Twitter
Youtube
facebook
Google +
Google +

 

tips and trick
topo td

TD 2210 - Os Dilemas da Construção do Sujeito no Feminismo da Pós-Modernidade

Luana Simões Pinheiro , Rio de Janeiro, julho de 2016


Foi a partir da atuação do movimento feminista que as mulheres passaram a demandar – teórica e politicamente – seu reconhecimento como sujeitos políticos. Até a década de 1990, o feminismo direcionou seus esforços para a conquista de direitos sociais e políticos, seja o direito ao voto – demanda do início do século XX –, seja a luta por igualdade e direitos no mundo do trabalho, no campo da saúde, no acesso à educação e no enfrentamento da violência tanto no espaço público quanto no privado. Durante este período, o feminismo trabalhou um sujeito unitário – as mulheres. Ainda que se reconhecesse a diversidade dentro deste grupo, a ideia de que haveria muito mais similaridades a unir as mulheres do que diferenças a separá-las pautou o movimento. Já na década de 1970, começa-se a questionar esta suposta universalidade, na ideia de que este sujeito unitário dizia respeito a um grupo muito particular de mulheres. Nesta nova fase do feminismo, que ganhou força a partir dos anos 1990, este debate torna-se central e a fragmentação do sujeito “mulher” alcança tal complexidade que se começa a falar na existência de um feminismo sem mulheres. É o início do movimento de desconstrução de uma categoria universal que este texto procura apresentar, abarcando, em especial, a produção da década de 1990 e do início dos anos 2000.

Palavras-chave: feminismo; sujeito; mulheres; gênero.
 

acesseAcesse o sumário executivoacesseAcesse o documento (1 MB) 

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea