Missão: “Aprimorar as políticas públicas essenciais ao desenvolvimento brasileiro por meio da produção e disseminação de conhecimentos e da assessoria ao Estado nas suas decisões estratégicas”.
IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Twitter
Youtube
facebook
Google +

 

tips and trick
24/05/2012 17:47

Mulheres dedicam muito mais tempo ao trabalho doméstico

Na comparação com os homens, elas despendem mais que o dobro de horas semanais em afazeres do lar, revela estudo

Cerca de 50% dos homens realizam afazeres domésticos, ao passo que entre as mulheres esse percentual fica em torno de 90%. Essa é uma das conclusões do Comunicado do Ipea nº 149 – Trabalho para o mercado e trabalho para casa: persistentes desigualdades de gênero, lançado nesta quarta-feira, 23, na sede do Instituto, em Brasília. O conceito de trabalho normalmente desconsidera o trabalho doméstico não remunerado. O estudo evidencia a importância dessa atividade, tanto do tempo que se gasta com ele como de sua relevância para a reprodução da vida social e econômica. Mas não há consideração de seus resultados nas contas nacionais, nem na economia de forma geral. A proporção de pessoas que realizam afazeres domésticos, por gênero, de 1995 a 2009, período abarcado pela pesquisa, tende à estabilidade.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2009, base de dados utilizada para o Comunicado, aponta que as mulheres despendem em média 26,6 horas semanais realizando afazeres domésticos, enquanto o público masculino dedica 10,5 horas. Segundo a técnica de Planejamento e Pesquisa do Ipea que apresentou o Comunicado, Natália Fontoura, apesar de os homens que se encontram fora do mercado de trabalho gastarem mais tempo com o trabalho doméstico não remunerado do que os ocupados, as mulheres que têm atividades econômicas dedicam mais tempo (22 horas) que os homens desocupados (12,7 horas). Também participaram da coletiva de lançamento a técnica de Planejamento e Pesquisa Luana Pinheiro e o assessor técnico da Presidência do Ipea Murilo Pires.

Filhos
Quanto mais filhos na família, maior o tempo gasto pela mulher com os afazeres domésticos. Já com os homens, quase não há influência. Observa-se no caso deles, inclusive, uma leve redução do tempo dedicado a essas funções: quando o homem não tem filho ele dedica em média 11,7 horas semanais ao trabalho e, quando tem, essa quantidade cai para pouco mais de 10 horas, ou seja, os homens que “não têm filhos dedicam ainda mais tempo aos afazeres, o que evidencia que o cuidado com os filhos é quase que exclusivo das mulheres”, pontuou Natália.

Trabalho infantil
Os dados mostram que 24% das meninas de 5 a 9 anos de idade dedicam em média seis horas semanais ao trabalho doméstico da própria casa, enquanto 14,6% dos meninos dedicam cinco horas semanais. “A socialização que delimita essas diferenças de gênero no trabalho começam desde muito cedo, como evidencia da pesquisa”, afirmou a pesquisadora.

Jornadas de trabalho
A jornada média de trabalho na ocupação principal dos homens é cerca de sete horas maior que das mulheres. Mesmo assim, a carga global de trabalho para as mulheres é maior: 57 horas por semana, sendo 53 para os homens, somando-se as duas jornadas, do trabalho para o mercado e do trabalho de reprodução social. “Isso é um reflexo da dedicação feminina aos afazeres domésticos. Ainda há muito a se caminhar, pois a divisão sexual do trabalho se constitui em uma característica de muito difícil enfrentamento e transposição”, acrescentou Natália.

“Cabe também ao Estado atuar nessa desigual responsabilização pelo trabalho doméstico, elaborando e executando políticas sociais que passem a incentivar a atuação das mulheres no mercado e forneçam apoio a elas em suas responsabilidades em casa, como transporte escolar gratuito, período escolar integral, e outros. Essa diferença afronta a democracia e os direitos iguais para toda a sociedade, que são garantidos pela Constituição”, concluiu a técnica de Planejamento e Pesquisa.

Acesse a íntegra do Comunicado nº 149 - Trabalho para o mercado e trabalho para casa: persistentes desigualdades de gênero

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea