Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais – Novembro de 2019 Demanda interna por bens industriais recuou 1% no mês

Por Leonardo Mello de Carvalho

O Indicador Ipea Mensal de Consumo Aparente de Bens Industriais – definido como a parcela da produção industrial doméstica destinada ao mercado interno acrescida das importações – registrou queda de 1% na comparação entre os meses de novembro e outubro, na série com ajuste sazonal. Com esse resultado, que sucedeu avanço de 1,9% no período anterior, o trimestre móvel encerrado em novembro registrou crescimento de 1,6% na margem. Entre os componentes do consumo aparente, enquanto a produção interna destinada ao mercado nacional (bens nacionais) permaneceu praticamente estável em novembro, cedendo 0,1% na margem, as importações de bens industriais recuaram 5,4%, conforme mostra a tabela 1.

Na comparação interanual, a demanda interna por bens industriais cresceu 2,1% contra novembro do ano passado. O resultado voltou a superar o desempenho apresentado pela produção industrial (queda de 1,7%), mensurado pela Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, o trimestre móvel encerrado em novembro apresentou um crescimento de 3,8% em relação ao verificado no mesmo período do ano passado. Tomando por base a variação acumulada em doze meses, a demanda registrou uma variação ligeiramente negativa (-0,3%), enquanto a produção industrial acumulou baixa de 1,3%, como visto no gráfico 1.

Tabela 1

Grafico 1

A análise dos resultados por grandes categorias econômicas, por classes de produção e por segmentos pode ser vista no texto completo do indicador.

Acesse aqui a planilha com a série histórica do indicador



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Inflação por faixa de renda – dezembro/2019

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda apontou, em dezembro, forte aceleração em todas as classes pesquisadas, destacando-se uma pressão inflacionária mais intensa para as famílias com menor poder aquisitivo (1,19%) relativamente à observada no segmento mais rico da população (0,99%). Na abertura por grupos, os dados mostram que o aumento de 4,69% nos preços dos alimentos no domicílio foi o principal responsável pelo incremento inflacionário das famílias mais pobres, ao passo que a alta de 1,54% dos transportes é apontada como o principal foco de pressão sobre a inflação da classe mais abastada.

Tabela 1

Com a incorporação do resultado de dezembro, a inflação encerrou 2019 acima do que foi registrado nos dois anos anteriores, independentemente da classe pesquisada. Deve-se pontuar ainda que, mantendo-se a trajetória dos últimos anos, a inflação das famílias de renda mais baixa vem se mantendo em patamar ligeiramente superior ao observado nas classes de maior poder aquisitivo. Em 2019, enquanto a inflação da classe mais pobre da população ficou em 4,4%, a alta registrada no estrato de renda mais alta foi de 4,2%.

Grafico 3

Veja texto completo sobre o resultado de novembro

Acesse a série histórica completa



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de FBCF – Novembro de 2019 Investimentos apresentam queda de 1% na margem

O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) aponta recuo de 1% na comparação entre os meses de novembro e outubro de 2019, na série com ajuste sazonal. Com isso, o trimestre móvel terminado em novembro registrou alta de 0,5%, também na série dessazonalizada. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a FBCF atingiu patamar 1,8% inferior ao verificado em novembro de 2018. No acumulado em doze meses, os investimentos desaceleraram, com a taxa de crescimento passando de 2,6% para 2,1%.

Na comparação com o ajuste sazonal, o consumo aparente de máquinas e equipamentos – cuja estimativa corresponde à sua produção doméstica destinada ao mercado interno acrescida às importações – apresentou retração de 4% em novembro. Com esse resultado, o trimestre móvel passou de -0,4% em outubro para -2,5% em novembro. De acordo com os seus componentes, enquanto a produção nacional de máquinas e equipamentos avançou 0,4%, a importação retraiu 5,1% no mesmo período, voltando a ser o destaque negativo no período.

O indicador de construção civil, por sua vez, avançou 0,5% em novembro, resultado que sucedeu queda de 1% no período anterior, na série dessazonalizada. Com isso, o trimestre móvel avançou 0,4% ante o período imediatamente anterior. No acumulado em doze meses, o setor registrou alta de 0,4% em novembro, o primeiro resultado positivo desde julho de 2014 nessa base de comparação. Por fim, o terceiro componente da FBCF, classificado como outros ativos fixos, apresentou alta de 0,4% na passagem de outubro para novembro, encerrando o trimestre móvel com queda de 0,5%.

Na comparação com o mesmo período do ano anterior, o desempenho mensal foi heterogêneo. Enquanto a construção civil registrou variação positiva de 0,6%, o segmento máquinas e equipamentos registrou queda de 6,7% em novembro. O componente outros, por seu turno, atingiu patamar 3,9% superior ao observado no mesmo período de 2018.

Gráfico

Tabelas 1

 

Acesse aqui a planilha com a série histórica do indicador



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Visão Geral da Conjuntura

Por José Ronaldo de C. Souza Júnior, Paulo Mansur Levy, Francisco Eduardo de L. A. Santos  e Leonardo Mello de Carvalho

A economia brasileira acelerou o crescimento no terceiro trimestre, surpreendendo a maioria das previsões, inclusive as da Dimac/Ipea. O consumo das famílias foi o principal determinante dessa aceleração, enquanto o investimento manteve ritmo firme de expansão. Os dados mais recentes da atividade econômica, de outubro, indicam continuidade do crescimento no último trimestre do ano, embora estimativas para novembro mostrem algum recuo na indústria – muito influenciada pela queda na produção do setor automobilístico. A previsão da Dimac/Ipea é de que o crescimento no 4º trimestre seja de 0,4% ante o trimestre anterior e de 1,5% ante o 4º trimestre de 2018. Com isso, o crescimento do PIB neste ano será de 1,1%.

As projeções da Dimac/Ipea para 2020 indicam aceleração do crescimento do PIB, para 2,3%. Pelo lado da oferta, todos os setores terão aumento em sua taxa de crescimento, com destaque para a agropecuária, que deve crescer 3,8%. Pelo lado da demanda, prevê-se forte aceleração do investimento e do consumo das famílias, enquanto as exportações líquidas novamente absorverão esse aumento da demanda doméstica, a exemplo do aconteceu em 2019. A inflação prevista para 2019 é 3,7% e a de 2020, 3,8%. O choque do preço das carnes tende a se dissipar, e a inflação de alimentos cairia de 4,2% em 2019 para 3,1% em 2020. Nos dois anos, a variação de preços monitorados será superior à média: 5,7% em 2019 e 5,5% em 2020. A inflação dentro da meta reflete, entre outros fatores, a existência de recursos ociosos na economia, permitindo uma aceleração do crescimento sem pressões inflacionárias. A estimativa para o hiato do produto é de que ele termine 2019 em 2,8%, caindo para 2,0% ao final de 2020 – o que indica que ainda haveria ociosidade mesmo com a aceleração do crescimento.

Esta Visão Geral da Conjuntura está dividida da seguinte forma: na primeira parte, é feita uma análise do desempenho recente da economia brasileira, com dados gerais da  conjuntura; a segunda parte é dedicada à questão fiscal, com destaque para as perspectivas para o período 2020-2023 em relação ao espaço fiscal para despesas discricionárias limitadas pelo teto dos gastos; na terceira e última parte, analisam-se as previsões de crescimento e inflação para 2019 e 2020.

CC45_Visão geral_tabela 2CC45_Visão Geral_tabela 3

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Indicador Ipea de Hiato do Produto – 3º Trim./2019 Grau de ociosidade da economia brasileira está em 2,7%

Por José Ronaldo de C. Souza Júnior

O Indicador Ipea de Hiato do Produto, calculado com base na metodologia da função de produção descrita em Nota Técnica da Carta de Conjuntura nº 36, estima que o PIB está 2,7% abaixo de seu potencial. Com o crescimento projetado na Visão Geral da Conjuntura, essa ociosidade tende a cair para cerca de 2,0% no final de 2020.

CC45_produto potencial

Acesse aqui a série completa do Indicador Ipea de Hiato do Produto até o terceiro trimestre de 2019



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Atividade econômica: Indicadores mensais

Por Leonardo Mello de Carvalho

Depois de fechar o terceiro trimestre em aceleração, com crescimento de 0,6%, a economia brasileira iniciou o último trimestre com indicadores mostrando sinais heterogêneos. Enquanto o Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) mensal apontou recuo de 2,2% na passagem entre os meses de setembro e outubro, a produção industrial registrou avanço de 0,8% no mesmo mês. Em relação ao mês de novembro, a Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Ipea estima uma acomodação da produção industrial, com recuo de 0,5% na série sem efeitos sazonais.

As vendas do comércio varejista, de acordo com a PMC do IBGE, avançaram 0,8% em outubro, na série ajustada sazonalmente, a oitava variação positiva seguida nessa base de comparação. Além do bom desempenho verificado no comércio de bens, o setor de serviços também tem se beneficiado de uma demanda interna mais aquecida. Segundo a PMS, também do IBGE, a receita real cresceu 0,8% no primeiro mês do quarto trimestre, na comparação dessazonalizada. O resultado foi a quinta variação positiva em sete meses. Para novembro, prevemos um aumento de 0,4% para as vendas no comércio, enquanto o volume de serviços devem apresentar estagnação ante o mês de outubro.

Acesso o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Índice de Custo da Tecnologia da Informação (ICTI) – outubro de 2019

Por Maria Andreia Parente Lameiras

O Índice de Custo da Tecnologia da Informação (ICTI) calculado pelo Ipea apresentou variação de 0,26% no mês de outubro, situando-se 0,27 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa registrada em setembro. Esse foi o menor nível deste indicador para o mês de outubro desde 2014. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a queda observada foi de 0,25 p.p.

Com a incorporação desse resultado, nos últimos doze meses, o ICTI aponta variação de 5,30%, mantendo-se em patamar bem acima dos registrados tanto nos índices da Fundação Getulio Vargas (FGV) – Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) e Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP) – quanto no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), como mostra a tabela 1.

191217_cc_45_icti_outubro_tabela_01

Na desagregação pelos oito grupos de serviços que compõem o ICTI, observa-se que, no acumulado em doze meses, a maior contribuição veio do segmento de despesas com pessoal, cuja alta de 9,6% foi responsável por aproximadamente 88% da variação total apresentada pelo índice. Ainda que em menor intensidade, o segmento demais despesas operacionais também afetou positivamente o ICTI, com contribuições de 0,57 p.p. No sentido contrário, a queda de 2,0% nos preços dos materiais de consumo, verificada entre novembro de 2018 e outubro de 2019, vem gerando um alívio sobre o indicador.

191217_cc_45_icti_outubro_tabela_02

Acesse aqui a planilha com a série histórica do indicador



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Análise da evolução das importações visà- vis a produção interna do setor de bens intermediários

Por Helena Nobre de Oliveira, Leonardo Mello de Carvalho e Marcelo José Braga Nonnenberg

A presente Nota Técnica tem como principal objetivo analisar o comportamento recente das importações dos chamados bens intermediários, cuja participação tem crescido, vis-à-vis a evolução da sua produção física. Para isso, foi desenvolvida uma metodologia que permite a construção de índices de preços e de quantidades de exportações e importações para quaisquer níveis de agregação. Dessa forma, com base nas classificações existentes no âmbito das pesquisas de produção industrial física, pode-se comparar suas trajetórias com aquelas associadas aos respectivos indicadores de comércio exterior. Com base nos resultados obtidos, nota-se que o aumento da participação dos bens importados no setor de intermediários vem ocorrendo de modo mais claro em segmentos com maior grau tecnológico, como, por exemplo, nos insumos industriais elaborados e nos combustíveis e lubrificantes elaborados.

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Boletim de expectativas

Por Estêvão Kopschitz X. Bastos

Este boletim apresenta uma compilação de expectativas para diversas variáveis econômicas, coletadas de diferentes fontes. A inflação para o ano completo de 2019 tem passado por consideráveis revisões, por causa da elevação recente de alguns preços, como o da carne, mas as projeções para 2020 não foram afetadas, nem as expectativas quanto às decisões do Comitê de Política Monetária (Copom) para a meta Selic. A inflação esperada para os próximos doze meses implícita nas cotações de títulos do Tesouro elevou-se recentemente, mas essa inflação tem sazonalidade e, depois de feito o ajuste, a alta mostra-se menor. A STN publicou uma atualização do Relatório de Projeções da Dívida Pública Federal do segundo quadrimestre e aqui são comparadas as projeções anteriores com as revistas para a dívida pública e o resultado primário, cotejadas com as previsões coletadas pelo boletim Focus/BCB e pelo Prisma Fiscal/SPE. Um dos motivos para a atualização foi a publicação, pelo IBGE, de uma série revista do PIB nominal: o de 2018 ficou 0,9% mais alto, e, no primeiro semestre de 2019, o aumento foi de 0,8%, o que afeta as variáveis medidas em porcentagem do PIB. São mostradas também as projeções para a conta corrente do balanço de pagamentos, que passaram a refletir as recentes revisões nos dados. Por fim, registra-se que diminuiu a probabilidade de recessão nos Estados Unidos, aferida a partir da inclinação da curva de juros.

191212_graficos_7_e_9_bBoletim

Acesse o texto completo



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Mercado de trabalho

Por Maria Andreia Parente Lameiras, Carlos Henrique L. Corseuil, Lauro Roberto Albrecht Ramos e Sandro Sacchet de Carvalho

No período recente, a expansão mais moderada da população ocupada impediu uma desaceleração mais significativa da taxa de desocupação. A análise desagregada com os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD Contínua) mostra, inclusive, uma queda de 1,2% na ocupação entre os trabalhadores mais jovens no terceiro trimestre de 2019 – apesar disso, a taxa de desocupação dos jovens recuou devido à retração de 1,3% da força de trabalho desse segmento. Outros aspectos, entretanto, indicam um mercado de trabalho mais favorável, principalmente em relação à subocupação, ao desalento e ao desemprego de longo prazo, cujos indicadores vêm apresentando trajetórias melhores. No trimestre móvel, encerrado em outubro, a taxa combinada de desocupação e subocupação recuou pela quinta vez consecutiva, ficando em 18,2% e a população desalentada apontou queda de 1,6% na comparação com o mesmo período de 2018. Em relação ao tempo de procura por emprego, observa-se que o contingente de desocupados de longo prazo no país também vem recuando, tendo em vista que, enquanto no último trimestre de 2018, 41,1% dos desempregados estavam nessa situação há pelo menos um ano, no terceiro trimestre de 2019, essa porcentagem recuou para 38,8%. De modo similar, nota-se que a ocupação dos trabalhadores sem carteira começa a perder um pouco de intensidade, cedendo lugar para uma expansão mais forte do emprego formal. Já a dinâmica dos trabalhadores por conta própria, cujo crescimento, em um primeiro momento, foi creditado apenas a uma piora do cenário de emprego no país, pode estar indicando uma mudança estrutural das relações de trabalho, seja por conta do aumento da terceirização, tendo em vista não só a regulamentação da terceirização em um gama maior de atividades, mas também devido à consolidação da “economia de aplicativos”, que tem aberto novas possibilidades de geração de renda.

Os microdados da PNAD contínua revelam ainda que, embora no terceiro trimestre de 2019 a maior retração salarial tenha ocorrido na faixa de renda mais alta (-0,66%), no acumulado do ano, a queda é maior para o segmento de renda mais baixa, cuja renda domiciliar recuou 0,87%, ao passo que no grupo mais rico da população houve um incremento de 1,1%. No terceiro trimestre de 2019, a renda média real domiciliar das famílias mais pobres era 30,5 menor que à observada na faixa mais abastada da população – mesmo razão entre rendimentos observada no segundo trimestre. No ano de 2019, apesar da ampliação da desigualdade entre os extremos da distribuição da renda do trabalho, o crescimento relativamente maior do rendimento das faixas intermediárias da distribuição resultou numa relativa estabilidade do Índice de Gini.

CC45_Mercado de Trabalho_tabela

Acesso o texto completo com a análise detalhada sobre a conjuntura do mercado de trabalho



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------