Missão: “Aprimorar as políticas públicas essenciais ao desenvolvimento brasileiro por meio da produção e disseminação de conhecimentos e da assessoria ao Estado nas suas decisões estratégicas”.
IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Ipea ao Vivo
Twitter
Youtube
facebook
Flickr
Google +

Resultados 6091 - 6110 de 14996

The Financial Times (Reino Unido) Brazil: distinctly bipolar After Brazil’s disastrous retail sales data last week, no wonder that some have started to question the country’s supposed “two-speed” model of growth. If the consumer boom is now faltering as well as headline growth, perhaps Brazil is simply destined to be a “no-speed” economy instead? However two studies this week have suggested that Brazil continues to be distinctly bipolar. On Monday, Grant Thornton’s International Business Report showed that confidence among Brazil’s business community is plunging. In the first three months of the year, Brazilians were ranked as the second-most optimistic in the world about the course of their own economy over the next twelve months. However, by the second quarter, they had already fallen to eighth place (Peru came first). However, on Tuesday along came another study – this time from Ipea, a government economic think-tank. It showed the average Brazilian in June was more optimistic about the country’s socio-economic situation than in both May and June last year. In fact, it was the second most optimistic they’ve been for the past twelve months, Ipea said. So why are Brazil’s business people suddenly so depressed when the average guy in the street is still blissfully cheerful? The answer, it seems, would be the good old two-speed economic model. With unemployment still near record lows, borrowing costs falling and juicy tax cuts on some of their favourite appliances, Brazil’s booming middle classes have yet to feel any of the pain from the wider economic slowdown. However, it is worth remembering that more optimistic does not necessarily mean content, as Leandro Machado, one of Brazil’s real-life C Class ‘specimens’, explained this week in the Folha de S. Paulo newspaper. Here are some excerpts in English or read the full version in Portuguese.
Chamada Pública nº 038/2012 Chamada Pública nº 037/2012 - Projeto “A dinâmica recente dos fluxos comerciais e financeiros na economia brasileira” Vagas: 01 (uma) bolsa Assistente de Pesquisa II (mestrando) Prazo de inscrição: 23 de março a 16 de abril de 2012 Resultado: A partir de 26 de abril de 2012 Início das bolsas: maio de 2012 Chamada Pública nº 038/2012 Clique aqui para ver o Resultado 1 Clique aqui para ver o Resultado 2 Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
MSia: La encrucijada del Mercosur: libre comercio o industrialización Ibero-América/Iberoamérica Nenhum comentário Los países del Mercosur deben aprovechar las oportunidades que proporciona la crisis mundial para convertirse el bloque de naciones en un instrumento efectivo de promoción de la integración regional y del progreso conjunto, de una forma que brinde la reducción de las grandes asimetrías que existen entre ellas. De no hacerse esto, el bloque regional corre el peligro de volverse irrelevante ante las transformaciones que tienen lugar en el mundo. Esta sugerencia, en tono de advertencia, la hace nada menos que el embajador Samuel Pinheiro Guimarães, que acaba de renunciar al cargo de Alto representante general del Mercosur, en el auge de la crisis generada por el impedimento del presidente paraguayo, Fernando Lugo. El diagnóstico de las condiciones del bloque y el programa que propone Guimarães se encuentran en su último informe dirigido al Consejo de Ministro del Mercosur, dado a conocer a finales de junio, del cual este informativo obtuvo una copia. El mensaje principal del documento, implícito en sus 52 párrafos, es que los Estados que forman el bloque necesitan actuar de forma proactiva y sinérgica, en lugar de limitarse a actuar pasivamente ante las transformaciones mundiales y de las iniciativas de la Unión Europea (UE), Estados Unidos y China para estimular sus economías. Guimarães recuerda que el Mercosur comenzó sus funciones en 1991 durante el auge de la influencia de las doctrinas neoliberales, cuando los gobiernos de la región estaban convencidos de que la “ejecución de las disposiciones del Consenso de Washington, es decir la desreglamentación, la privatización, la apertura al capital extranjero y la eliminación de las barreras al comercio, bastarían para promover el progreso económico y social.” Por consiguiente, afirma, el Mercosur fue concebido “para ser un esquema de liberalización comercial, como una etapa de la eliminación ‘virtuosa’ de las barreras al comercio y de plena inserción en la economía internacional.” Por ello no era su intención “ser un organismo de promoción del progreso económico, ni de cada Estado de forma individual ni tampoco en su conjunto.” No obstante esto, el escenario cambio radicalmente. Hoy, el rápido crecimiento económico de China, son sus vastas exportaciones de productos industrializados y su enorme demanda de productos primarios, agrícolas y mineral, además de las medidas contra la recesión de Estados Unidos y de la Unión Europea, crean las condiciones para un gran flujo de capitales para los países del bloque y “contribuyen fuertemente a la desindustrialización de las economías del Mercosur. Las industrias instaladas sufren la fuerte competencia de las importaciones industriales baratas (no sólo de China). La facilidad de importar productos industriales y la alta demanda externa de minerales y productos agrícolas desestimulan las nuevas inversiones en la industria y atraen mayores inversiones en la minería y en las actividades agropecuarias.” Este fenómeno, afirma, “pone en peligro el desarrollo de cada una de las economías nacionales y del conjunto del Mercosur,” además de tener “consecuencia sociales profundas.” El sector industrial, reitera Guimarães, es “estratégico para la generación de empleos y, por tanto, para la reducción de la pobreza, para la estabilidad y para el progreso social.” Por consiguiente, dice, “es necesario establecer mecanismo que permitan la socialización de los ingresos extraordinarios producto de la valorización de los productos primarios, por medio de la organización de fondos para la aplicación de los recursos excedentes, por encima de la “valorización” normal, en proyectos de industrialización de las actividades de cada sector y del posible respaldo a su renta en caso de caída de los precios internacionales por debajo de ciertos niveles.” Es imprescindible invertir fuertemente en la infraestructura física: “Las deficiencias de las infraestructuras del transporte, de energía, de salubridad y de comunicaciones en los países del Mercosur y la reducida integración entre las distintas redes de los cuatro países hacen que la inversión en infraestructura sea la tarea primordial. La infraestructura es la base indispensable para la expansión de la actividad productiva y comercial y para la formación de mercados internos nacionales y regionales más dinámicos, capaces de absorber la mano de obra, de agregar valor y de elevar el nivel de ingresos y de desarrollo humano.” Entre paréntesis, el llamado de Guimarães se suma a la advertencia del economista Roberto Messenberg, coordinador del Grupo de análisis y previsiones del Instituto de Investigación Económica Aplicada (Ipea) de Brasil, sobre el agotamiento de la capacidad nacional de reactivación de la economía por medio de incentivos al consumo. Según él, es hora de que el gobierno federal invierta en infraestructura para respaldar la economía a partir de la parte generada por la caída de los intereses y de una reducción del superávit primario. Lamenta que el gobierno esté cada vez más volcado a medidas de corto plazo, escogiendo los vencedores en la actividades para poder proporcionar los subsidios y despreocupándose de una estrategia para el crecimiento a largo plazo que involucraría el fortalecimiento de la inversión pública (Monitor Mercantil, 4/06/2012).” Guimarães, a su vez, recalca que el bloque económico de América del Sur “tendrá que formarse a partir de la expansión gradual del Mercosur, con el acceso de Venezuela y con el ingreso de Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guayana. La Unasur (Unión de naciones sudamericanas), afirma, no puede ser la piedra fundamental de este proceso, porque “Chile, Colombia y Perú adoptaron estrategias de inserción internacional que llevaron a la adopción de ciertas normas comerciales de inversión de capital extranjero, de propiedad intelectual, etc., que dificultan y hasta imposibilitan la construcción de directrices regionales de promoción del progreso.” El diplomático recuerda que, “en un mundo multipolar, en crisis, con gran desplazamiento de poder, no es de interés de ningún bloque ni de ninguna gran potencia la constitución o el fortalecimiento de un nuevo bloque de estados, en especial si estos fuesen periféricos.” Guimarães finaliza con una vigorosa alerta: “Estoy convencido de que, si no se adoptasen estas medidas y no hubiese un compromiso firme de los presidentes, el Mercosur podrá sobrevivir, pero no sobrevivirá siempre claudicante y no se transformará en un bloque de países capaz de defender y de promover, con éxito, sus intereses en este mundo nuevo que surgirá de las transformaciones y de las crisis que vivimos.” Lo cierto es que la crisis global coloca el Mercosur en una disyuntiva crucial: la diferencia ente el riesgo de convertirse en una sigla del pasado, como las finadas ALALC (Alianza Latino Americana de Libre Comercio) y la ALADI (Alianza Latino Americana de Integración), y la oportunidad de convertirse en un motor decisivo de progreso integrado dependerá de la visión estratégica y de la voluntad política de sus dirigentes
O bolsista do Ipea Emerson Marçal apresenta uma estimativa da taxa de câmbio real de equilíbrio brasileira frente a uma cesta de moedas
O Conselho Nacional de Recursos Hídricos na visão de seus conselheiros
Folha de S.Paulo (SP): Mesmo com economia fraca, brasileiro se mantém otimista Confiança cresce em junho com manutenção de empregos, diz Ipea Por Mariana Carneiro, de São Paulo Pesquisa divulgada ontem pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) mostra que as famílias brasileiras ficaram mais otimistas, apesar da economia fraca. O índice de expectativas subiu de 67 pontos em maio para 68,5 no mês passado, o que é considerado otimismo na escala criada pelo Ipea. Foi o segundo mais elevado patamar desde que a pesquisa começou, em junho de 2011. E ficou atrás apenas da marca de janeiro (69 pontos). O Ipea ouviu 3.810 famílias em 200 cidades. Dos entrevistados, 80% disseram ter segurança sobre a ocupação do chefe da casa. A confiança, diz o instituto, é o principal motivo para a resistência do otimismo das famílias. Estimativa do Banco Central, divulgada na semana passada, mostra que o PIB (Produto Interno Bruto) ficou praticamente estagnado em maio. O dado foi o gatilho para economistas rebaixarem a expectativa de crescimento do país para 1,9%, abaixo do que espera o BC (2,5%). Já o humor das famílias segue embalado pela criação de novos postos de trabalho. Em maio, a taxa de desemprego recuou para 5,8%, nível mais baixo para o mês desde 2002.} Apesar de a geração de vagas ter perdido fôlego, a maioria dos setores (à exceção da indústria) está mantendo os empregos.
23ª edição do Índice de Expectativas das Famílias foi lançada nesta terça-feira, 17
Valor Econômico (SP): Para reforçar caixa, União cobra débito pequeno Por Edna Simão Preocupado em impulsionar a arrecadação de impostos num cenário de ritmo contido da atividade econômica, o governo federal vai começar a protestar em cartório os débitos de até R$ 20 mil inscritos na Dívida Ativa da União. Esses valores não estavam sendo executados na Justiça, devido ao elevado custo de tramitação, porém a área econômica não abrirá mão do recebimento desse dinheiro. O diretor de gestão da Dívida Ativa da União da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), Paulo Ricardo de Souza Cardoso, disse ao Valor que o sistema de envio eletrônico das cobranças para os cartórios está sendo finalizado e a expectativa é de que comece a funcionar ainda neste ano. Na avaliação de Cardoso, a medida deve dar mais agilidade ao recebimento da dívida e diminuir despesas judiciais. "Vamos dar uma demonstração de que não existe impunidade", frisou Cardoso. Segundo ele, a demora na cobrança passa a "impressão de que compensa não pagar imposto". Atualmente, os devedores inscritos na dívida ativa começam a fazer parte do Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin) 75 dias depois da comunicação do débito. Com isso eles ficam impedidos, por exemplo, de tomar empréstimos em bancos públicos e firmar convênios com recursos do orçamento federal. O protesto em cartório vai impor ainda mais restrição ao inadimplente. Se ele não acertar as contas em até três dias ficará "sujo" na praça pois terá o nome encaminhado aos cadastros do Serasa e SPC. Isso dificulta a tomada de crédito em instituições privadas e lojas. "Queremos desafogar o Judiciário e, ao mesmo tempo, ter uma maior efetividade na cobrança", destacou Cardoso. "Achamos que uma dívida de R$ 20 mil não pode ser tratada da mesma maneira que uma de R$ 200 mil", acrescentou. Pelas estimativas da PGFN, cerca de 1 milhão de inscrições na dívida ativa devem ser de até R$ 20 mil. Cardoso não estimou quanto isso pode representar em arrecadação. A cobrança de baixos valores não é vantajosa financeiramente para o governo federal. Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que a União gasta em média R$ 5,6 mil em cada processo de execução fiscal da PGFN na Justiça Federal, incluindo apenas os custos de tramitação. Essas ações levam em média dez anos para terminar e a probabilidade de recuperar o crédito integralmente é de 25,8%. Considerando esses dados, não valeria a pena, segundo o Ipea, executar na Justiça dívidas inferiores a R$ 21,7 mil. Cardoso explicou que não teme uma onda de ações na Justiça devido ao protesto em cartório de dívidas de "baixo" valor. O próprio Conselho Nacional da Justiça (CNJ) tem decisão favorável à utilização do protesto extrajudicial para dar mais celeridade ao processo de cobrança. Em abril de 2010, o conselho considerou legal a decisão da Controladoria do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro de protestar dívida contra a Fazenda Pública do Estado em cartório. Mas não há uma recomendação do CNJ para uso do instrumento, conforme a assessoria de imprensa do órgão. Esse caso, no entanto, pode ser usado como argumento jurídico favorável ao protesto extrajudicial. Em maio, segundo dados da Receita Federal, o total de débitos tributários era R$ 949,5 bilhões
Chamada Pública nº 068/2012 Chamada Pública nº 068/2012 - Projeto "Dados da República" Vagas: 05 (cinco) bolsas de Incentivo a Pesquisa II Prazo de inscrição: 23 de maio a 08 de junho de 2012 Resultado: A partir de 18 de junho de 2012 Início das bolsas: julho de 2012 Chamada Pública nº 068/2012 Clique aqui para ver o Resultado Retificação do Resultado Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
Chamada Pública nº 064/2012 Chamada Pública nº 064/2012 - Projeto “Implicações da crise para as políticas monetária e cambial – Impactos dos Recolhimentos Compulsórios sobre a Inflação e a Atividade Econômica no Brasil” Vagas: 01 (uma) bolsa Assistente de Pesquisa II (mestrando) Prazo de inscrição: 17 de maio a 06 de junho de 2012 Resultado: A partir de 18 de junho de 2012 Início das bolsas: julho de 2012 Chamada Pública nº 064/2012 Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
Chamada Pública nº 063/2012 Chamada Pública nº 063/2012 - Projeto “Metodologias de previsão e avaliação dos impactos da política monetária – Desenvolvimento de modelo DSGE (“Dinâmico Estocástico de Equilíbrio Geral”) para a economia brasileira” Vagas: 01 (uma) bolsa Doutor Prazo de inscrição: 15 de maio a 11 de junho de 2012 Resultado: A partir de 21 de junho de 2012 Início das bolsas: a partir de agosto de 2012 Chamada Pública nº 063/2012 Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
Chamada Pública nº 075/2012 Chamada Pública nº 075/2012 - Projeto “Economia de Serviços” Vagas: 02 (duas) bolsas Auxiliar de Pesquisa (graduando) Prazo de inscrição: 04 a 19 de junho de 2012 Resultado: A partir de 29 de junho de 2012 Início das bolsas: julho de 2012 Chamada Pública nº 075/2012 Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
Chamada Pública nº 076/2012 Chamada Pública nº 076/2012 – Projeto “Estudos de comércio internacional e integração produtiva do Brasil com países da América Latina e Caribe” Vagas: 01 (uma) bolsa Assistente de Pesquisa IV (doutorando) e 01 (uma) Bolsa Assistente de Pesquisa III(mestre) Prazo de inscrição: 05 a 20 de junho de 2012 Resultado: A partir de 29 de junho de 2012 Início das bolsas: julho de 2012 Chamada Pública nº 076/2012 Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
Chamada Pública nº 046/2012 Chamada Pública nº 046/2012 - Projeto “Sistema de Indicadores Econômicos Sociais – SIES/IPEA” Vagas: 04 (quatro) bolsas Auxiliar de Pesquisa (Graduando) e 02 (duas) bolsas Assistente de Pesquisa I (Graduado) Prazo de inscrição: 03 a 19 de abril de 2012 Resultado: A partir de 30 de abril de 2012 Início das bolsas: maio de 2012 Chamada Pública nº 046/2012 Clique aqui para ver o Resultado Clique aqui para ver o Resultado Acesse aqui para cadastrar seu currículo Informações básicas: Obs: Este texto é apenas informativo e não substitui o conteúdo da Chamada Pública. Atenção: Os candidatos que apresentarem proposta para os processos de seleção em aberto, quando do cadastramento do currículo, devem mencionar no campo "Projeto de atuação pretendido no Ipea" o nome do projeto ao qual desejam concorrer à bolsa.
Folha de S.Paulo Online: Cultura da periferia de SP cresce e atrai público do centro Por Giuliana Vallone Guilherme Genestreti Rafael Gregorio Passa das 21h e as mesas já estão cheias quando o primeiro poeta assume o microfone no Bar do Zé Batidão. O time de futebol mais popular da cidade disputa sua primeira final da Libertadores, mas a TV está desligada. "Aqui é a 'La Bombonera' da poesia periférica, mano!", brinca Sergio Vaz, 48, escritor e fundador do Sarau da Cooperifa, citando o estádio do argentino Boca Juniors. Sem investimentos públicos ou privados, a Cooperifa completa 11 anos em outubro, oito deles no Jardim Guarujá, na zona sul. O pioneirismo se tornou referência e inspirou projetos semelhantes em outros bairros afastados do centro. Nas contas de Vaz, são mais de 60 saraus hoje na capital. A profusão de atrações não se resume à poesia. Há muita música - principalmente hip-hop, samba e reggae -, teatro, circo e dança. Iniciativas que atraem, cada vez mais, as atenções de quem mora nos bairros mais centrais. "A dinâmica cultural não é nova. O que é novo é a visibilidade desses movimentos", explica Frederico Barbosa, pesquisador do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), que estuda o acesso à cultura no país.
Assista ao programa que contou com a participação de João Maria de Oliveira, do Ipea, e Sérgio Souza, do MDIC
TD 1754 - Dos "Dividendos da Paz" À Guerra Contra o Terror: Gastos Militares Mundiais Nas Duas Décadas Após o Fim da Guerra Fria -1991-2009
TD 1753 - Origem do Capital e Acesso aos Incentivos Fiscais e Financeiros à Inovação no Brasil
TD 1756 - O Uso de Medidas Antidumping no Brasil, Na Índia e na China: Características de Regulação e de Participação do Setor Privado

<< Início < Anterior 301 302 303 304 305 306 307 308 309 310 Próximo > Fim >>
Página 305 de 750

 
 
 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea