Arquivos da categoria: Atividade Econômica

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – maio/2019 Demanda interna por bens industriais avançou 0,1% no mês

Por Leonardo Mello de Carvalho

 O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a produção industrial interna líquida das exportações acrescida das importações – registrou alta de 0,1% na comparação entre os meses de maio e abril, na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, o trimestre encerrado em maio recuou 0,6% na margem. Entre os componentes do consumo aparente, enquanto a demanda interna por bens nacionais caiu 0,2% na margem, as importações de bens industriais registraram alta de 2,9%.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais avançou 7,2% contra maio do ano passado. O resultado igualou o desempenho apresentado pela produção industrial, mensurada pelo IBGE. Ainda assim, o trimestre móvel de maio ficou 1,5% abaixo do verificado no mesmo período do ano passado. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda registrou aumento de 0,9%, enquanto a produção industrial apresentou estabilidade.

Tabela-Indicador-Ipea-Consumo Aparente_mai-19

Gráfico_Indicador Ipea CA_mai-19

A análise dos resultados por grandes categorias econômicas, por classes de produção e por segmentos pode ser vista no texto completo do indicador.

Acesse aqui a planilha com a série histórica do indicador



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea Mensal de FBCF – maio de 2019 Investimentos seguem com desempenho positivo no segundo trimestre

Por Leonardo Melo de Carvalho

O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) aponta alta de 1,3% em maio, em relação a abril de 2019, na série com ajuste sazonal, deixando um carregamento estatístico de 1,9% para o segundo trimestre de 2019. Com esse resultado, o trimestre móvel terminado em maio registrou alta de 1,3%, também na série dessazonalizada. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o indicador atingiu o patamar de 13,9%, superior ao verificado em maio de 2018, influenciado parcialmente por uma base de comparação deprimida, resultado da greve dos caminhoneiros. No acumulado em doze meses, os investimentos também aceleraram, com a taxa de crescimento passando de 2,7% para 4,2%.

Ainda na comparação com o ajuste sazonal, o consumo aparente de máquinas e equipamentos (Came) – cuja estimativa corresponde à sua produção interna líquida das exportações (nacional) acrescida das importações – apresentou avanço de 3,9% em maio. Entre os componentes do Came, enquanto o segmento nacional cresceu 2%, a importação de bens de capital avançou 16,1% na margem, compensando o resultado do período anterior (-11,6%).

O indicador de construção civil, em contrapartida, registrou fraco desempenho em maio, recuando 0,8% na série dessazonalizada. Com isso, o setor encerrou o trimestre terminado em maio com retração de 1,3% ante o período imediatamente anterior. Por fim, o terceiro componente da FBCF, classificado como outros ativos fixos, contribuiu positivamente para o desempenho dos investimentos em maio, registrando avanço de 0,6% na margem.

Na comparação com o mesmo período do ano anterior, o bom desempenho em maio foi generalizado. Influenciados, em parte, por uma base de comparação deprimida, em decorrência dos efeitos negativos da greve dos caminhoneiros ocorrida em maio do ano passado, todos os componentes registraram forte variação positiva. O principal destaque foi o Came, que avançou23,7% em relação ao observado em maio de 2018. O componente da construção, por sua vez, registrou alta interanual de 8,7%. Ainda assim, apresentou queda de 0,1% entre o trimestre terminado em maio e o terminado em fevereiro.

190704_cc_43_indicador_fbcf_tabela_1

190704_cc_43_indicador_fbcf_grafico

Acesse aqui a planilha com a série histórica do indicador



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Visão Geral da Conjuntura

Por José Ronaldo de C. Souza Júnior, Paulo Mansur Levy, Francisco Eduardo de L. A. Santos e Leonardo Mello de Carvalho

Esta seção analisa as seguintes questões: o desempenho recente da economia brasileira; algumas razões para o baixo crescimento; simulações de espaço fiscal com o teto dos gastos públicos (com destaque para os gastos com saúde e educação e para os efeitos da Reforma da Previdência); e projeções macroeconômicas 2019/2020 (com destaque para as estimativas de hiato do produto).

Quando se diz que a demanda está fraca, normalmente pensa-se no consumo em primeiro lugar: esse, de fato, desacelerou-se em relação às taxas de crescimento observadas em meados de 2017, quando a recuperação ganhava corpo, mas o crescimento recente tem se mantido positivo, e pode mesmo acelerar com a perspectiva de redução dos preços de alimentos – cuja alta nos primeiros meses de 2019 pode ter “roubado espaço” dos demais bens e serviços nos orçamentos das famílias, especialmente as de renda mais baixa. Argumenta-se também que o consumo está fraco devido ao elevado desemprego, o que é verdade, mas não ajuda muito a compreender a dinâmica da economia na medida em que a taxa de desemprego, assim como o consumo, são variáveis endógenas. Medidas localizadas, como a liberação parcial dos saldos de contas do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS), podem estimular o consumo – e tiveram papel no segundo trimestre de 2017 nesse sentido –, mas o choque que pode tirar a economia do ciclo vicioso em que se encontra deve vir das expectativas, isto é, do aumento da confiança, começando pelo equacionamento do problema fiscal.

Nesse contexto, o aumento da confiança é justamente a base de nossos modelos de previsão, que apontam para uma aceleração do crescimento, em 2020, para 2,5%. Além disso, assumimos que a taxa de juros básica será reduzida a partir do segundo semestre de 2019 e que, em conjunto com a melhora nos índices de confiança, contribuirá para um ambiente econômico que induza mais investimentos e consumo. Segundo os mesmos modelos, o crescimento em 2019 será de 0,8%. Para o segundo trimestre de 2019, estimamos um crescimento de 0,5% em relação ao trimestre anterior.

190627_cc_43_visao_geral_tabela_3

190627_cc_43_visao_geral_tabela_4

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Atividade econômica: Indicadores mensais

Por Leonardo Mello de Carvalho

Após a queda de 0,2% registrada pelo produto interno bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2019, o desempenho recente dos indicadores mensais de atividade econômica segue apontando para um cenário de baixo crescimento. Pela ótica da oferta, a indústria vem sendo afetada negativamente pelo desastre na barragem de Brumadinho, ocorrido no final de janeiro. A demanda interna por bens industriais, por sua vez, segue com desempenho ainda pior – no primeiro quadrimestre de 2019, ficou abaixo da produção industrial. Em contrapartida, segundo o Indicador Ipea mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), os investimentos cresceram 0,5% no início do segundo trimestre, impulsionados pela produção interna de máquinas e equipamentos e pela construção civil. Em relação ao mês de maio, com as informações disponíveis até o momento, a Dimac/ Ipea estima que a produção industrial tenha recuado 0,4% na margem, enquanto as vendas no comércio e o volume de serviços teriam avançado 1% e 0,7% ante o mês de abril, respectivamente. Com isso, o PIB mensal (Monitor do PIB, da FGV) registraria crescimento de 0,3% na margem. Em relação às perspectivas para os próximos meses, o balanço de riscos associado ao desempenho da atividade econômica continua sugerindo um ritmo de crescimento modesto, embora seja possível alguma aceleração da sua trajetória ao longo do ano, estando condicionada à aprovação da reforma da previdência, cujos efeitos criariam um ambiente mais propício para a recuperação dos investimentos e dos níveis de ocupação – como é detalhado na seção Visão Geral de Conjuntura.

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Hiato do Produto Grau de ociosidade da economia brasileira está em 3,2%

Por José Ronaldo de C. Souza Jr.

O Indicador Ipea de Hiato do Produto, calculado com base na metodologia da função de produção descrita em Nota Técnica da Carta de Conjuntura nº 36, aponta que o PIB estava 3,2% abaixo de seu potencial no primeiro trimestre de 2019.

CC43_Hiato do produto

Acesse aqui a série completa do Indicador Ipea de Hiato do Produto



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – abril/2019 Demanda interna por bens industriais recuou 0,2% na margem

Por Leonardo Mello de Carvalho

 O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a produção industrial interna líquida das exportações acrescida das importações – registrou queda de 0,2% na comparação entre os meses de abril e março, na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, que sucedeu queda de 1,3% no período anterior, o trimestre encerrado em abril recuou 1,4% na margem. Entre os componentes do consumo aparente, enquanto a produção interna líquida de exportações (nacional) caiu 0,3% na margem, as importações de bens industriais registraram baixa de 0,9%.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais recuou 7,6% contra abril do ano passado. O resultado voltou a ser pior que o desempenho apresentado pela produção industrial (queda de 3,9%), mensurada pela PIM-PF do IBGE. Com isso, o trimestre móvel de abril atingiu patamar 4,3% inferior ao verificado no mesmo período do ano passado. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda registrou a primeira variação negativa desde julho de 2017, com queda de 0,2%. A diferença em relação ao desempenho apresentado pela produção industrial (-1,1%) vem se reduzindo.

Tabela_Indicador Ipea CA_abr-19Gráfico_Indicador Ipea CA_abr-19

Em relação às grandes categorias econômicas, o resultado de abril foi heterogêneo, como pode ser visto no texto completo que analisa os resultados do indicador.

Acesse aqui a planilha com a série histórica do indicador



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea Mensal de FBCF – Abril de 2019 Investimentos iniciaram o segundo trimestre com crescimento

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) aponta alta de 0,5% em abril em relação a março de 2019, na série com ajuste sazonal, deixando um carregamento estatístico de 0,7% para o segundo trimestre de 2019. Com esse resultado, o trimestre móvel terminado em abril registrou queda de 0,3%, também na série dessazonalizada. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o indicador atingiu patamar 0,9% inferior ao verificado em abril de 2018. No acumulado em doze meses, os investimentos desaceleraram, com a taxa de crescimento passando de 3,7% para 2,7%.

Ainda na comparação com o ajuste sazonal, o consumo aparente de máquinas e equipamentos (Came) – cuja estimativa corresponde à sua produção interna líquida das exportações (nacional) acrescida das importações – apresentou avanço de 0,3% em abril. Entre os componentes do Came, enquanto o segmento nacional cresceu 2,8%, a importação de bens de capital recuou 11% na margem, resultado que sucedeu a alta de 8,4% observada no período anterior.

O indicador de construção civil, por sua vez, também registrou desempenho positivo em abril, avançando 1% na série dessazonalizada. Ainda assim, o setor encerrou o trimestre terminado em abril com retração de 0,7% ante o período imediatamente anterior. Por fim, o terceiro componente da FBCF, classificado como outros ativos fixos, também contribuiu positivamente para o desempenho dos investimentos em abril, registrando avanço de 0,5% na margem.

Na comparação com o mesmo período do ano anterior, o desempenho em abril foi negativo. Com exceção do componente outros ativos fixos, que cresceu 6,4%, todos os demais registraram variação negativa. Tanto o Came quanto a construção civil recuaram 2,1% em relação ao mês de abril de 2018. O componente da construção continua sendo o destaque negativo, tendo registrado queda de 2,5% na comparação entre o trimestre terminado em abril e o terminado em janeiro.

190606_cc_indicador_ipea_FCFB_tabela1

190606_cc_indicador_ipea_FCFB_grafico1

Acesse aqui a planilha com a série histórica do indicador



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Atividade econômica: desempenho do PIB

Por Leonardo Mello de Carvalho e José Ronaldo de C. Souza Júnior

Confirmando a piora observada no cenário macroeconômico nos três primeiros meses do ano, o PIB recuou 0,2% no primeiro trimestre de 2019, na comparação com o trimestre anterior livre de efeitos sazonais. Essa foi a primeira variação negativa desde o quarto trimestre de 2016, quando a economia deixava para trás a pior recessão de sua história. O crescimento do primeiro trimestre reduziu o carry-over para 2019, que passou de 0,4% para 0,2%. Caso permaneça estagnado nos próximos três trimestres, o PIB fechará o ano com alta de 0,2%.

Além dos dados gerais das Contas Nacionais Trimestrais, esta seção analisa mais detalhadamente o impacto da indústria extrativa no PIB do trimestre e do ano.

CC43_Atividade-PIB_gráfico

CC43_Atividade-PIB_tabela

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – março de 2019 Demanda interna por bens industriais recuou 2,7% na margem

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a produção industrial interna líquida das exportações acrescida das importações – registrou queda de 2,7% na comparação entre os meses de março e fevereiro, na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, quarto recuo seguido nessa base de comparação, o primeiro trimestre de 2019 encerrou com retração de 2,8% na margem. Entre os componentes do consumo aparente, enquanto a produção interna líquida de exportações (nacional) caiu 4,3% na margem, as importações de bens industriais registraram alta de 5%, conforme mostra a tabela 1.

190514_tabela_indicador_ipea_ca_mar_19

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais recuou 7,2% contra março do ano passado. O resultado voltou a ser pior que o desempenho apresentado pela produção industrial (queda de 6,1%), mensurada pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, o primeiro trimestre atingiu patamar 2,7% inferior ao verificado no mesmo período do ano passado. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda desacelerou em relação a fevereiro, mas segue registrando ritmo de crescimento mais intenso (1,3%) que o apresentado pela produção industrial (-0,1%), como visto no gráfico 1.

190514_grafico_indicador_ipea_ca_mar_19

Em relação às grandes categorias econômicas, o resultado de fevereiro foi negativo. Na comparação com ajuste sazonal, com exceção do segmento bens de capital, que avançou 2,1%, todos os demais registraram queda em relação ao mês de fevereiro. O destaque negativo ficou por conta do segmento bens de consumo semi e não duráveis, que recuou 3,1% na margem. Na comparação interanual, o resultado foi similar. Enquanto o setor bens de capital foi o único a crescer, ficando 3,1% acima do patamar de março de 2018, os segmentos bens de consumo duráveis e bens de consumo semi e não duráveis destacaram-se negativamente, com quedas de 15,4% e 5,7%, respectivamente.

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de FBCF – março e primeiro trimestre de 2019 Investimentos avançam 1,1% em março, encerrando o primeiro trimestre de 2019 com alta de 0,6%

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) aponta alta de 1,1% em março em relação a fevereiro de 2019, na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, o indicador de investimentos encerra o primeiro trimestre registrando avanço de 0,6% sobre o trimestre anterior, também ajustado sazonalmente. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a FBCF atingiu patamar 1,6% superior ao verificado em março de 2018. Já na comparação do primeiro trimestre de 2019 com o mesmo período do ano passado, o investimento registrou expansão de 3,8%. Com isso, o resultado acumulado em doze meses ficou em 4,4%.

 Na comparação com o ajuste sazonal, o consumo aparente de máquinas e equipamentos (Came) – cuja estimativa corresponde à sua produção doméstica líquida das exportações acrescida das importações – apresentou alta de 2,1% em março, a terceira alta consecutiva na margem. Apesar disso, o primeiro trimestre encerrou com queda de 1,5%. Em março, de acordo com os componentes do Came, enquanto a produção interna de bens de capital líquida de exportações cresceu 1,8%, a importação de bens de capital aumentou 7,4% no mesmo período. No acumulado em doze meses, o Came apresenta expansão de 12,7%.

 O indicador de construção civil, por sua vez, recuou 1,8% em março, resultado que sucedeu queda de 0,5% no período anterior, na série dessazonalizada. Apesar disso, o primeiro trimestre de 2019 avançou 1,7% ante o período imediatamente anterior. No acumulado em doze meses, o setor segue com desempenho ruim, registrando recuo de 2%. Por fim, o terceiro componente da FBCF, classificado como outros ativos fixos, apresentou queda de 0,5% na passagem de fevereiro para março, encerrando o primeiro trimestre com alta de 3%.

 Na comparação com o mesmo período do ano anterior, o desempenho mensal foi heterogêneo. Enquanto o Came registrou aumento de 3,4% em março, a construção civil registrou variação negativa de 0,7%. O componente outros, por sua vez, atingiu patamar 4,8% superior ao observado em março de 2018.

Tabela - Indicador Ipea FBCF mar19

Gráfico indicador Ipea FBCF mar19

Acesse aqui a planilha com a série histórica do indicador



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------