Twitter
Youtube
facebook
Google +
Google +

 

tips and trick
24/03/2016 11:14

Publicação analisa desafios e perspectivas do etanol no Brasil


Produção do combustível no país gera em torno de 1 milhão de empregos e responde por 16% da oferta total de energia no país


Em 40 anos, o etanol passou por uma expansão expressiva no Brasil. Responsável por cerca de 1 milhão de empregos, a produção desse combustível desenvolve e incorpora novas tecnologias – como os carros bicombustíveis e a geração de energia elétrica. E é desse panorama da agroindústria da cana-de-açúcar no Brasil que trata a publicação Quarenta anos de etanol em larga escala no Brasil: desa­fios, crises e perspectivas. Organizado pelo técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea Gesmar Rosa dos Santos, o livro conta com 10 capítulos.

A interlocução com as políticas públicas implementadas desde 1975 norteia a publicação, que tem como ponto de partida o Programa Nacional do Álcool (Proálcool), criado naquele ano, passando pela década de 1990 – em que houve um período de expansão do etanol no Brasil –, até os dias atuais, quando o etanol é responsável por 16% da oferta total de energia no país e se equipara à energia hidrelétrica em relação à oferta primária de energia.

A agroindústria da cana-de-açúcar adaptou-se aos diversos fatores existentes no Brasil, como mudanças e crises na economia, exigências de maior proteção da vegetação natural, da água e do solo. Essa conjuntura possibilitou a diversificação da produção e viabilizou novas tecnologias. A análise desse período foi feita dividindo-se a obra em duas partes: a primeira, histórica e descritiva do perfil da expansão do etanol no país; e, a segunda, sobre a dinâmica produtiva da cana e do etanol.

Na primeira parte do livro, composta pelos quatro primeiros capítulos, destacam-se a análise da trajetória da agroindústria canavieira, além de sua situação atual e seus indicadores econômico-financeiros, além dos desafios para a sua expansão. O primeiro capítulo, A agroindústria canavieira e a produção e etanol no Brasil: características, potenciais e perfil da crise atual, faz uma abordagem dos desafios produtivos e de seus indicadores mais ressaltados, tendo o etanol hidratado como foco. Dentre as características que apontam os maiores desafios do setor, há as variações do clima, endividamento das indústrias acima da sua receita anual, atrasos na adoção de tecnologias e o comportamento de euforia com o surgimento do carro flex e crédito barato, no início da década passada.

Já a segunda parte da obra, composta pelos seis capítulos seguintes, inicia-se com o artigo de autoria de Marli Dias Mascarenhas Oliveira e Katia Nachiluk, em que são abordados aspectos fundamentais da produção e sua associação com políticas públicas. Em seguida, o capítulo 6, Produtividade na agroindústria canavieira: um olhar a partir da etapa agrícola, discute as diferenças de produtividade no cultivo da cana no Brasil, utilizando dados das safras de 1990 a 2013 e índices de rendimento agroindustrial.

Destaque ainda para o último capítulo dessa parte, escrito por Gesmar Rosa dos Santos e Magda Eva S. de Faria Wehrmann, que debate o financiamento público à pesquisa e inovação na atividade sucroenergética – setor que produz açúcar e álcool. Por fim, são apontadas sugestões de diretrizes de políticas públicas para o etanol, levando-se em consideração o contexto do desenvolvimento da cadeia produtiva da cana no Brasil.


Acesse o livro “Quarenta anos de etanol em larga escala no Brasil”

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea