50

2

46

25

Paraná

615.152

322.650

643.847

159.750

105

26

52

2

50

25

Santa Catarina

168.296

73.272

166.100

26.590

99

16

44

2

36

16

Rio Grande do Sul

291.922

146.167

193.187

71.015

66

24

50

1

49

37

Centro-Oeste

458.395

228.828

534.879

94.033

117

21

50

2

41

18

Mato Grosso do Sul

70.622

39.864

76.965

19.869

109

28

56

2

50

26

Mato Grosso

87.102

47.080

116.628

28.478

134

33

54

2

60

24

Goiás

187.841

110.643

257.624

31.524

137

17

59

2

28

12

Distrito Federal

88.692

20.091

55.097

11.449

62

13

23

3

57

21

 Fonte: MTE

Obs.: Inscrito = cidadão que se cadastrou em um posto de atendimento em busca de uma vaga no mercado de trabalho; encaminhado = cidadão que foi encaminhado a uma vaga no mercado de trabalho; e colocado = cidadão que foi colocado em uma vaga no mercado de trabalho.

 

TABELA 13

Indicadores de seguro-desemprego formal por regiões e UFs – Brasil, 2009

Região/UF

 Desligados (A) 

 Dispensa sem justa causa (B) 

 Segurados (C) 

 Dispensa sem justa causa/desligados (B/A) 

Norte

622.920

409.649

367.732

458

Rondônia

101.034

64.131

53.634

63

Acre

21.821

14.043

14.321

64

Amazonas

165.088

97.430

91.848

59

Roraima

12.403

7.886

8.845

64

Pará

247.590

175.092

149.506

71

Amapá

20.238

13.927

15.354

69

Tocantins

54.746

37.140

34.224

68

Nordeste

1.915.028

1.317.928

1.136.985

638

Maranhão

142.429

107.430

93.438

75

Piauí

66.763

50.515

44.855

76

Ceará

314.768

226.242

194.206

72

Rio Grande do Norte

146.830

102.967

87.002

70

Paraíba

95.848

71.321

65.569

74

Pernambuco

393.087

238.846

207.257

61

Alagoas

113.249

79.496

70.147

70

Sergipe

78.677

55.584

46.985

71

Bahia

563.377

385.527

327.526

68

Sudeste

8.289.534

5.026.513

3.854.889

247

Minas Gerais

1.899.592

1.192.395

905.994

63

Espírito Santo

351.573

220.367

162.626

63

Rio de Janeiro

1.264.732

792.326

585.932

63

São Paulo

4.773.637

2.821.425

2.200.337

59

Sul

3.051.942

1.611.916

1.282.858

157

Paraná

1.126.560

622.867

493.892

55

Santa Catarina

877.382

420.909

324.109

48

Rio Grande do Sul

1.048.000

568.140

464.857

54

Centro-Oeste

1.313.106

791.051

636.370

242

Mato Grosso do Sul

216.486

125.679

104.368

58

Mato Grosso

318.748

185.601

141.527

58

Goiás

509.371

302.802

255.573

59

Distrito Federal

268.501

176.969

134.902

66

Brasil

15.192.530,00

9.157.057,00

7.278.834,00

1.742,00

Fonte:MTE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

Última atualização em 22/05/2012 17:57
 

Novidades
NOVIDADES

Copyright 2009 Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada