Ipea
Missão: “Aprimorar as políticas públicas essenciais ao desenvolvimento brasileiro, por meio da produção e disseminação de conhecimentos e da assessoria ao Estado nas suas decisões estratégicas”.
IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Ipea ao Vivo
Twitter
Youtube
facebook
Flickr
Google +

Resultados 7021 - 7040 de 13089

Notícias/Presidência
Informação é do IEF, indicador do Ipea que reflete a expectativa das famílias brasileiras para a economia
03/11/2010 | 3197 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report | Leia mais
Clipping/Clipping
MSN:Maioria das famílias acredita que situação financeira está melhor do que há um ano A maioria das famílias brasileiras está mais satisfeita em relação à sua situação financeira, já que 77,3% delas acreditam que estão melhores em outubro deste ano do que no mesmo período do ano passado. O dado foi divulgado nesta quarta-feira (3) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e faz parte do IEF (Índice de Expectativas das Famílias). De acordo com os dados, apenas 18,6% sentem-se em pior situação atualmente que em relação a um ano atrás. Quando analisadas as regiões brasileiras, Centro-Oeste e Nordeste possuem a maior proporção de famílias que acreditam ter melhorado a condição financeira, com cerca de 81% e 79%, respectivamente. Em seguida, está a região Norte, com 77,3%, enquanto que nas regiões Sul e Sudeste a proporção de famílias otimistas é levemente inferior, ainda que permaneça na escalda do IEF, com proporções acima de 75%. Futuro Quando analisadas as projeções futuras, 80% das famílias creem que estarão em melhores condições financeiras daqui a um ano, enquanto somente 7% projetam expectativa de estarem pior. As famílias estão mais otimistas no Norte, onde quase 97% acreditam que estarão em melhor condição, resultado semelhante ao verificado no mês anterior. Em outubro, foi a região Sudeste que apresentou a menor proporção de famílias otimistas, de 74,1%.
03/11/2010 | 379 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Notícias/Dirur
No evento, foram apresentados valores dos imóveis e sua tributação
04/11/2010 | 3714 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report | Leia mais
Notícias/Dimac
Dados são da 11ª edição da Carta de Conjuntura do Ipea, apresentada nesta segunda-feira no Rio de Janeiro
19/10/2010 | 4501 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report | Leia mais
Notícias/Presidência
Presidente do Ipea, Marcio Pochmann, apresenta a 3° edição do Índice de Expectativas das Famílias
04/11/2010 | 2498 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report | Leia mais
Clipping/Clipping
ESTADÃO.COM (SP):População caiu em 17% das cidades paulistas Como o nº de habitantes cresceu 7,8%, dados indicam que houve migração interna FELIPE WERNECK e MÁRCIA VIEIRA Resultado preliminar do Censo 2010 mostra que 113 (17,5%) dos 645 municípios de São Paulo tiveram redução populacional nos últimos dez anos. Os dados indicam que houve migração interna, porque a população do Estado cresceu 7,8% no período, chegando a 39.924.091 este ano. O porcentual, porém, ficou abaixo da média nacional, de 9,3%. Na capital, que atingiu a marca de 10.659.386 de habitantes em 2010, o aumento foi de 2,15%. O município de Balbinos teve o maior crescimento populacional (199,4%) no período em São Paulo, passando de 1.313 pessoas no Censo de 2000 para 3.932 este ano. A maior queda (19%) ocorreu na cidade de Flora Rica, que tinha 2.177 habitantes há dez anos e agora tem 1.752. Para a pesquisadora Ana Amélia Camarano, coordenadora de População e Cidadania do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o desmembramento de municípios também pode ter influenciado, além da migração. "Essa migração ocorre por uma questão econômica, a busca por melhores oportunidades. Muitas vezes, as pessoas estão mudando de bairro." Estados. Dados nacionais mostram que, entre os Estados, o maior crescimento foi registrado no Amapá (35,9%), e o menor, no Rio Grande do Sul (3,8%). Os municípios das Regiões Norte e Centro-Oeste tiveram, em média, aumento populacional nos últimos dez anos maior que a média nacional, de 20% e 17%, respectivamente. Já no Sudeste (7,2%), Sul (7,6%) e Nordeste (8,6%), o crescimento ficou abaixo da média nacional (9,3%). No caso do Amazonas, apesar do aumento da população, 11 dos 63 municípios apresentaram redução do número de habitantes - em Fonte Boa, a queda chegou a 29%. Segundo cálculos da Confederação Nacional de Municípios, será o Estado mais prejudicado na distribuição do Fundo de Participação dos Municípios. A partilha ocorre por faixas de população, mas nem sempre essa queda é suficiente para fazer o município mudar de faixa. No Estado do Rio, dos 92 municípios, 16 apresentaram queda - o mais afetado, caso o número seja mantido, será Nova Iguaçu, que tinha população de 920.599 em 2000, e agora ficou com 767.505, redução de 16,6%. Tramita no Senado projeto de Tião Viana (PT-AC), governador eleito do Acre, que altera a forma de distribuição do fundo. Atualmente há um salto no valor recebido por cada município com o acréscimo ou redução de alguns poucos habitantes. Pelo projeto do senador, as mudanças de faixas seriam mais suaves. "Assim, alguns poucos habitantes a mais ou a menos pouco afetariam as cotas-parte do FPM", defende o texto. O projeto está na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. O relator é Marconi Perillo (PMDB), eleito governador de Goiás. Até o dia 29, quando deverá ser divulgado o resultado final da contagem, após a fase de contestações, o IBGE informou que terá equipes nas ruas e trabalhando na supervisão e controle do material coletado. Uma das atividades consiste no retorno aos domicílios onde o recenseador encontrou evidência de morador, mas ninguém foi recenseado.  
05/11/2010 | 473 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Clipping/Clipping
O GLOBO (RJ):Educação agrava a situação de pobreza no país Martha Beck, Cássia Almeida e Letícia Lins O mundo tem hoje 1,75 bilhão de pessoas que vivem na pobreza aguda, segundo o Relatório de Desenvolvimento Humano 2010. Com base num novo indicador — Índice de Pobreza Multidimensional (IPM) — o número inclui indivíduos que, além de não terem renda, não têm acesso a educação ou saúde ou a condições de vida decentes (como água, luz e saneamento). Essa população é bem superior àquela que vive com menos de US$ 1,25 por dia: 1,44 bilhão. No Brasil, 8,5% da população vivem em privação, sendo a mais crítica delas a educação. — O IPM é importante para mensurar o impacto que privações têm na qualidade de vida das pessoas. O percentual de uma população com renda baixa não dá toda a dimensão que a pobreza tem no desenvolvimento humano — afirmou o coordenador geral do relatório, Francisco Rodríguez. Para Rafael Osório, sociólogo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), considerando outros indicadores além da renda, era esperado um índice maior: — O número é até baixo considerando que na pobreza extrema o percentual é de 5,2%. Isso me surpreendeu. De acordo com o IPM, pode ser classificado como pobre qualquer indivíduo privado de pelo menos três de um total de dez indicadores considerados importantes para se ter qualidade de vida: nutrição, baixa mortalidade infantil, anos de escolaridade, crianças matriculadas em escolas, energia para cozinhar, toalete, água, eletricidade, moradia digna e renda. Quando se considera apenas a população que vive com menos de US$ 1,25 por dia no país, o percentual de pobreza é menor: 5,2%. Segundo o economista do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), Flávio Comim, o elemento que mais pesa no cálculo no Brasil é a educação. Na decomposição do IPM brasileiro, nota-se que 20,2% da população sofrem de privação nessa área. Na saúde, o indicador de pobreza aponta que 5,2% da população sofrem privação, enquanto a falta de um padrão de vida decente afeta 2,8% dos brasileiros. Dirceu Andrade, Josilene Ribeiro e os três filhos moram em um barraco em uma favela do bairro de Afogados, na periferia do Recife, onde sobrevivem com R$ 134 do Bolsa Família. Eles não tem água em casa, nem banheiro e o único eletrodoméstico é um ventilador que foi doado. A palafita, de apenas um vão, não tem uma janela. O telhado é de zinco, as paredes são de madeira e papelão, e a latrina está separada do resto do imóvel por uma cortina de pano. — Dormimos num beliche. Nós ficamos em cima e as crianças embaixo — diz Josilene.  
05/11/2010 | 537 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Institucional/Dides
Chamada Pública nº 068/2010 Chamada Pública nº 068/2010 - Projeto "Estabelecimento de Metodologia para Elaboração e Atualização da Função do Custo do Déficit" Vagas: 03 (três) bolsas Auxiliar de Pesquisa (graduando), 03 (três) bolsas Assistente de Pesquisa III (Mestre) e 02 (duas) bolsas Doutor Prazo de inscrição: 28 de julho a 12 de agosto de 2010 Reabertura de inscrições: 28 de setembro a 13 de outubro de 2010. Resultado: A partir de 22 de outubro de 2010 Início das bolsas: Novembro de 2010 Chamada Pública nº 068/2010 Extrato de Publicação Chamada Pública nº 068/2010 (Prorrogação) Chamada Pública nº 068/2010 (Reabertura) Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
05/11/2010 | 2102 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Institucional/Dides
Chamada Pública nº 089/2010 Chamada Pública nº 089/2010 - Projeto "Intervenção Urbanística no Complexo do Alemão (Rio de Janeiro)’’ Vagas: 01 (uma) bolsa Assistente de Pesquisa I (Graduado) e 01 (uma) bolsa Assistente de Pesquisa III (Mestre) Prazo de inscrição: 17 de setembro a 04 de outubro de 2010 Reabertura de inscrições: 08 a 15 de outubro de 2010 Resultado: A partir de 22 de outubro de 2010 Início das bolsas: Novembro de 2010 Chamada Pública nº 089/2010 Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
05/11/2010 | 2197 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Institucional/Dides
Chamada Pública nº 090/2010 Chamada Pública nº 090/2010 - Projeto "Táticas Locais e Estratégias Internacionais: a política social do Bolsa-Família e as relações de gênero, raça/etnia no estado de Santa Catarina, Brasília, Moçambique, Filipinas, Cuba e França" Vagas: 16 (dezesseis) bolsas Auxiliar de Pesquisa (Graduando), 01 (uma) bolsa Assistente de Pesquisa II (Mestrando), 02 (duas) bolsas Assistente de Pesquisa III (Mestre) e 03 (três) bolsas Doutor. Prazo de inscrição: 16 de setembro a 01 de outubro de 2010. Resultado: A partir de 13 de outubro de 2010. Início das bolsas: Novembro de 2010. Chamada Pública nº 090/2010 Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
05/11/2010 | 3112 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Institucional/Dides
Chamada Pública nº 092/2010 Chamada Pública nº 092/2010 - Projeto "Entrada de genéricos, concorrência e diversificação nos mercados de medicamentos" Vagas: 01 (uma) bolsa Assistente de Pesquisa I (Graduado) Prazo de inscrição: 01 de outubro a 18 de outubro de 2010 Resultado: A partir de 22 de outubro de 2010 Início das bolsas: Novembro de 2010 Chamada Pública nº 092/2010 Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
05/11/2010 | 1588 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Institucional/Dides
Processo Seletivo Simplificado PROCIN nº 004/2010 Processo Seletivo Simplificado PROCIN nº 004/2010, Projeto "Aperfeiçoamento em Desenvolvimento e Políticas Públicas Data Limite para impugnação: 08 de novembro de 2010 Início da bolsa: Novembro de 2010 Processo Seletivo Simplificado PROCIN nº 004/2010 PROCESO SELECTIVO SIMPLIFICADO IPEA/PROCIN nº 004/2010 Extrato de Publicação do Resultado do Processo Seletivo Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
05/11/2010 | 1131 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Notícias/Dinte
Acordos entre Ipea e instituições da Bahia também poderão gerar estudos sobre desigualdade social e combate à pobreza
08/11/2010 | 3127 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report | Leia mais
Clipping/Clipping
Diário do Comércio On Line:Em debate, o modelo de operação São Paulo tem hoje em curso quatro propostas de operações urbanas que preveem a requalificação de áreas degradadas da cidade, sendo que nenhuma delas se assemelha às operações adotadas em outras cidades do mundo. A capital paulista é o único caso que vende títulos na Bovespa que permite a construção de imóveis acima do limite estabelecido por lei municipal, o chamado Certificado de Potencial Adicional de Construção (Cepac). Em outros países, optou-se pela criação de uma empresa responsável pela compra de imóveis e pelo uso de recursos públicos nesses espaços, como ocorreu em Paris, que criou a Empresa de Economia Mista de Operações Urbanas (Semapa). Essas e outras diferenças em relação a modelos de operações urbanas em São Paulo e no mundo também serão apresentadas e discutidas no evento que acontece hoje no Hotel Renaissance. Serão vários os temas em pauta, sendo que um deles irá abordar "As Operações Urbanas como instrumento para a transformação de áreas degradadas na cidade de São Paulo". Um dos convidados a debater esse tema é o arquiteto Renato Balbim, ex-coordenador do Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais, do Ministério das Cidades, atualmente técnico de planejamento e pesquisa do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea). No encontro de hoje, Balbim promete defender mudanças pontuais no atual modelo de operação urbana na cidade, como, por exemplo, a necessidade de criação de um projeto urbanístico simultaneamente ao projeto de operação urbana, o que não ocorreu até o momento nas quatro operações em andamento. E isso deverá mudar com as operações Mooca/ Vila Carioca e Lapa/Brás. Hoje, as operações urbanas visam a captação de recursos financeiros, mas não preveem um projeto urbanístico definido, em detalhes. No fundo, são meras possibilidades de obras públicas. "Até o momento, as operações não partiram de um projeto urbano, de um projeto para a cidade, mas de modelos de viabilidade econômica. A operação deve contemplar os interesses de revitalização e a valorização de uma determinada área, pois isso interessa ao mercado. É preciso conciliar os interesses da população e do mercado", disse. A mesma opinião tem o diretor da faculdade de arquitetura da Universidade Mackenzie e curador da próxima Bienal de Arquitetura, Valter Caldana. Ele defende que a adoção de operações urbanas é importante, mas critica os equívocos no nascedouro do projeto. Segundo ele, as atuais operações urbanas são apenas operações jurídico-financeiras e não urbanísticas. "Elas devem ser projetos para um bairro que, por sua vez, geram um instrumento jurídico-financeiro", disse. Na opinião dos especialistas, o atual modelo de operação urbana é equivocado a partir do momento que prevê a captação de recursos para as obras viárias. As novas operações devem privilegiar outras obras. "Vivemos em uma metrópole viária. Londres, Paris, Berlim e Buenos Aires fizeram um projeto de cidade. No nosso caso, temos uma metrópole viária e isso precisa mudar", afirmou Valter Caldana.
08/11/2010 | 368 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Clipping/Clipping
AGÊNCIA SENADO:Programas de combate à fome podem receber alimentos apreendidos pela inspeção sanitária Produtos de origem animal e vegetal apreendidos pela inspeção sanitária podem passar a ser destinados, prioritariamente, aos programas de segurança alimentar e combate à fome, desde que apresentem plenas condições para o consumo humano. É o que determina projeto de lei da Câmara (PLC 81/04) aprovado pelo Plenário do Senado nesta quarta-feira (10). O texto agora segue para sanção do presidente da República. Apresentado em 2004 pela então deputada Edna Macedo, o projeto foi aprovado pelas Comissões de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), Assuntos Sociais (CAS) e Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Caberá ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento dispor sobre a destinação dos produtos apreendidos ou condenados, observada prioridade absoluta aos programas de segurança alimentar e combate à fome, nos casos em que os produtos se prestarem ao consumo humano, conforme estabelece o projeto. A autora do projeto informou que o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) apreende com frequência produtos que se encontram fora das especificações do regulamento técnico de identidade e qualidade. Da mesma forma, observou, o poder público apreende e condena matérias primas e produtos de origem vegetal que infringem dispositivos da Lei 9.972/00, que trata da classificação de produtos vegetais, subprodutos e resíduos de valor econômico. Esses produtos são apreendidos, no entanto, por questões de natureza econômica e fiscal, o que não compromete sua qualidade. "Em outras palavras, embora fraudados, os produtos continuam adequados ao consumo. Deixar que se estraguem ou destiná-los a objetivos não prioritários significa punir a sociedade por crime que ela não cometeu", afirma Edna Macedo na justificação do projeto. O projeto foi aprovado com apenas uma emenda da CCJ, revogando o artigo 42 do Decreto-Lei 986/69, que institui normas básicas sobre alimentos. Esse artigo estabelece que a inutilização do alimento, na forma prevista pela legislação, não será efetuada quando ficar constatado que o produto não está impróprio para o consumo imediato. A medida entrará em vigor quando for publicada a lei em que o projeto for transformado. Além de alterar a Lei 9.972/00, a proposição muda ainda a Lei 7.889/89, que dispõe sobre inspeção sanitária e industrial dos produtos de origem animal. Indigência Segundo o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), relator na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), a renda familiar foi tomada como o fator que mais diretamente afeta o acesso aos alimentos. Ele cita dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apontando que o número de pobres no Brasil é da ordem de 54 milhões, dos quais 24 milhões estariam abaixo da linha de indigência, definida pela renda de até um quarto do salário mínimo (R$ 127,50). Para o senador, mesmo que tais dados sejam divergentes de indicadores apurados por outras instituições, "não existe nenhuma dúvida sobre o fato trágico de que alguns milhões de brasileiros passam fome ou se encontram desnutridos". Além de Crivella, relataram o projeto Wellington Salgado (PMDB-MG), na CCJ, cujo parecer foi lido pelo relator ad hoc Antonio Carlos Junior (DEM-BA); e Valdir Raupp (PMDB-RO), na CAS, que também teve relator ad hoc, o senador João Durval Carneiro (PDT-BA).
10/11/2010 | 825 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Institucional/Dides
Chamada Pública nº 096/2010 Chamada Pública nº 096/2010 - Projeto " Propriedade Intelectual e Aspectos Concorrenciais" Vagas: 01 (uma) bolsa Assistente de Pesquisa I (Graduado). Prazo de inscrição: 18 de outubro a 03 de novembro de 2010. Resultado: A partir de 08 de novembro de 2010. Início das bolsas: Dezembro de 2010. Chamada Pública nº 096/2010 Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
11/11/2010 | 2487 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Institucional/Dides
Chamada Pública nº 093/2010 Chamada Pública nº 093/2010 - Projeto "Políticas Sociais Acompanhamento e Análise" Vagas: 04 (quatro) bolsas Assistente de Pesquisa I (Graduado) Prazo de inscrição: 04 de setembro a 19 de outubro de 2010 Resultado: A partir de 29 de outubro de 2010 Início das bolsas: Novembro de 2010 Prorrogação de Inscrições: até 27 de outubro de 2010 Resultado: A partir de 05 de novembro de 2010 Início das bolsas: Novembro de 2010 Extrato de Prorrogação de Chamada Pública nº 093/2010 (Prorrogação) Chamada Pública nº 093/2010 Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
11/11/2010 | 3203 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Notícias/Disoc
Comunicado n° 65 trata do crescimentode famílias brasileiras “chefiadas” por mulheres
09/11/2010 | 4356 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report | Leia mais
Clipping/Clipping
JORNAL DIA DIA: Equipe de Dilma prepara reajuste do Bolsa-Família acima da inflação Marta Salomon Na avaliação do principal programa social do governo, prevalece a visão de que a simples reposição dos cerca de 9% da inflação acumulada desde o último reajuste é pouco A equipe de transição da presidente eleita, Dilma Rousseff, avalia a concessão de um reajuste acima da inflação para os benefícios do Bolsa-Família. De acordo com análise feita no governo, a reposição de pouco mais de 9% da inflação acumulada pelo INPC desde o último reajuste não seria suficiente para começar a tirar do papel a promessa de erradicar a pobreza extrema no País, feita durante a campanha ao Planalto. Em maio de 2009, quando ocorreu reajuste do Bolsa-Família, o benefício passou a variar de R$ 22 a R$ 200, dependendo do grau de pobreza e da quantidade de filhos da família. Neste ano, o valor ficou congelado, por causa da eleição. O projeto de lei do Orçamento da União enviado ao Congresso pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva tampouco prevê reajuste. A decisão ficará para a presidente eleita. Os gastos anuais do programa estão estimados em R$ 13,4 bilhões. Hoje, o País tem 8,9 milhões de miseráveis, depois da queda de 12% para 4,8% do porcentual da pobreza extrema observada entre 2003 e 2008. Esses são dados usados pelo Ministério do Desenvolvimento Social, responsável pelo Bolsa-Família. O número de pobres varia porque não existe uma linha de pobreza única no Brasil. Nordeste. Grande parte dos extremamente pobres já integra o Bolsa-Família. Eles correspondem a 85% da clientela do programa. Mas o benefício pago não é suficiente para fazer com que todas essas famílias superem a condição de pobreza mais aguda, com renda mensal de até R$ 70 por pessoa da família. Levantamento do Ministério do Desenvolvimento Social mostra que a renda per capita média dos beneficiários do programa atingiu R$ 65,29 no Nordeste, depois do pagamento. O Nordeste concentra mais da metade dos beneficiários do programa de transferência de renda do governo (50,5%), que hoje atende a 12,7 milhões de famílias no País. No Norte, a renda média dos beneficiários do programa também não alcança R$ 70, valor que serve de fronteira para os extremamente pobres, segundo os critérios usados atualmente pelo Bolsa-Família. De acordo com análise do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) a pobreza extrema persiste no Brasil por dois motivos, combinados. Primeiro, o valor do benefício pago pelo Bolsa-Família é baixo para superação da pobreza, embora represente melhoria significativa na situação das famílias atendidas. Outro fator é que nem todos os pobres do País são atendidos pelo programa. "Basicamente, há duas coisas a serem feitas: acabar com os problemas de cobertura do programa e aumentar o valor do benefício", resumiu Sergei Soares, pesquisador do Ipea. Cenário. "O que está em jogo não é apenas o impacto financeiro do reajuste, é preciso eliminar a pobreza extrema", disse ao Estado a ministra Márcia Lopes (Desenvolvimento Social), que trabalha "cenários" para a concessão do próximo reajuste. Segundo a ministra, a nova etapa do Bolsa-Família vai depender também dos resultados do censo, esperados para dezembro. Neles, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) fará um retrato mais fiel da pobreza do País. Márcia Lopes disse que a presidente eleita já encomendou solução para famílias que estão fora do programa apesar da baixa renda. A ministra citou como exemplo 750 mil famílias com renda per capita entre R$ 70 e R$ 140 e que não recebem o benefício por não terem filhos em idade escolar. O Bolsa-Família concede um benefício básico de R$ 68 para famílias com renda per capita até R$ 70 e um extra de R$ 22 por filho entre 6 e 15 anos, até um limite de três filhos, e mais R$ 33 por jovem entre 15 e 17 anos, até o limite de dois.
16/11/2010 | 540 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report
Clipping/Clipping
ESTADÃO.COM (SP):Em Brasília, Dilma Rousseff retoma montagem de governo com equipe de transição Na reunião de hoje, foi traçado um cronograma para a realização de seminários sobre temas de interesse do governo de transição De volta ao Brasil depois de sua estreia no circuito internacional na reunião do G-20, em Seul, a presidente eleita, Dilma Rousseff, voltou a tratar nesta terça-feira, 16, da primeira de uma série de reuniões setoriais para a montagem de seu governo. Durante o encontro com o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, que também contou com a presença da coordenadora do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Miriam Belchior, e um dos coordenadores da equipe de transição, Antonio Palocci, a presidente eleita foi atualizada sobre o andamento do PAC no setor de rodovias e ferrovias. Passos deixou a Granja do Torto no início da tarde. "Foi uma reunião para atualizar a presidente sobre o PAC na área dos transportes", resumiu Helena Chagas, coordenadora da equipe de comunicação do governo de transição. Segundo ela, a presidente eleita deverá se reunir nos próximos dias com outros envolvidos com o PAC para receber informações setoriais sobre o andamento das obras. Transição O ex-ministro Antonio Palocci deixou a Granja do Torto, residência da presidente eleita, no início da tarde de hoje. Ele foi para o Centro Cultural do Banco do Brasil, onde está instalado o governo de transição. À exceção do vice-presidente eleito, Michel Temer (PMDB-SP) - que deixou o local para comparecer a uma reunião para a definição de "outros compromissos políticos" -, Palocci, o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra e o secretário-geral do PT, José Eduardo Cardozo permanecem no local. Ao final do encontro, Dutra confirmou que entregou à presidente eleita Dilma Rousseff um resumo por escrito das reivindicações dos partidos aliados. Segundo ele, a maioria dos partidos deseja manter o mesmo status no governo e, se possível, ampliá-lo. Ele acrescentou que o PMDB, principal aliado, não apresentou nomes de ministeriáveis. Mas admitiu que o PR pediu a recondução do seu presidente, o senador Alfredo Nascimento, ao ministério dos Transportes. Na reunião de hoje, foi traçado um cronograma para a realização de seminários sobre temas de interesse do governo de transição: erradicação da miséria, saúde e segurança pública. O primeiro debate deve acontecer na próxima quinta-feira, no CCBB, com a participação de especialistas do Ipea e da Fundação Getúlio Vargas.
16/11/2010 | 367 acessos | Imprimir | PDF |  E-mail | Report

<< Início < Anterior 351 352 353 354 355 356 357 358 359 360 Próximo > Fim >>
Página 352 de 655

 
 
 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea