Boletim analisa o cenário político brasileiro
Português
Ipea ao Vivo
Ipea Digital
Twitter
Blogs
Youtube
facebook
Flickr
Google +
noticias
Imprimir
08/12/2011 11:28

Boletim analisa o cenário político brasileiro
Lançado nesta sexta-feira, 9, o Boletim de Análise Político-Institucional é a nova publicação semestral da Diest

A Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia (Diest) do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) lançou oficialmente nesta sexta-feira, 9, a primeira edição do Boletim de Análise Político-Institucional. O novo periódico tem o objetivo de divulgar os trabalhos da Diest para os públicos interno e externo, além de fomentar o debate sobre a política institucional do desenvolvimento, afirmou o diretor Alexandre Gomide, que abriu o evento.

A técnica de Planejamento e Pesquisa Luseni de Aquino, que integra o Comitê Editorial da Diest, fez a apresentação da publicação ao lado do diretor-adjunto, Antonio Lassance. Ela ressaltou que o boletim é resultado do trabalho de quase um ano, período em que foram discutidas várias possibilidades para o produto, que é destinado para a mídia, gestores públicos, acadêmicos e qualquer pessoa interessada.

Objetivos e formato
“Um objetivo é termos um veículo que registre o acompanhamento da Diest sobre o debate do desenvolvimento público. Outro é apresentar os resultados de estudos e análises produzidos pela diretoria, de forma mais rápida, antecipando ou reforçando publicações mais extensas, de forma qualificada, porém mais palatável ao público que vai além dos pesquisadores”, definiu Luseni.

O boletim conta com um comentário sobre o panorama da conjuntura próxima - a Agenda Político-Institucional; um espaço reservado para a opinião, que apresenta texto com visões mais particulares sobre temas do debate político; outro para reflexões sobre o desenvolvimento, com caráter mais ensaístico; além de notas sobre pesquisas em andamento.

Segundo Lassance, a proposta consensual é de que a publicação seja semestral. "Gastamos pelo menos um semestre para termos resultados parciais das nossas pesquisas", justificou. Ele ainda frisou que os períodos de recessos do Poder Legislativo são grandes oportunidades para fazer o balanço dos temas em tramitação, o que proporciona “maturação dos assuntos em voga”.

Na opinião do diretor-adjunto, “todo mundo faz análise política, é um exercício trivial”, mas ele adverte para a complexidade da tarefa. Nesse sentido, o Boletim constitui um panorama para aprofundar o debate de curto prazo, feito principalmente pela imprensa e grupos sem acesso a informações mais conjunturais. “O exercício é olhar menos os partidos e mais lançar um olhar adiante”, afirmou.

Previsões
Durante a apresentação do boletim, Antonio Lassance abordou alguns assuntos que constam, nesta primeira edição, da agenda político-institucional. Sobre a reforma política, ele pontuou que o sistema judiciário continua a ser o grande reformador do sistema político brasileiro. “É ruim que isso fique solitariamente com o Judiciário, e por conta desse processo de judicialização da política, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) alcança maior peso no cenário judicial”, avaliou.

A questão a divisão dos royalties do petróleo da camada pré-sal deve ser, na análise do diretor-adjunto, muito mais debatida. Mas ele adianta que entende que prefeituras e governos estaduais dos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo – os estados produtores - não têm estrutura institucional para gerir a quantidade imensa de recursos advindos da extração desse petróleo, o que facilita “o jogo predatório nesses espaços de gestão pública”.

Cenário governamental
Como é próprio de todo ciclo presidencial, o segundo ano de governo é o momento de se mostrar definitivamente os macroobjetivos do gestor, no caso, a presidenta Dilma Rousseff, acredita Lassance. Para que a conjuntura seja mais favorável, o adjunto explica que os partidos que compõem a base do governo federal precisam obter bons resultados nas eleições municipais de 2012.

É também no segundo ano de governo que ficam claros, segundo Lassance, os programas sociais e de infraestrutura que tiveram destaque, e aqueles que serão abandonados, incentivado, ou resgatado. Brasil Sem Miséria e Minha Casa Minha Vida terão, na prospecção dele, performances mais expressivas no decorrer do próximo ano.

Acesse o Boletim de Análise Político-Institucional

Comentários (2)

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea