Twitter
Youtube
facebook
Google +
Google +

 

tips and trick
topo td

TD 2197 - Um Estudo sobre o Endividamento Público no Brasil e Implicações

Mário Jorge Mendonça, Tito Belchior Moreira, Luis Alberto Medrano e George Henrique Cunha / Rio de Janeiro, maio de 2016


Este estudo tem como objetivo revisitar o problema da sustentabilidade do endividamento público no Brasil, investigando a evolução da dívida bruta do setor público (DBSP), a relação entre os seus passivos e haveres, a implicação futura da dívida bruta sobre a dívida líquida, além de fazer previsão sobre a dívida bruta do governo geral (DBGG) para os próximos dois anos. Mostramos que o exame pontual do conceito de dívida líquida (dívida bruta menos ativos do setor público) pode encobrir questões importantes acerca do endividamento.Coube indagar se é possível ter alguma ideia acerca do comportamento futuro da dívida líquida com base na performance presente da dívida bruta. Nesse contexto, realizamos um teste de causalidade de Granger entre a dívida líquida do governo geral (DLGG) e a DBGG. Os resultados empíricos mostram que a DBGG causa no sentido de Granger a DLGG.Com base no modelo fatorial dinâmico (MFD) foi feita previsão da razão DBSP/produto interno bruto (PIB) e seus componentes para o horizonte de 24 meses. Os resultados mostram que a previsão é de subida forte para a dívida externa e das operações compromissadas. Em agosto de 2016, a previsão é que elas alcancem os valores, respectivamente, de 10% e 17% do PIB. Os resultados empíricos também mostram a previsão da dívida líquida do setor público (DLSP). Vimos que essa variável chega a 44% do PIB em agosto de 2016. Observa-se ainda a previsão para o PIB acumulado que apresenta queda forte na atividade econômica. Entre setembro de 2015 a agosto de 2016, a previsão é de retração de 3,5%.Por fim, testamos qual o efeito do endividamento sobre o crescimento da economia. Os resultados empíricos mostram que as variações da DBGG e da DLGG como proporção do PIB têm efeito negativo sobre a taxa de crescimento do PIB no período analisado e que, a partir da crise do subprime em 2009, esse efeito negativo se intensificou.

Palavras-chave: dívida bruta; dívida líquida; crescimento econômico; causalidade de Granger; modelo fatorial dinâmico.

This study aims to revisit the issue of the sustainability of public indebtedness in Brazil, investigating the evolution of gross debt of public sector, the relationship between its liabilities and assets of the public sector, the future implications of gross debt to net debt and to make forecast of the gross debt of the general government for the next two years. We show that the examination of the concept of net debt (gross debt less public sector assets) can cover up important questions about the public indebtedness.We ask if one can have some idea about the future behavior of net debt based on the present performance of gross debt. In this context, we conducted a Granger causality test between the net (DLGG) and gross debt (DBGG) of the general government. Empirical results show that DBGG Granger cause DLGG.We apply the Dynamic Factorial Model (MFD) to make forecast on the gross debt of public sector and its major components. The results display a strong rise in foreign debt and repurchase agreements. In August 2016 they reach, respectively, 10% and 17% of GDP. The results also show the forecast of the net debt (DLSP). It is shown that DLSP reaches 44% of GDP in August 2016. The GDP also shows sharp drop in economic activity. From September 2015 to August 2016 this variable decreases around 3.5%. Finally, we check the effect the indebtedness on economic growth. The empirical results show that the rise of both the gross and the net debt as a proportion of GDP has a negative effect on the growth rate of the GDP.

Keywords: gross and net indebtedness; economic grow; Granger causality test; dynamic factorial model.

     

acesseAcesse o sumário executivoacesseAcesse o documento (1 MB) 

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea