Twitter
Youtube
facebook
Google +
Google +

 

tips and trick

td-banner

TD 2269 - Avaliação Empírica da Projeção da Taxa de Poupança Agregada das Famílias Brasileiras com Dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares: decomposição de Neuman-Oaxaca no modelo de Heckman

Marcos Antonio Coutinho da Silveira e Ajax Reynaldo Bello Moreira , Rio de Janeiro, Janeiro de 2017

A Pesquisa de Orçamentos Familiares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (POF/IBGE) é a única fonte de dados microeconômicos sobre a poupança das famílias brasileiras. Como esta pesquisa tem sido realizada em intervalos de pelo menos cinco anos, é importante discutir e avaliar empiricamente se modelos estimados com dados defasados da pesquisa mais recente são capazes de produzir projeções confiáveis da taxa de poupança agregada corrente e futura das famílias brasileiras a partir de observações correntes de variáveis preditivas disponibilizadas por pesquisas de frequência anual.Modelos de projeção alternativos são estimados com variáveis preditivas sugeridas pela literatura sobre consumo e poupança. Um deles baseia-se no procedimento usado pelo IBGE para projetar a taxa de poupança agregada. Outro faz uso da estrutura não linear do modelo de Heckman para levar em conta o fato de que uma quantidade proporcionalmente elevada de famílias tem poupança nula. Como o trabalho está focado na taxa de poupança agregada, um aspecto metodológico importante é que os modelos precisam ser estimados ponderando as características de cada família por sua participação amostral na renda agregada.As decomposições de Blinder-Oaxaca e de Neuman-Oaxaca revelam que a diferença entre as taxas de poupança agregada estimadas com as versões da POF de 2002-2003 e de 2008-2009 foi explicada em maior extensão por mudanças nos coeficientes estimados dos modelos de projeção, restando um papel secundário para o efeito das mudanças nas médias amostrais das características preditivas. Este resultado compromete o uso de modelos estimados com dados da POF na projeção da taxa de poupança agregada das famílias brasileiras, uma vez que somente o segundo efeito é observado em anos sem disponibilidade de POF.

Palavras-chave: taxa de poupança agregada das famílias; decomposição de Blinder-Oaxaca; decomposição de Neuman-Oaxaca.

The Household Budget Survey from IBGE is the only source of microeconomic data on savings of Brazilian families. As this research has been carried out at intervals of at least five years, it is important to discuss and empirically assess whether the estimated models with latest lagged research data are able to produce reliable projections of aggregate current savings rate and future of Brazilian families from current observations of predictive variables that are available from annual frequency for researches.Alternative projection models are estimated with predictive variables suggested by the literature on consumption and savings. One is based on the procedure used by the IBGE to project the aggregate savings rate. Other uses of non-linear structure of Heckman model to take into account the fact that a proportionally high amount of families have zero savings. As the work is focused on the aggregate savings rate, an important methodological aspect is that the models need to be estimated with the weight of each family given by its sample participation on aggregate income.The decompositions of Blinder-Oaxaca and of Neuman-Oaxaca show that the difference between the saving rates estimated with the versions of the POF 2002-2003 and 2008-2009 has been explained in greater extent by changes in the estimated coefficients of the projection models, leaving a secondary role for the effect of changes in sample means of predictive characteristics. This result undermines the use of models estimated with POF data in the projection of aggregate savings rate of Brazilian households, since only the second effect is observed in years without availability of POF.

Keywords: aggregate household savings rate; Blinder-Oaxaca decomposition; Neuman-Oaxaca decomposition.

 

 acesseAcesse o sumário executivo  acesseAcesse o documento (1 MB)

 

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea