Arquivos da categoria: Agropecuária

Boletim Agro Perspectivas do PIB agropecuário brasileiro em 2020

Por Ana Cecília Kreter, Fabio Servo, Pedro Garcia e José Ronaldo Souza Júnior

A produção de grãos, grande parte estabelecida no ano passado antes da eclosão da Covid-19 na China, e a importância estratégica da cadeia alimentícia para o enfrentamento dessa crise deverão garantir um bom desempenho do PIB Agropecuário, que estimamos em 3,8%, este ano. Apesar da estabilidade observada na produção, ainda é prematuro quantificar o impacto da crise e seus efeitos sobre a atividade no campo. Existe uma boa perspectiva em relação à retomada do mercado chinês. Ainda assim, riscos persistem, que demandam um acompanhamento permanente da evolução do mercado doméstico, onde se espera substituição no consumo de proteínas, caso se verifique alta de preços, priorizando proteínas com preços mais baixos.

CC46_Boletim Agro_tabela

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Economia Agrícola

Por Ana Cecília Kreter e José Ronaldo de C. Souza Júnior

A previsão da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Ipea para o PIB do setor agropecuário é de crescimento, em 2020, de 3,4%, caso o prognóstico de safra adotado seja do IBGE. Caso se utilize o prognóstico de safra da Conab, mais otimista, o crescimento do PIB do setor seria mais alto, de 4,1%. Essa alta, em ambos os cenários para a safra 2019/2020, representa uma forte aceleração da atividade do setor em relação ao ano passado, quando o crescimento foi de 0,7% – de acordo com a nossa estimativa. Por segmento, a previsão de 2020 é de alta de 3,9% (cenário safra IBGE) ou de 5% (cenário safra Conab) no valor adicionado da lavoura e de 3,5% no valor adicionado da pecuária. As culturas que deverão contribuir mais para o crescimento do valor adicionado da lavoura seriam a soja (alta de 8,7% na produção, de acordo com o IBGE) e o café (13,1%). Em relação à pecuária, todos os componentes devem impulsionar o crescimento do valor adicionado do segmento.

Além do detalhamento completo das previsões do PIB agropecuário, esta seção conta ainda com a análise detalhada mercados e preços agropecuários domésticos feita pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (USP) e com subseções dedicadas às seguintes questões relacionadas ao setor: setor externo, com os principais dados de comércio exterior e mercado internacional; crédito rural, que apresenta as contratações e as condições de crédito; e insumos, com destaque para os fertilizantes e a produção de máquinas agrícolas.

200221_cc_46_economia_agricola_tabela

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Economia agrícola

Por Ana Cecília Kreter e José Ronaldo de C. Souza Júnior

A previsão da Dimac/Ipea para o PIB do setor agropecuário é de crescimento de 1,4% em 2019. Por segmento, a previsão é de alta de 1,0% no valor adicionado da lavoura e de 1,8% no valor adicionado da pecuária. As culturas que mais contribuíram negativamente para o valor adicionado da lavoura foram a cana-de-açúcar e o café, com queda de 1,1% e 16,5%, respectivamente. Em relação à pecuária, bovinos, aves e ovos foram os componentes que impulsionaram o crescimento do valor adicionado do segmento, com altas de 2,1%, 2,1% e 3,4% no volume produzido. Para 2020, a previsão é de aceleração do crescimento do PIB do setor, que deve ficar entre 3,2% e 3,7%, dependendo do prognóstico de safra de grãos levado em consideração – do IBGE ou da Conab.

O setor externo apresentou contração de 6% entre janeiro e outubro de 2019, comparado ao mesmo período de 2018. Apesar do crescimento significativo em valor em três produtos importantes na pauta de exportação – milho, algodão e carne de suíno –, houve contração das exportações de soja em grãos, farelo de soja, celulose e açúcar, claramente ainda os principais produtos da pauta.

Esta seção de Economia Agrícola conta ainda com uma  análise detalhada feita pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (USP) dos mercados e preços agropecuários domésticos; com uma subseção de crédito rural, que apresenta o fechamento do ano safra 2018/2019, as contratações e as condições de crédito; e com uma subseção de insumos, com destaque para os fertilizantes e a produção de máquinas agrícolas.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Economia Agrícola

Por Ana Cecília Kreter e José Ronaldo de C. Souza Júnior

A previsão do Grupo de Conjuntura da Dimac do Ipea para o PIB do setor agropecuário é de crescimento de 0,5% em 2019 e de uma aceleração para 2% em 2020. Por componente, a previsão para 2019 é de alta de 0,2% no valor adicionado da lavoura e de 2,3% no valor adicionado da pecuária. Os segmentos que mais devem contribuir para o resultado positivo no valor adicionado da lavoura são os de produção de milho e algodão, com aumento previsto de 21,4% e 32,5%, respectivamente, no volume produzido no ano. As culturas de soja e café́, por outro lado, devem registrar desempenho negativo em 2019, com quedas previstas de 4,0% e 13,1%, respectivamente. Em relação à pecuária, todos os segmentos devem fechar o ano com crescimento. Para o ano de 2020, as primeiras informações indicam que o setor deve apresentar resultados superiores ao esperado para 2019. Estimativas preliminares da Conab sugerem que as safras de soja e arroz devem crescer 6,0%, 6,1%, respectivamente. A safra de milho, que vem sendo destaque no ano de 2019, deve se manter estável segundo as mesmas estimativas. Por outro lado, o algodão deve apresentar queda de 6,0% no volume produzido.​

Gráficos Economia agrícola - CC44

Esta seção conta ainda com a análise detalhada feita pelo Cepea da USP dos mercados e preços agropecuários domésticos e com uma subseção de crédito rural, que apresenta o fechamento do ano safra 2018/2019, as condições de crédito e o Plano Agrícola e Pecuário 2019/2020.

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Economia Agrícola

Por Ana Cecília Kreter e José Ronaldo de C. Souza Júnior

A previsão do Grupo de Conjuntura da Dimac/Ipea para o PIB do setor agropecuário é de crescimento de 0,6% em 2019. Por segmento, a previsão é de alta de 0,1% no valor adicionado da lavoura e de 3% no valor adicionado da pecuária. Embora o Levantamento Sistemático da Agricultura (LSPA) do IBGE preveja aumento da produção para a maioria dos produtos, o pequeno crescimento do valor adicionado da lavoura é explicado pela previsão da safra de soja com volume 4,4% menor em relação à anterior. No caso da pecuária, as previsões do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicam um crescimento para todos os itens, com destaque para a produção de bovinos, suínos e leite. Em relação à produção de bovinos, que responde por cerca da metade do valor adicionado do segmento, prevê-se um resultado 3,0% superior ao ano passado, reflexo do aumento das exportações na categoria in natura.

O setor externo apresentou estagnação entre janeiro e abril de 2019, comparado ao mesmo período de 2018. Apesar disso, os três principais produtos da pauta de exportação – soja em grãos, celulose e carne de frango – apresentaram crescimento. Já os produtos como farelo de soja e açúcar de cana apresentaram desempenho negativo em termos de valor.

Esta seção conta ainda com a análise detalhada, feita pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (USP), dos mercados e preços agropecuários domésticos de janeiro a março de 2019, que, comparados com o trimestre anterior, apresentaram aumento na maior parte dos produtos analisados – boi gordo, leite e ovos –, apesar da queda para a soja e o café.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Evolução do crédito rural nos últimos anos-safra

Por Fábio Ribeiro Servo

Em junho deste ano, será anunciado o Plano Safra, ou Plano Agrícola e Pecuário (PAP), orientando a atividade agropecuária no ano-safra que se estenderá de julho de 2019 a junho de 2020. Trata-se de importante instrumento de planejamento para o produtor rural, elaborado anualmente pelo governo, no qual são estabelecidos os regramentos válidos e é apresentada a estimativa dos montantes de financiamento disponíveis para os doze meses seguintes, reduzindo parte da incerteza tão própria a essa atividade. O plano se estrutura sobre três pilares: crédito rural, apoio à comercialização e gestão de risco rural. Os dois últimos envolvem mecanismos de garantia de preços mínimos, zoneamento climático e seguro rural. Nesta Nota Técnica, trataremos do primeiro pilar, o crédito rural, objetivando apresentar brevemente sua relação com o PIB agropecuário, sua evolução nos últimos anos-safra, bem como os elementos associados – como fonte de recursos, tipologia, juros e demais condições de concessão – e o custo fiscal.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Economia Agrícola

Por Ana Cecília Kreter e José Ronaldo de C. Souza Júnior

O Ipea estima que o produto interno bruto (PIB) agropecuário tenha caído 0,5% em 2018, principalmente devido à lavoura (-3,4%). A pecuária, em contrapartida teve resultado positivo, de 3,2%. Para o ano de 2019, o Ipea projeta crescimento de 0,4% do PIB agropecuário, levando em conta o prognóstico de safra e as pesquisas trimestrais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Especificamente, o crescimento previsto para o valor adicionado da lavoura é de 0,7%.

Esta seção conta ainda com a análise detalhada dos mercados e preços agropecuários no quarto trimestre de 2018, período no qual a maior parte dos produtos analisados apresentou quedas em relação ao trimestre anterior, sobretudo para os grãos. Porém, importantes mercados pecuários, como boi gordo e carnes suína e frango, tiveram elevação dos preços. Em relação aos preços médios de 2018, soja, milho, trigo, algodão, laranja, batata, leite, boi gordo e frango tiveram aumento frente a 2017. Já os preços médios do arroz, banana, café, carne suína e ovos registraram redução.

No que se refere ao comércio externo do setor, os três principais produtos da pauta de exportação – soja em grãos, celulose e farelo de soja – apresentaram crescimento elevado de 2017 e 2018, tanto em valor como em quantidade, compensando o desempenho negativo de praticamente todos os demais produtos. Apesar de o valor das importações brasileiras de produtos agroindustriais ser bem inferior ao das exportações, o trigo continua sendo o produto importado mais significativo, cujo valor aumentou em 31% em 2018.

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Economia Agrícola

Por Ana Cecília Kreter e José Ronaldo de C. Souza Júnior

As previsões do produto interno bruto (PIB) agropecuário do Grupo de Conjuntura da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Ipea foram feitas com base em dois cenários para a safra agrícola: o do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e o do Acompanhamento de Safra, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Com base nos prognósticos de safra do IBGE, a previsão Ipea é de alta do PIB agropecuário, de 0,6% em 2018 para 0,9% em 2019. As previsões ficam melhores quando utilizamos as previsões de produção agrícola da Conab, que resultam em previsão Ipea de crescimento de 0,9% e 2,0% para 2018 e 2019, respectivamente. De qualquer forma, a perspectiva é que o setor apresente crescimento neste e no próximo ano, porém abaixo da média da economia.

CC41_Agro_tabelaCC41_Agro_gráfico

A seção mostra também uma análise detalhada por produto feita pelo Cepea/Esalq/USP.

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Economia Agrícola

Por Ana Cecília Kreter e José Ronaldo de C. Souza Júnior

A seção de Economia Agrícola mostra que o PIB Agropecuário deve apresentar uma queda de 1% em 2018. Este resultado é explicado pelas quedas na lavoura (0,6%) e na pecuária (2,5%), enquanto o segmento outros deverá registar aumento de 0,7%. Considerando-se as estimativas do IBGE para o resultado da lavoura no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), entre os principais produtos da lavoura, os destaques positivos ficam por conta das safras de trigo e café, com estimativas de crescimento de 33,6% e 23,8%, respectivamente. Por sua vez, a safra de milho deverá recuar 15,9%.

No segundo trimestre de 2018, o movimento dos preços agropecuários foi de continuidade e acentuação de alta – devido ao aumento das demandas externa e interna – à desvalorização do real frente ao dólar e, também, à oferta relativamente mais restrita. A soja, que está em fase de comercialização, apesar de apresentar recuperação nos preços – crescimento de 13,2% em relação ao mesmo período do ano passado –, não atingiu o volume negociado de 2017.

CC40_Agropng

Acesse texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por que os alimentos levaram o IPCA de junho de 2018 à maior alta desde 1995?

Por Ana Cecília Kreter, Jefferson Staduto e José Ronaldo de Castro S. Júnior

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, no dia 6 de julho, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) referente ao mês de junho. O setor agropecuário, que vinha contribuindo fortemente para a estabilidade do IPCA, acabou sendo um dos responsáveis pela maior alta do índice desde 1995.

De fato, este setor tem assumido um papel cada vez mais estratégico na economia do país. Dada sua contribuição decisiva tanto para a oferta interna de alimentos e matérias-primas quanto para o equilíbrio na balança comercial, o setor vem impactando expressivamente no comércio exterior e no nível de atividade, com forte encadeamento para frente. Também há uma relação direta entre preço de produtos agropecuários e inflação. Representados pelo grupo “alimentos e bebidas”, estes produtos são responsáveis por 24,27% do IPCA, possuindo a maior participação percentual. Dentro deste grupo encontra-se ainda a “alimentação no domicílio”, que representa 15,61% do IPCA global.

Esta Nota Técnica tem como objetivo analisar o comportamento dos preços dos produtos agropecuários que compõem o grupo alimentos e bebidas e apresentar por que razão o impacto desses produtos foi tão alto no IPCA do mês de junho.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------