Twitter
Youtube
facebook
Google +
Google +

 

tips and trick
24/09/2012 09:40

O Estado de S. Paulo - Médicos pedem rigor nas blitzes da Lei Seca

Ortopedistas alertam para risco de dirigir e beber e apontam custo dos acidentes de trânsito

Por PABLO PEREIRA, repórter

É preciso aumentar a fiscalização de motoristas que bebem antes de dirigir e apertar a punição dos infratores que cometem crimes ao volante. A opinião é do médico Edilson Forlin, coordenador de Ações Institucionais da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), que lança em São Paulo, amanhã, Dia Nacional do Trânsito, a campanha Álcool e Direção, uma mistura que não combina.

"O álcool é um dos principais causadores de acidentes no País", diz o especialista. Segundo dados do Ministério da Saúde, divulgados pela SBOT, metade das mortes em acidentes está relacionada ao uso do álcool. "É preciso fiscalizar e punir os infratores com rigor", afirma Forlin.

Segundo o médico, os acidentes de trânsito consomem cerca de 2% do PIB. Ele recorre a dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que mostram despesa com acidentes urbanos e nas estradas no País em R$ 33 bilhões por ano (2003 e 2006). Considerando o atual PIB brasileiro, o custo com acidentes equivale a R$ 80 bilhões.

O ortopedista lembra que uma internação para tratamento de ferido grave em acidente custava, em média, R$ 92 mil, segundo estudo do Hospital das Clínicas, em 2003. Forlin diz que o estudo acompanhou 548 pacientes por seis meses na capital. "Esse estudo do HC-USP mostra ainda que um paciente com danos moderados pode ter custo médio de R$ 14,9 mil", conta.

Forlin lembra que a redução dos acidentes ajudaria a liberar leitos hospitalares para tratamentos de outras enfermidades. Em 2007, para cada morto em acidente havia dez feridos graves. Segundo o especialista, as pessoas não dão importância a acidentes que não tenham registrado mortes. "Mas esses feridos que vão impactar fortemente o sistema de saúde", argumenta.

A campanha explica que o álcool é depressor do sistema nervoso central e que o consumo de uma lata de cerveja ou de uma taça de vinho é suficiente para um motorista ser multado. "Dirigir depois de ingerir duas ou três doses já é crime", afirma a SBOT.

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea