resep nasi kuning resep ayam bakar resep puding coklat resep nasi goreng resep kue nastar resep bolu kukus resep puding brownies resep brownies kukus resep kue lapis resep opor ayam bumbu sate kue bolu cara membuat bakso cara membuat es krim resep rendang resep pancake resep ayam goreng resep ikan bakar cara membuat risoles
Brasília e sua crescente influência

2009 . Ano 6 . Edição 49 - 06/04/2009

Sérgio Ulisses Jatobá

A mais recente versão do estudo "Regiões de Influência das Cidades" do IBGE - REGIC 2007, publicada em 2008, alçou Brasília à condição de metrópole nacional, equiparada somente à São Paulo, destacada como grande metrópole nacional, e a Rio de Janeiro, a outra metrópole nacional. A área que compõe a região de influência de Brasília abrange 298 municípios, uma superfície total de 1.760.734 Km2 e uma população de 9.680.621 habitantes, que a coloca a frente de outras nove metrópoles no país, as quais compõem, junto com São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília o conjunto dos 12 centros urbanos mais influentes do país.

A quarta versão da REGIC confirma o que já vinha sendo apontado em outros estudos, que a influência urbana de Brasília, cuja área metropolitana entendida pelo IBGE abrange todo o Distrito Federal - DF e mais os municípios do seu entorno imediato, estende-se bem mais além. A rede de influência de Brasília abrange municípios situados em Goiás, noroeste de Minas e oeste da Bahia e comanda, em conjunto com São Paulo, as redes de Cuiabá e Porto Velho, o que amplia em muito a sua área, que assim atinge Mato Grosso, Rondônia, Acre e pequena parcela do Amazonas.

O Estudo do IBGE ressalta que, apesar de estar situada na terceira posição de importância no país, a rede de Brasília ainda é pequena em relação à de São Paulo e à do Rio de Janeiro, representando 5,26% da população do País e 6,6% do PIB nacional em 2005. Entretanto tem algumas características que se destacam: tem o mais alto PIB per capita entre todas as redes (R$ 15.683,00 em 2006) e concentra 33,7% da população e 57,3% do seu PIB no seu núcleo, que inclui Brasília e mais nove municípios do entorno do DF, sendo que só Brasília possui o segundo maior PIB per capita no país (R$ 37.600, em 2006).Brasília também detém, junto com São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba 25% do PIB nacional. Estes dados evidenciam o papel concentrador de renda e de população que Brasília exerce na sua região de influência. Se por um lado isto se deve a presença do governo federal e do peso das ligações empresariais de todo o país com a capital, cada vez mais a economia local se fortalece com o crescimento do setor empresarial, basicamente terciário. No entanto, é inegável que são os recursos do setor público que turbinam o dinamismo econômico da capital. O peso da Administração Pública na economia de Brasília passou de 48,3% em 2002 para 49% em 2006, indicando um crescimento da sua importância na economia brasiliense.

Outra pesquisa do IBGE divulgada recentemente confirma, com base em dados de 2006, que os servidores públicos detêm 65% da massa salarial no DF (este percentual era de 60% em 1996), embora representem atualmente só 40% do total dos empregados. A pesquisa do Cadastro Central de Empresas - Cempre informa que em 2006 foram pagos R$ 28,7 bilhões em salários no DF, o que equivale a 5,7% do volume total do país e representa mais do que a soma de todos os outros estados da Região Centro-Oeste. A média salarial do trabalhador brasiliense é de R$ 2.440,00, mais do que o dobro da média nacional que é de R$ 1.208,64. A alta renda dos brasilienses aliada aos serviços contratados e às compras efetuadas pela administração pública federal e do DF às empresas daqui faz com que um considerável volume de recursos circule na economia local, criando um círculo virtuoso que tem tornado o DF um dos mais dinâmicos e atraentes polos de crescimento econômico no país.

A crescente influência urbana de Brasília no cenário nacional a consolida como o principal centro polarizador do desenvolvimento territorial no interior do país, um projeto geopolítico traçado 200 anos antes da sua inauguração. A região na qual Brasília se insere é a que mais rápido se desenvolve no país, mas ainda é marcada por uma ocupação desigual e fortemente polarizada por três grandes centros apenas: Brasília, Goiânia e Uberlândia, segundo o Estudo da Dimensão Territorial para o Planejamento, recentemente publicado pelo MPO e CGEE. Brasília já é a quarta cidade em população no país e em pouco tempo será a terceira, segundo estimativas do próprio IBGE. E enquanto São Paulo e Rio de Janeiro tendem a ter redução na sua população no futuro, Brasília ainda possui muito espaço físico para crescer. Todas estas caraterísticas da capital federal e a proximidade do poder têm atraído grandes grupos empresariais para a cidade, desde gigantes da indústria farmacêutica até as maiores empreiteiras do país.

A favorável posição estratégica de Brasília aponta para um cenário de prosperidade econômica crescente, mas também de acentuação das desigualdades sociais e territoriais. A segregação socioespacial, que caracteriza o Distrito Federal desde a sua origem, agora também ocorre na relação do DF com seu entorno e deste com as cidades pobres da sua região de influência. No interior do DF a preocupação é com o rápido crescimento urbano e seus impactos no meio ambiente e com a redução progressiva da qualidade de vida da cidade. Quase 50 anos depois do deslocamento da capital para interior do país evidencia-se que a ação do Estado foi eficaz na criação de um polo de desenvolvimento descentralizado. A questão é saber se o círculo virtuoso do dinamismo econômico proporcionado pela maior densidade urbana e demográfica em Brasília irradiará os frutos da sua prosperidade para o seu entorno e região de influência ou se produzirá maior desigualdade sócio-territorial, sobrecarga sobre as infraestruturas e degradação ambiental.


Sérgio Ulisses Jatobá é pesquisador visitante do Ipea, doutor em Desenvolvimento Sustentável