Todos os posts de Pedro de Barros Gabriel

Setor Externo

Carta de Conjuntura Nº 37

Por Marcelo José Nonnenberg

A manutenção de um cenário externo favorável, a redução do risco país, por um lado, e a queda das taxas de juros, por outro, vêm contribuindo para manter a taxa de câmbio relativamente estável. O superavit comercial continua crescendo, atin­gindo US$ 58,5 bilhões nos primeiros dez meses do ano, 51,8% acima do mesmo período do ano passado, resultado de exportações de US$ 183,5 bilhões e impor­tações de US$ 125,0 bilhões.

 As exportações voltaram a crescer, com elevação de 19,9% no acumulado até outubro. Este crescimento vem sendo impul­sionado basicamente pelos preços mais altos, uma vez que as quantidades vêm permanecendo relativamente estáveis. As importações também têm apresentado desempenho positivo nos últimos três meses, com elevação de 9,1% no acumulado do ano, puxadas principalmente pelos bens intermediários (apesar de uma queda em outubro, em termos dessazonalizados), combustíveis e lubrificantes e bens de capital. Nos meses recentes, nota-se um aumento das quantidades importadas, em que pese uma redução em outubro.

 O deficit em conta corrente como proporção do PIB passou de 1,13% nos primeiros 10 meses de 2016 para 0,18% no mesmo período deste ano. A situação mais favorável do balanço de paga­mentos vem proporcionando um aumento da posição de reservas internacionais, que passaram de US$ 372,8 bilhões em novembro do ano passado para cerca de US$ 381 bilhões no final de novembro deste ano, no conceito de liquidez inter­nacional.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Economia Agrícola

Por Jose Eustáquio Ribeiro Vieira Filho e José Ronaldo de C. Souza Júnior

O expressivo crescimento da safra de grãos observado neste ano deve resultar numa contribuição significativa do setor agrícola para a expansão da atividade econômica brasileira – o crescimento do produto interno bruto (PIB) do setor agropecuário deve fechar o ano em 10,8%. Para o ano que vem, no entanto, o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) preveem que a safra deve ser menor que a de 2017. Com isso, a previsão é que o PIB do setor deve cair 1,7% em 2018. Esta seção – feita em conjunto com a Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SPA/Mapa) e o Centro de Estudos Avan- çados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo (Esalq-USP) – traz ainda uma análise completa de preços, produção, emprego, comércio exterior, seguro e crédito do setor agropecuário.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de FBCF ajustado pelos dados das Contas Nacionais

Por Leonardo Mello de Carvalho e José Ronaldo de C. Souza Jr.

Os dados do Indicador Ipea mensal de formação bruta de capital fixo (FBCF) foram ajustados com base no resultado divulgado pelo Sistema de Contas Nacionais Trimestrais (SCNT) do segundo trimestre de 2017, do IBGE. A FBCF voltou a se destacar negativamente entre os componentes do PIB pelo lado da demanda. Na comparação livre de influências sazonais, a queda de 0,7% no segundo trimestre de 2017 representou o décimo quarto recuo em 15 períodos. O que o Indicador Ipea mensal mostra é um comportamento discrepante entre as máquinas e equipamentos, que cresceram 4,9% no segundo trimestre, na comparação com o trimestre anterior (ajuste sazonal), enquanto a construção civil apresentou nova queda (de 2,2%), fazendo com que o FBCF tivesse um desempenho médio negativo.

Outra questão importante revelada pelo Indicador Ipea mensal de FBCF é que o comportamento ao longo dos três meses do trimestre foi positivo, especialmente em relação às máquinas e equipamentos – que apresentaram crescimentos mensais elevados.

Tabela - Indicador Ipea FBCF jun17_ajustado

graficos



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Produção industrial deve registrar ficar praticamente estável em julho

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea de Produção Industrial prevê leve recuo de 0,1% para o resultado da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), do IBGE, referente a julho, frente ao mês anterior, na série dessazonalizada. Já na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a produção teria ficado 0,4% acima do patamar de julho de 2016, terceira alta consecutiva.

Em relação aos indicadores coincidentes da produção industrial, o desempenho exibido na comparação entre julho e junho, na série dessazonalizada, voltou a apresentar comportamento heterogêneo (ver tabela). Por um lado, de acordo com a Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (FUNCEX), a importação de bens intermediários registrou queda de 2,3%, após a forte alta registrada no período anterior (8,7%). Além disso, a Associação Brasileira do Papelão Ondulado (ABPO) indica que a venda de papel e papelão caiu 1,2% na margem. Por sua vez, a produção de auto veículos recuou pela mesma taxa nesta base de comparação, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).  No entanto, na comparação entre julho de 2017 e o mesmo período de 2016, o desempenho positivo voltou a ser generalizado.

Alguns indicadores apresentaram, porém, um desempenho positivo no início do terceiro trimestre. Enquanto o nível de utilização de capacidade, medido pela Fundação Getúlio Vargas, cresceu 0,5 pontos percentuais, o volume de tráfego de carga em estradas com pedágio também avançou em julho, com alta de 1,1%, segundo a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR).

Tabela-Indicador-Ipea-Produção Industrial-Jul17



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------