Twitter
Youtube
facebook
Google +
Google +

 

tips and trick
td-banner

TD 2339 - As Atualizações e a Persistência da Cultura do Estupro no Brasil

Cíntia Liara Engel, Rio de Janeiro, outubro de 2017 

Nos últimos anos, o termo cultura do estupro ganhou visibilidade a partir da ampla divulgação pela mídia de diferentes casos de abuso. Parece sempre urgente para mulheres formular argumentos/vídeos/textos que comuniquem por que e como é grave viver o tempo inteiro com o medo e o perigo de ser potencialmente violada. A perenidade dos abusos é conhecida, contudo, observa-se uma disputa de narrativas cada vez que um caso desses vem a público. A partir de fatos vividos e narrados, o texto articula argumentos e referências para discutir: i) pedagogias do desejo que se atualizam no sentido de produzir e reproduzir a cultura do estupro; ii) o que se passou a categorizar como crime de estupro; iii) de que forma a culpabilização de certas masculinidades desvia o debate sobre a amplitude da circulação da cultura do estupro; iv) as consequências subjetivas de sujeitos feitos objetos; e v) como o Estado brasileiro tem legislado e julgado casos de estupro. Finalmente, atenta-se para as articulações e os agenciamentos da cultura do estupro em atuais disputas político-ideológicas no Brasil.

Palavras-chave: estupro; gênero; cultura do estupro.

 

  acesseAcesse o sumário executivo  acesseAcesse o documento (2 MB)

 

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea