Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
19/07/2013 11:10

Educação é prioridade para 85,2% dos jovens brasileiros

Trabalho e transporte de qualidade também fazem parte da lista de preocupações da juventude

A maior preocupação dos jovens é a qualidade da educação. Os adultos, no entanto, colocam a saúde em primeiro lugar. Essa é uma das conclusões do estudo Juventude que conta, apresentado durante coletiva de imprensa no auditório do Ipea, no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira, 22. Na sondagem, foram ouvidas 11.430 pessoas, durante o mês de maio, antes das manifestações populares que tomaram as ruas do país.

85,2% dos jovens dão mais importância à educação, resultado 4,75 pontos percentuais superior ao registrado entre os não jovens. Eliminação do preconceito, melhores oportunidades de trabalho e melhoria nos transportes são outras preocupações assinaladas pelos entrevistados, com idades entre 15 e 29 anos. Para 63,5% dos jovens, ter um governo honesto e atuante também é uma das prioridades. O trabalho, realizado nos moldes do questionário My World, da Organização das Nações Unidas (ONU), foi divulgado pelo presidente do Instituto e ministro-chefe interino da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), Marcelo Neri, e pelo subsecretário de Ações Estratégicas, Ricardo Paes de Barros, às vésperas da Jornada Mundial da Juventude.

Neri e Paes de Barros apontaram as características gerais comparativas do crescimento e tendências da população jovem no Brasil e no mundo, presentes na publicação Juventude levada em conta, produzida pela Secretaria de Assuntos Estratégicos. “Hoje, são 51 milhões de jovens no Brasil, representando 26% da população total”, afirmou Neri. Mas, segundo ele, a tendência é que a população jovem brasileira apresente uma queda mais acentuada em relação ao resto da América Latina, porém, menos intensa se a comparação for feita com a China.

De acordo com o presidente do Ipea, essa população pode ser dividida em três grupos: o jovem-adolescente (15 a 17 anos), representando 20% do total, com 10 milhões de pessoas; o jovem-jovem (18 a 24 anos), 45% do total e 23,1 milhões; e o jovem-adulto (25 a 29 anos), 35% dos jovens, totalizando 17,5 milhões.

O estudo informa que o número de jovens permanecerá estagnado por 20 anos, de 2003 a 2022, com pouco mais de 50 milhões de pessoas. Esse período é denominado por Paes de Barros como o “platô da juventude” e será sucedido por um período de contração da população, com redução de 12,5 milhões entre 2023 e 2042.

“Ao final desse século, a juventude será 60% da que temos hoje”, afirmou Paes de Barros em sua apresentação. “Hoje temos a maior juventude da história, foi a maior pré-juventude e será a maior força de trabalho relativa e absoluta, mas não será a maior população idosa”, enfatizou. Para o subsecretário da SAE, a maior população idosa será composta pelos filhos destes jovens, por causa da redução na taxa de mortalidade.


Leia a publicação "Juventude Levada em Conta"

Acesse o artigo "Juventude que conta", escrito pelo presidente do Ipea, Marcelo Neri

Vídeo: entrevista com Marcelo Neri e Ricardo Paes de Barros

Vídeo: assista à coletiva de imprensa

Veja os gráficos da apresentação do presidente do Ipea, Marcelo Neri

Veja os gráficos da apresentação do subsecretário de Ações Estratégicas da SAE, Ricardo Paes de Barros

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea