Twitter
Youtube
facebook
Google +
Google +

 

tips and trick
topo td_antigos

TD 0536 - Tendência Evolutiva e Características da Pobreza no Rio de Janeiro

Sonia Rocha / Rio de Janeiro, dezembro de 1997

O objetivo deste artigo é o de situar a questão da pobreza no Rio de Janeiro no contexto nacional, apresentando os principais aspectos tanto da evolução de longo prazo, tendo como ponto de partida o ano de 1970, como sua caracterização mais recente. Três evidências básicas podem ser destacadas. A primeira é a de que, paralelamente à perda de importância econômica nacional do Rio de Janeiro, aumentou sua participação na pobreza nacional, de modo que no final do período o estado apresentava uma incidência de pobreza semelhante à média do país, com a proporção de pobres situando-se em 20% da população total. Cabe destacar, no entanto, que, em função da melhoria da renda após 1994, esta proporção é mais baixa do que a verificada em 1981 (25%), isto é, tendo como referência os anos de 1981 e 1995, não ocorreu empobrecimento do Rio de Janeiro per se. A segunda evidência é que, considerando a década de 80, o Rio de Janeiro apresentou os resultados mais adversos quanto à evolução da pobreza no contexto nacional, o que provavelmente se relaciona a características locais da estrutura produtiva e da qualidade dos postos de trabalho gerados: pequena participação da indústria no PIB (30% em 1994) e baixo rendimento médio do trabalho (R$ 447 em setembro de 1995 ou 2/3 do rendimento médio do trabalho na metrópole paulista). Finalmente, a terceira evidência concerne à redução da pobreza nos últimos três anos, quando o Rio de Janeiro se beneficiou particularmente da estabilização devido ao aumento relativo dos preços no setor de serviços, resultando em melhoria acentuada da renda dos mais pobres. A convergência da variação de preços relativos que se observa atualmente sinaliza que este processo se esgotou e que daqui para a frente a criação de empregos e o aumento de rendimentos, especialmente para a mão-de-obra de baixa qualificação que forma o contingente de pobres, voltam a depender da capacidade de realizar investimentos e do potencial de criação de emprego e de distribuição de renda deles decorrentes.

 

acesseAcesse o documento (69.41 Kb)           

 

Surplus Labor and Industrialization

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea