Twitter
Youtube
facebook
Google +
Google +

 

tips and trick
topo td

TD 2170 - A Estabilidade da Desigualdade no Brasil entre 2006 e 2012: resultados adicionais

Marcelo Medeiros e Pedro H. G. F. Souza/ Rio de Janeiro, fevereiro de 2016

 

Este trabalho avalia em que medida a tendência da desigualdade na distribuição de rendimentos totais entre os adultos no Brasil de 2006 a 2012 é afetada por medidas de desigualdade utilizadas; fontes de dados; definição de estratos e variáveis de ordenamento nas tabulações dos dados tributários; subestimação da base; e metodologia de correção da subestimação do topo nas pesquisas amostrais. Conclui-se que a hipótese de estabilidade da desigualdade no Brasil encontra respaldo em evidências empíricas. Diferentes tabulações de dados do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) e distintos métodos de estimação da desigualdade levam a resultados convergentes: nível mais alto que o medido nas pesquisas domiciliares; estabilidade; e grande importância dos ricos para explicar o comportamento da desigualdade entre 2006 e 2012.

Palavras-chave: desigualdade de renda; imposto de renda.

We examine how inequality measures, data sources, income brackets, ranking variables of tabulated tax data, underestimation of incomes in the bottom of the distribution and the methodology used to correct inequality affects the trends of inequality in total income among adults in Brazil between 2006 and 2012. The existing evidence corroborates the hypothesis that inequality has remained stable. Different data and methods lead to converging results: level higher than that measured using household surveys, stability and large importance of the rich to explain inequality trends between 2006 and 2012.

Keywords: income inequality; income tax.

 

   

acesseAcesse o sumário executivoacesseAcesse o documento (480 KB) 

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea